Depois do povo tunisiano derrubar Ben Ali, os analistas “experts” nos diziam que a revolução não se espalharia até o Egito. Depois que isso aconteceu, estes “experts” não estavam mais certos sobre o que poderia acontecer na seqüência. Já tivemos poderosos movimentos na Jordânia e no Iêmen, assim como grandes protestos na Argélia e em outros países. Agora é a vez da Líbia e do Bahrein, assim como o Iraque, enquanto o Iêmen está pegando fogo novamente.

Nos protestos de 20/2 em Marrocos, o Estado reprimiu as massas, levando a pelo menos 9 mortes e muitas prisões. Um militante da Liga de Ação Comunista (LAC), seção da CMI em Marrocos, foi preso e torturado. Pedimos solidariedade para repudiar essas ações.