O Ministério da Defesa disse que era um “movimento rotineiro”. Um porta-voz do Ministério da Defesa disse à BBC que o movimento “não tinha nada a ver com o aumento das tensões entre o Reino Unido e a Argentina sobre a quem pertencem as Ilhas Malvinas”.