A Europa está à beira do abismo. Esta é a opinião, não somente dos marxistas, mas também dos mais sérios estrategistas do Capital. Mal se passaram seis semanas do último pacote de socorro financeiro à Grécia e ele já está descosturado.

A crise global do capitalismo entrou em nova etapa. Ao invés de recuperação, vários países estão mostrando sinais de uma depressão. Esta é uma situação sem precedentes e revela a profunda enfermidade que afeta o sistema capitalista, o qual ainda se ressente da recessão de 2008-9.

Lal Khan analisa como a pequena burguesia da Índia busca atacar as nacionalizações, identificando nelas a base da corrupção, sendo ela mesma corrupta e parte do sistema que origina a corrupção, o qual ela quer manter. Sociedades que fervilham em descontentamento e miséria se revoltam de formas peculiares. Na extrema e desigual sociedade indiana, a revolta recente, se e que pode ser chamada assim, em torno do ativista social conservador Anna Hazare mostra o mal estar que tomou a maior democracia do mundo, que hoje é também uma das economias que mais cresce no mundo.

As massas israelenses entraram na cena política no médio oriente. Um estado militarizado e lugar tenente dos interesses imperialistas na região, quando enfrentado ao levante das massas, é sinal de que ventos frescos sopram a favor da revolução.

Há vinte e quatro horas atrás, as ruas de Trípoli estavam repletas de sons de comemoração. Agora elas estão cheias de barulhos de tiros. A batalha real por Trípoli começou.

Khadafi caiu após Alan escrever este artigo. No entanto isso não invalida em nada seu conteúdo que além de explicar o desenrolar dos acontecimentos, aponta uma saída revolucionária para a luta do povo líbio. O final veio subitamente e sem aviso. No momento da verdade, o regime de Khadafi caiu como um castelo de cartas.

A revolta chegou na Inglaterra. Tudo começou com a repressão policial e a raiva contra o sistema apodrecido explodiu. Os protestos no Reino Unido são apenas um sintoma de uma crise geral do capitalismo. Os marxistas não se juntarão à burguesia e seus agentes em seu coro de denúncia. Nosso dever é encontrar um caminho para a juventude, ajudá-la a encontrar o caminho certo – o caminho revolucionário, em direção a reconstrução socialista do mundo.

A zona do euro está entrando em águas tempestuosas. A crise que se abriu com o quase colapso do sistema bancário mundial em 2008 agora se aprofundou em uma crise de insolvência de nações inteiras. A burguesia não sabe como sair da crise, que está varrendo como um tsunami de um país a outro na Europa. Nas palavras do ministro das finanças da Itália, “Não deve haver ilusões sobre quem será salvo. Como no Titanic, os passageiros da primeira classe também não serão capazes de se salvar”.

A economia e a política, como ciencia, permitem previsões aproximadas, desde que se use o método correto. Este artigo faz uma análise das previsões feitas pelos marxistas e pelos analistas burgueses durante a revolução árabe.