Hoje há uma greve geral planejada na Catalunha e uma mobilização maciça, com cinco colunas marchando por toda a Catalunha para convergir em Barcelona. Este dia de ação é organizado sob slogans que rejeitam o julgamento de “Procés” e apelam à liberdade dos presos políticos catalães e ao direito à autodeterminação. A Corrente Marxista Internacional no Estado espanhol, Lucha de Clases, apoia incondicionalmente este dia de luta.

Em 14 de outubro, o governo equatoriano de Lenín Moreno revogou o decreto 883. Depois de dias de lutas e mobilizações que atingiram proporções insurrecionais, Moreno foi forçado a fazer uma importante concessão diante do perigo de ser derrubado por meios revolucionários. A revolta de trabalhadores, camponeses e estudantes alcançou uma primeira vitória, parcial, ao custo de oito mortos, 1.340 feridos e 1.192 detidos.

Nesta segunda-feira (14/10), a Suprema Corte espanhola proferiu sentenças contra doze presos políticos catalães envolvidos no referendo de outubro de 2017, incluindo nove ex-ministros, o presidente do parlamento catalão e dois líderes populares da sociedade civil. O processo continuou por quase dois anos, durante os quais nove deles foram mantidos em prisão preventiva. Como esperado, as sentenças foram duras: entre nove e 13 anos de prisão pelos nove detidos em prisão preventiva e multas e desqualificação do cargo público para os outros três.