Porque é que os comunistas reivindicam “Intifada até à vitória”?

Os comunistas na Grã-Bretanha foram atacados pela imprensa reacionária pelo uso do slogan, “Intifada até à vitória!” Desfazendo mentiras e distorções, publicamos a nossa resposta, que vê na verdadeira herança das Intifadas, fonte de lições e inspiração para revolucionários de todo o mundo.

[Source]

O porta-voz reacionário dos meios de comunicação social da classe dominante britânica, The Telegraph, publicou recentemente dois artigos com o objetivo de retratar os nossos círculos marxistas sob a luz de “simpatizantes do terrorismo”, sugerindo que o Estado britânico deveria silenciar-nos por agitarmos este slogan.

Um círculo marxista numa universidade do Russell Group enfrenta ser fechado depois de colocar cartazes anti-Israel“, diz um dos artigos. Cartazes, acrescenta, que “apelam à violência“.

Citando um grupo nacional pró-sionista, o artigo afirma que “estudantes judeus” (isto é: aqueles estudantes judeus com quem o The Telegraph está interessado em conversar) condenaram isso como um “apelo velado à violência“. Além disso, o jornal cita a ameaça da secretária de Educação, Gillian Keegan, de dar penas de 14 anos a quem “glorificar” o terrorismo.

O exercício do Telegraph no chamado “jornalismo” é um apelo, baseado em mentiras e calúnias, à censura e à repressão. É uma tentativa de silenciar aqueles que ousam atribuir a culpa desta guerra diretamente a Benjamin Netanyahu, à classe dominante sionista e aos imperialistas ocidentais que se apressaram a apoiá-los.

Ambos os artigos do The Telegraph visam, através de insinuações, ofuscar o verdadeiro significado de “Intifada”. A sua pirataria jornalística procurou equiparar falsamente a Intifada, e toda a resistência palestiniana, ao “terrorismo” e ao “pró-Hamas”.

A classe dominante sempre tentou equiparar a revolução ao derramamento de sangue. Defendemos, no entanto, a verdadeira herança da Intifada, que é uma fonte de inspiração e de lições para os revolucionários.

Primeira Intifada

Em 7 de dezembro de 1987, a classe dominante foi surpreendida pelas notícias da Palestina. Após vinte anos de ocupação militar israelita direta desde 1967, as massas palestinianas entraram em cena na história depois de quatro habitantes de Gaza terem sido assassinados por um camionista israelita.

Tais atos de terror contra civis palestinianos inocentes eram comuns, como ainda o são. Mas daquela vez, como em todos os movimentos revolucionários, chegara-se a um ponto em que o povo finalmente se fartou.

Os métodos habituais de reprimir com balas os protestos dos palestinianos nos Territórios Ocupados não funcionaram. A assunção arrogante da classe dominante israelita de que tinha sido atingido um modus vivendi entre o opressor e o oprimido foi rapidamente desfeita. Nascia a Intifada , algo completamente diferente de qualquer forma de resistência palestina do passado.

O poder da primeira Intifada não veio de ataques com rockets ou conspirações urdidas nos bastidores. A palavra “Intifada” significa literalmente “sacudir” e refere-se a uma revolta em massa contra a opressão. Foi o carácter de massas do movimento que lhe deu força. Toda a população da Palestina se levantou para resistir à ocupação.

Em poucas semanas, dezenas de milhares de comités auto-organizados foram criados para resistir a todos os aspetos da governação israelita. Não seria incorreto dizer que os anos da primeira Intifada representaram o movimento mais democrático alguma vez visto na Palestina.

Os “comités populares” multiplicaram-se pela Palestina histórica, onde jovens assumiram as responsabilidades quotidianas de desafiar a ocupação. Alimentos, cuidados de saúde, protestos e autodefesa foram organizados a partir das bases.

A luta repentina e sustentada levou a greves gerais, boicotes comerciais e bloqueios de estradas. A desobediência civil correu nas veias da Primeira Intifada. A famosa revolta fiscal em Beit Sahour – onde os palestinianos se recusaram a pagar impostos cobrados pelas autoridades israelitas para financiar a mutilação e o assassínio dos seus filhos – minou completamente a narrativa israelita de que estavam a lidar com “terroristas”.

Foram criadas “zonas libertadas” em aldeias, cidades e campos de refugiados palestinianos, onde os shababs (jovens palestinianos) perseguiam as Forças de Defesa de Israel (FDI), que fugiam com a cauda entre as pernas. Os soldados da Intifada, rapazes que não tinham experimentado nada além da vida sob ocupação, estavam tipicamente armados com paus e pedras, lutando contra a máquina militar israelita.

Isso teve uma ressonância icônica em todo o mundo: uma verdadeira batalha de David e Golias, com a juventude palestina empunhando o estilingue.

Os jovens assumiram o controle dos bairros; os lojistas fecharam seus negócios; e a classe trabalhadora palestiniana recusou-se a trabalhar em Israel. A Intifada tornou-se um grito de alerta para a mudança exigida pelos oprimidos e pobres da região.

A raiva e a humilhação acumuladas do povo palestiniano explodiram – e isso teve sérias implicações para toda a região do Médio Oriente. A solidariedade espalhou-se pelas ruas dos Estados árabes. A luta dos palestinianos começou a ressoar dentro do próprio Israel, com uma pequena, mas significativa solidariedade expressa por elementos da classe operária e da juventude judaica.

A repressão brutal começou mesmo a abalar os jovens soldados das FDI, que ficaram revoltados com a ocupação. Abriram-se também divisões acentuadas nos escalões superiores do comando militar israelita. Isto foi resumido pelo General Orr, antigo comandante supremo das FDI: “Todos concordamos que a ocupação deve terminar, porque mantê-la constitui um perigo muito maior para a nossa segurança do que terminá-la.

Os sionistas haviam perdido, naquela época, o controle da situação. E é isso que preocupa hoje os imperialistas ocidentais quando se apela a uma Intifada. É precisamente porque não tem nada em comum com o terrorismo. De facto, mostrou às massas palestinianas que deviam estar na linha da frente da sua própria luta. Mostrou-lhes onde estava o verdadeiro poder na sociedade e ameaçou ensinar também essa lição aos trabalhadores de toda a região.

A Intifada abalou gravemente os alicerces sobre os quais os sionistas governam – e os seus métodos continuam a ser o único caminho a seguir pelos oprimidos e pobres. Foi e continua a ser a forma mais eficaz de lutar pela libertação duradoura das massas palestinianas empobrecidas.

Coro de cínicos

Para aqueles que, com a ousadia da ignorância, igualam as Intifadas ao Hamas, remetemos para o registo histórico. Financiado pelos serviços de segurança israelitas, com a supervisão da CIA, o Hamas foi promovido precisamente para quebrar as fortes correntes socialistas e seculares do movimento de libertação palestiniano.

Como o Haaretz escreveu recentemente, o Hamas continuou a ser promovido por Netanyahu para os seus próprios fins cínicos. Gershon Hacohen, associado de Netanyahu, deixou escapar este facto numa entrevista televisiva em 2019: “Temos de dizer a verdade. A estratégia de Netanyahu é impedir a opção de dois Estados, pelo que está a transformar o Hamas no seu parceiro mais próximo. Abertamente o Hamas é um inimigo. Covardemente, é um aliado.

Este tem sido um segredo muito pouco secreto desde há décadas. Talvez os meios de comunicação britânicos devessem perguntar às autoridades israelitas se, de facto, apoiam o Hamas.

Para aqueles que estão a tentar proibir o slogan da “Intifada até à vitória”, chamamos a atenção para as palavras de Michael Ben-Yair, Procurador-Geral de Israel (1993-96):

A intifada palestiniana é uma guerra de libertação nacional. Nós, israelitas, escolhemos entusiasticamente tornar-nos uma sociedade colonialista, ignorando tratados internacionais, expropriando terras, transferindo colonos de Israel para os territórios ocupados, praticando roubos e encontrando justificação para todas estas atividades.”

Há de facto pouco que pudéssemos acrescentar a estas palavras.

Violência de quem?

É verdade que houve violência durante a Primeira Intifada.

Métodos extremamente violentos foram utilizados pelo Estado israelita para reprimir a revolta popular. Mais de mil palestinianos foram assassinados, incluindo 237 crianças com menos de 17 anos. O próprio Netanyahu, antes de assumir sua posição atual, afirmou em 1987 que as FDI deveriam atirar para matar quem atirasse pedras. Nessa altura, era embaixador de Israel naquela grande “instituição humanitária”: as Nações Unidas.

Yitzhak Rabin, o secretário da Defesa que mais tarde apertaria a mão de Arafat no relvado da Casa Branca durante os Acordos de Oslo, tornou-se notório pela sua política de “ossos partidos” em relação aos shababs.

Deportações, rusgas, apreensões de bens e ameaças do Shin Bet (serviços de segurança israelitas) coloriram a resposta israelita a esta demonstração de militância palestiniana.

Estima-se que dois em cada cinco palestinianos do sexo masculino com mais de 15 anos nos Territórios Ocupados tenham sido presos durante 1987-93. 40.000 foram mantidos em detenção administrativa, mantidos reféns sem julgamento ou acusação adequada.

Os campos de Ansar de Israel foram sobrecarregados por “alvos políticos” e ficariam conhecidos como os “campos de morte lenta”. A tortura física e psicológica era a rotina. Os prisioneiros eram trancados em salas de isolamento, com um saco sobre a cabeça, algemados e forçados a ficar de pé. Métodos brutais – ecoando os abusos vistos mais tarde no campo de Abu Ghraib dos EUA durante a guerra do Iraque – eram a prática comum.

Naturalmente, os nossos inimigos não mencionam esta questão. Todos aqueles que levantam um tom e gritam sobre “incitar a violência” nos campus universitários ignoram deliberadamente quem perpetra a violência real, e com que fim.

Estas senhoras e estes senhores choram as suas lágrimas de crocodilo quando os hospitais são bombardeados, mas permanecem intransigentemente ao lado do regime israelita. Não admira que milhões não confiem numa única palavra que proferem ou acreditem nas manchetes que imprimem.

Tragédia

A Primeira Intifada abriu uma situação verdadeiramente sem precedentes. A situação tornou-se tão instável que o imperialismo norte-americano pressionou a classe dominante sionista a defender uma “solução de dois Estados”. Tudo tinha de ser feito para evitar uma revolução em grande escala.

A liderança palestiniana “oficial” também estava preocupada com a ameaça de revolução. Quando a Primeira Intifada eclodiu, os líderes da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) estavam exilados em Tunes. A Intifada tinha sido um movimento totalmente espontâneo, e tinha criado a sua própria liderança na Palestina, que estava por isso fora do controlo da OLP.

Yasser Arafat, que chefiava a OLP, via o conflito através de uma lente puramente nacionalista. Ele não tinha perspectiva de uma revolução socialista no Médio Oriente. No que diz respeito à liderança oficial palestiniana, o movimento espontâneo e popular tinha saído do seu controlo, e eles estavam dispostos a manobrar para atingir a liderança usar dos travões necessários.

Os sionistas poderiam, portanto, fazer uso dos líderes da OLP.

O resultado – sob a forma dos acordos de Oslo de 1993 – marcou uma humilhação de tudo aquilo pelo qual os palestinianos tinham lutado. Com a criação da Autoridade Palestiniana (AP), o nacionalismo palestiniano foi severamente posto à prova e fracassou.

Arafat usou a sua autoridade pessoal apoiando-se na militância das massas palestinianas. Serviu-se dela como moeda de troca com Israel, ao mesmo tempo que reprimiu a oposição interna. Apertos de mão, cimeiras, roteiros, jantares em resorts chiques e os tratados de paz alcançados pela “liderança” palestiniana significaram uma coisa – traição.

Entre 1993 e 2000, o número de colonos quase duplicou na Cisjordânia, passando de 110 900 para 190 206. Israel desrespeitou todos os seus principais compromissos estabelecidos em Oslo. A continuação da ocupação foi justamente vista por milhões de pessoas como os frutos amargos do “processo de paz”.

Quando o muito desprezado secretário da Defesa de Israel, Ariel Sharon, visitou o complexo da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, em 2000, esta foi a gota de água para os palestinianos. Esta flagrante provocação levou à eclosão da Segunda Intifada.

Isto começou mais uma vez como uma revolta espontânea em massa dos palestinianos. Tudo o que fora prometido por Arafat e companhia evaporou-se no ar. A paz e a prosperidade comuns entre os povos não poderiam ser alcançadas numa base capitalista.

Mas a falta de uma liderança genuinamente revolucionária impediu a oportunidade de acabar com a ocupação, fazendo apelos de classe a todos os pobres e oprimidos da região para que se levantassem. Em muitos aspetos, a Segunda Intifada caracterizou-se pela amargura e pelo desespero.

A liderança da Fatah e do Hamas – que também estava em ascensão – não ofereceu uma saída. Em vez da luta de massas, como era tradição nas Intifadas, voltaram-se cada vez mais para os métodos de bombardeamentos e ataques com rockets, que relegavam o papel das massas e não conseguiam derrotar a ocupação. No final, a liderança da Fatah e da Autoridade Palestiniana concordou, no âmbito do “roteiro para a paz” de George W. Bush, em pôr fim às ações armadas e, mais uma vez, assumir o papel de subcontratantes das FDI nos territórios ocupados.

A ascensão do Hamas durante estes anos foi um produto direto da capitulação venal da Autoridade Palestiniana a Israel. Esta é a tragédia das Intifadas.

A oportunidade de derrubar a classe dominante sionista – e todos os ditadores do Médio Oriente que são responsáveis pela difícil situação dos palestinianos – foi desperdiçada. Mas esta certamente não será a última.

Intifada até à vitória!

Trinta anos depois de Oslo, não surpreende que a juventude palestiniana procure um caminho a seguir através das lições da história. O potencial para uma conflagração muito maior em toda a região, pelos oprimidos sob a bota do imperialismo é claro para todos.

As Intifadas têm, acima de tudo, duas lições. Em primeiro lugar, que as massas da região têm um enorme poder quando entram em luta – são a única potência que pode derrubar o sionismo e o imperialismo. E, em segundo lugar, a liderança é um factor-chave: para realizar verdadeiramente este poder potencial, é necessário construir uma direção revolucionária.

A greve geral palestiniana de maio de 2021 – denominada “Intifada da Unidade” – foi um passo na direção da luta de massas. Só através da luta revolucionária contra os regimes de toda a região – uma nova Intifada – é que as massas serão libertadas das amarras do imperialismo.

Fomos atacados por usarmos um slogan pelo qual não pedimos desculpas. Continuaremos a usar todas as injustiças contra o povo palestiniano para desprezar a nossa hipócrita classe dominante. Continuaremos a organizar-nos nas escolas, nos bairros e nos locais de trabalho para derrubar os capitalistas e os imperialistas.

Rejeitamos liminarmente a acusação de que o nosso slogan representa uma ameaça para o povo judeu na Grã-Bretanha. A luta para derrubar o Estado sionista é a única maneira de acabar com a inimizade entre os povos da Palestina histórica.

Ou para deixar claro aos nossos inimigos de classe: os comunistas estão do lado dos oprimidos contra o opressor. Esse é o dever elementar de quem luta por um mundo livre da guerra, da opressão e da exploração. Não receberemos, portanto, sermões morais daqueles que justificam a violência do Estado israelita, incluindo meio sde comunicação propriedade de bilionários que têm sangue nas mãos.

Os comunistas da Tendência Marxista Inernacional continuarão a defender a herança revolucionária da sublevação palestiniana e a apresentar corajosamente este slogan em todas as oportunidades: Intifada até à vitória!