Portuguese

É característico do pensamento político mecânico e idealista imaginar que o partido dominante na sociedade está livre para fazer o que quiser ao governar uma sociedade. Se aceitarmos isto, então todas as tendências que a história exibe de degeneração de regimes em despotismo, corrupção e ineficiência têm de ser explicadas subjetivamente. Isto é claramente anticientífico, e o regime de Chiang Kai-shek não foi nenhuma exceção à regra.

No momento, a classe capitalista chinesa, em sua totalidade, está feliz em cooperar com o status quo. Eles não enxergam nenhuma alternativa e estão com medo de levantar a tampa da panela de pressão da ira da classe trabalhadora, o que os faz buscar a estabilidade a todo custo.

Sábado, dia 2 de fevereiro, marcou o septuagésimo aniversário do final da Batalha de Stalingrado, com a rendição das tropas alemãs. Um ponto de viragem na Segunda Guerra Mundial, onde cerca de 800 mil alemães e tropas do Eixo foram ou mortos ou capturados, incluindo todo o Sexto Exército Alemão e seu comandante -em-chefe – um golpe demolidor em Hitler. A Batalha de Stalingrado marca o momento em que o poder da Wermacht foi finalmente detido após uma sangrenta troca de golpes pelo controle da cidade de Stalingrado (agora, chamada de Volgograd) no sudoeste da União Soviética. Comparativamente, a vitória britânica na Batalha de El Alamein foi um episódio insignificante.

François Hollande (Presidente da França – nota do tradutor) saudou a aprovação "unânime" à esta guerra na Assembleia Nacional e no Senado. A UMP (União por um Movimento Popular – nota do tradutor) (direita) e a Frente Nacional (extrema direita) também a aprovam. O Partido Socialista o aprova igualmente. Porém Hollande também contou com o apoio da direção do nosso

...

Em 31 de janeiro, o jornal espanhol El País publicou vários documentos que mostram os principais líderes do Partido Popular recebendo pagamentos regulares em dinheiro do partido. O dinheiro vinha de doações ilegais oriundas de empresas do mais alto nível, particularmente dos setores de construção e segurança privada.

Uma outra variação da demanda por um "imposto sobre os ricos" é a proposta de um imposto sobre operações financeiras, também conhecido como "Imposto sobre Transações Financeiras" (ITF), ou "Imposto Tobin" (referência ao premiado com o Nobel de Economia, James Tobin, que foi o primeiro que propôs a ideia em 1972), ou "Imposto Robin Hood" (ou seja, tirar dos ricos para dar aos pobres).

Uma recente série de documentários da BBC intitulada “Donos do Dinheiro” examinou as ideias de três gigantes da história da economia: Keynes, Hayek e Marx. Neste artigo, vamos comparar e confrontar suas ideias no contexto da presente crise do capitalismo, para vermos se algum deles e seus escritos têm realmente respostas para resolver os problemas que a sociedade enfrenta atualmente.

A atual crise econômica foi descrita de diversos modos pelos comentaristas. Todos os tipos de "soluções" foram propostas, tanto por políticos e economistas burgueses, quanto pelas lideranças reformistas da classe trabalhadora. O que esses comentaristas e representantes não podem aceitar é que esta crise não será resolvida com a reforma disto ou daquilo. A sociedade está vivendo uma crise do capitalismo e a escolha que a humanidade enfrenta é simples: socialismo ou barbárie.

Quarta-feira passada, Caracas foi cenário de mais uma mobilização das massas em defesa da revolução. Dia 23 de Janeiro é uma data de luta no país. Foi nesse dia que o infame ditador Marcos Pérez Jimenez caiu em 1958, derrubado pelas manifestações realizadas pela população mais pobre.

A crise se avoluma e se aprofunda na Europa, a economia britânica está colapsando. Rob Sewell analisando a situação da crise britânica vaticina que "o capitalismo zumbi é resultado de sua existência prolongada. O sistema atingiu seu limite, e as contradições só se acrescentam às contradições. Só pode oferecer pesadelos à classe trabalhadora. A única saída é extingui-lo". 

Ao contrário do que afirma François Hollande e seu Governo, a intervenção do exército francês no Mali não tem nada a ver com os chamados "valores franceses", "direitos humanos" ou outras preocupações "humanitárias". Esta é uma intervenção imperialista para proteger os interesses das multinacionais francesas na região. 

Este artigo de Alan Woods trata da barbárie e do desenvolvimento da sociedade humana. Nos escritos pós-modernos, a história aparece essencialmente como uma série inexplicável de acidentes aleatórios e sem sentido. Ela não seria governada por nenhuma lei que possamos compreender. Uma variação deste tema é a ideia, agora muito popular em alguns círculos acadêmicos, de que não há um conjunto de formas de desenvolvimento social e cultural, mais altos ou mais baixos. Esta negação do progresso na história é característica da psicologia da burguesia na fase de decadência do capitalismo.

Ao contrário do que afirma François Hollande e seu Governo, a intervenção do exército francês no Mali não tem nada a ver com os chamados "valores franceses", "direitos humanos" ou outras preocupações "humanitárias". Esta é uma intervenção imperialista para proteger os interesses das multinacionais francesas na região. 

Companhias farmacêuticas manipulam ou retém dados científicos e mentem sobre os seus medicamentos, de forma a pôr em perigo, ferir ou matar pessoas doentes, para lucrar. Essa é a realidade chocante exposta no novo livro de Ben Goldacre[1], o “Bad Pharma: como as empresas de drogas enganam médicos e prejudicam pacientes"[2]. Este é um excelente exemplo da forma como o lucro recompensado pelo capitalismo está na frente do progresso humano.

A perseguição de Julian Assange representa um assalto total contra os direitos democráticos. Por qual “crime” perseguem este homem? As autoridades suecas tentam obter sua extradição devido a um caso de “abuso sexual” que tem sido exposto amplamente como uma fraude. Nenhuma pessoa séria crerá por momento algum, que esta é a verdadeira razão da caça às bruxas desatada contra o fundador de Wikileaks. 

A ideia de que uma Escócia independente sobre uma base capitalista resolveria os problemas do povo escocês é falsa. Pelo contrário, levaria a uma queda no padrão de vida, pois os salários seriam reduzidos para aumentar a competitividade.

Recebemos este informe do Cairo, escrito na última semana exatamente após a grande manifestação de 27 de novembro. Enquanto este informe estava sendo escrito, vários milhares de manifestantes ainda se encontravam na Praça Tahrir depois da enorme manifestação do dia 27. Centenas de milhares de pessoas se reuniram nesta Praça, que é o símbolo da Revolução Egípcia, gritando “Revolução”, “Expulsem o governo murshid” (Murshid é o líder supremo da Irmandade Muçulmana).

A raiva espalhou-se rapidamente à medida que milhares e milhares de pessoas iam se aglutinando na Praça Tahir para protestar contra o presidente Morsi e seu partido, a Irmandade Muçulmana. Por toda a praça viam-se slogans como: “A Irmandade Muçulmana roubou a revolução”, ou: “A Irmandade Muçulmana é mentirosa”. Durante todo o dia, chegavam à praça ondas intermináveis de marchas vindas da cidade velha (parte mais antiga da cidade do Cairo onde moram as pessoas mais pobres. Nota do Editor). Em tamanho e radicalismo os protestos de ontem (dia 27 de novembro) só se equiparam aos que levaram à queda do ditador Hosni Mubarak em Janeiro de 2011.

Os acontecimentos na Grécia estão mais uma vez nas principais manchetes dos jornais, depois de mais um dia de ação grevista militante e do novo “acordo” celebrado hoje pela União Europeia (UE). Este acordo para reduzir a dívida da Grécia é completamente insuficiente para resolver o problema e é um insulto à classe trabalhadora grega, que já vive anos de cortes brutais, enquanto a UE hesita. A única solução real para os problemas da Grécia é o cancelamento da dívida e a expropriação do capitalismo na Grécia e na Europa. Este artigo, que foi apresentado na segunda edição da revista teórica da Corrente Marxista Internacional, fornece algumas análises teóricas para as forças políticas e

...

No dia 26 de novembro duas procissões funerárias se converteram em protestos massivos nas ruas do Egito. Durante os últimos cinco dias, milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra um decreto anunciado pelo presidente egípcio, Mohamed Morsi, que lhe permite governar quase que autocraticamente. Os fatos mostram publicamente a verdadeira natureza da Irmandade Muçulmana, que antes se dizia representante da democracia no Egito. Ao mesmo tempo, tais fatos demonstram que nenhuma das contradições que levaram à revolução foram resolvidas e que debaixo da superfície está se preparando uma nova onda revolucionária.

Quando se examina a história, esta não parece ser outra coisa além de uma grande massa de contradições. Os acontecimentos se perdem em um labirinto de revoluções, guerras, períodos de progresso e decadência. Os conflitos entre as classes sociais e entre nações se movem no caos do desenvolvimento social. Como é possível entender e explicar estes fatos, quando não parecem ter base racional alguma?

No dia 4 de Outubro forças do governo guatemalteco atacaram uma manifestação de indígenas matando oito manifestantes. Milhares bloquearam a estrada pan-americana para protestar contra o aumento das tarifas de energia elétrica. Embora os soldados responsáveis pelas mortes tenham sido detidos, o governo tratou o assunto como se fosse de importância menor. Mais uma vez assistimos a uma demonstração de desumanidade do governo de extrema direita da Guatemala. (Nota do tradutor: recordemos que em 1978 os paramilitares a serviço dos EUA e da burguesia massacraram 256 indígenas.

Em agosto e setembro as manobras militares japonesas realizadas nas disputadas ilhas de Diaoyu provocaram alguns dos maiores protestos vistos na China desde o levante na Praça Tiananmen em 1989. A disputa pelas ilhas é uma luta imperialista por recursos naturais e rotas comerciais. Contudo, o protesto foi muito além da expressão de um popular sentimento anti-japonês. De fato, embora o regime de Pequim se esforce para limitá-los a isso, as manifestações foram dirigidas ao governo chinês assim como às manobras agressivas do Japão.

A situação do movimento sindical argentino é bastante penosa. A CGT está dividida em 3 partes (oficialistas, moyanistas e CGT Azul e Branca de Barrionuevo) e a CTA está dividida em duas (Yasky e Micheli). Tudo é consequência das lutas de camarilhas por seus interesses aparelhistas e pelas intromissões  da burguesia e do governo.

Mais uma vez a máquina militar israelense realiza outra execução extrajudicial. Desta vez, a IAF (Israeli Air Force – Força Aérea de Israel) fez ir pelos ares o líder militar de Hamas, Ahmed Jabari, através de um ataque por helicópteros, além de um número de civis cujo único “crime” era o de viver na “maior prisão ao ar livre do mundo” [i]. Por que isto está acontecendo agora?

Publicamos abaixo a segunda parte do texto O que é o marxismo que trata de explicar o pensamento humano, a filosofia, o idealismo e a dialética. [parte I]

O marxismo, ou socialismo científico, é o nome que se dá ao conjunto de ideias concebidas pela primeira vez por Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895). Em sua totalidade, estas ideias proporcionam uma base teórica completamente elaborada para a luta da classe trabalhadora para alcançar uma forma superior de sociedade humana – o socialismo.

Enquanto os anos 1960 se tornavam os anos 1970, Hobsbawm deixou de defender a economia nacionalizada planificada e passou a fazer parte da tendência eurocomunista dentro do Partido Comunista. Ali, proporcionou as justificações teóricas não somente para a dissolução do Partido Comunista, como também para uma virada à direita do Partido Trabalhista na Grã-Bretanha, algo que lhe valeu o apelido de “marxista favorito de Kinnock”.

É difícil acreditar que já se passaram quase quatro anos desde a eleição de Barack Obama. As ruas estavam cheias de carros buzinando, bandeiras e gritos de emoção. Lágrimas de alegria desenfreada e alívio corriam nas faces de muitos. Depois de oito longos anos de Bush, a mudança finalmente chegara?! Ou não? À medida que os meses – e a crise – avançavam, se tornou cada vez mais claro que no essencial, a presidência de Obama era uma espécie de Bush 2.0, mais do que um novo amanhecer de paz e prosperidade.

Na madrugada de 26 de outubro de 2012 foi incendiado um dos espaços estudantis mais importantes e históricos do país: a sede do Comitê de Luta Estudantil do Politécnico – Comitê Estudantil em Defesa da Educação Pública (CLEP-CEDEP). Este espaço foi ganho depois da greve estudantil de 1968 e se manteve ativo por quase 44 anos para a organização dos estudantes filhos dos trabalhadores e para a organização do povo trabalhador em seu conjunto. Aqui se abriga uma parte importante da memória dos estudantes mexicanos, contando com arquivos datados desde 1968 até as recentes lutas, muitos destes arquivos tristemente se perderam para sempre.

Lev Davidovich Bronstein Trotsky foi, junto com Lênin, um dos dois grandes marxistas do século XX. Dedicou sua vida à causa da classe trabalhadora e do socialismo internacional. E que vida! Desde sua mais precoce juventude – quando trabalhava à noite elaborando volantes ilegais para as greves, o que lhe acarretaria seu primeiro encarceramento e desterro à Sibéria – até agosto de 1940, quando foi assassinado por um agente de Stalin, trabalhou duro e sem cessar pela causa do movimento revolucionário.

A notícia da morte de Eric Hobsbawm em 1º de outubro foi marcada por uma explosão sem precedentes de lisonjas e adulação na mídia burguesa.

A corrupta e sanguinária monarquia marroquina foi abalada pela primavera árabe e tenta maquiar o regime com reformas cosméticas. Greves e manifestações se desenvolvem. A seção marroquina da CMI participa ativamente das lutas construindo a perspectiva da revolução socialista do Marrocos e do Magreb. Agora são os mineiros que lutam e são duramente reprimidos. É preciso solidariedade internacional imediata.  

m 19 de setembro a Espanha acordou com a notícia da morte de Santiago Carrillo, Secretário-Geral do Partido Comunista Espanhol (PCE) durante os cruciais anos 1960-82. Ele faleceu com a idade de 97 anos em sua residência em Madri. Usualmente, a morte de um líder do movimento dos trabalhadores apenas ensejaria uma cobertura de imprensa limitada e talvez uma ou outra declaração oficial dos sindicatos dos trabalhadores, dos ramos locais dos partidos socialista e comunista etc. Mas esta morte foi completamente diferente.

A campanha da Esquerda Marxista, do começo ao fim, foi uma campanha de construção de uma corrente que tem como princípio a independência de classes, a luta pela construção de uma organização revolucionária de massas, que combate no PT e na luta de classes para a construção do socialismo, pela ruptura da direção do partido e do governo Dilma com seus aliados da burguesia.

Maravilhoso! Não tem outra palavra para descrever a situação de 3 de outubro. Os trabalhadores em toda a Indonésia entraram em greve e tomaram as ruas. Esta primeira greve em meio século verdadeiramente eleva as expectativas e esperanças de uma virada no movimento dos trabalhadores da Indonésia.

O sofrimento do povo do Paquistão é largamente desconhecido no Ocidente. Uma cortina de silêncio foi cuidadosamente montada em relação ao número de pessoas mortas a cada dia por drones [aviões não tripulados] americanos e assassinos talibãs. Mas, recentemente, um pequeno canto da cortina foi levantado em consequência de um acontecimento particularmente assustador. Ontem, Malala Yousafzai foi brutalmente baleada por bandidos quando voltava da escola e ia para sua casa. Assassinos mascarados detiveram um ônibus cheio de crianças aterrorizadas, identificaram-na e a balearam a curta distância na cabeça e no pescoço.

O presidente venezuelano Hugo Chávez venceu, mais uma vez, as eleições presidenciais em sete de outubro, domingo, com uma confortável margem de 54,84% contra os 44,55% de seu adversário Henrique Capriles. Esta é outra vitória para a Revolução Bolivariana que deve ser aproveitada com o objetivo de levar a revolução até o seu final.

“Em 1989 (no Caracazo) nas ruas de Caracas começou a revolução mundial que hoje está nas ruas da Grécia, Espanha, Portugal e no resto do mundo".  Hugo Chávez

A eleição presidencial de 7 de outubro representa um momento decisivo na história da Venezuela. O resultado dessas eleições terá um grande impacto em todo o continente americano e internacionalmente. Desnecessário dizer que a Campanha Tirem as Mãos da Venezuela está apoiando ativamente o candidato bolivariano Hugo Chávez e lutando contra qualquer tentativa da oligarquia e do imperialismo de sabotar as eleições. A CMI defende firmemente a reeleição de Hugo Chávez. Por que tomamos essa posição?

Um brutal e barato filme anti-islâmico intitulado “A inocência dos Muçulmanos”, produzido e promovido por reacionários fundamentalistas cristãos nos Estados Unidos e publicado na internet em julho, levou a manifestações em muitos países ao redor do mundo, incluindo ataques a embaixadas dos EUA. No caso da Líbia levou à morte de quatro diplomatas americanos no consulado dos EUA em Benghazi. Nós analisamos por que isso está acontecendo.

A marcha dos cooperativistas mineiros, convocada pela Federação Nacional de Cooperativas Mineiras, terminou com a brutal agressão dos filiados da Cooperativa 26 de Fevereiro à sede nacional da Federação Sindical de Trabalhadores Mineiros da Bolívia. Em consequência, quatro mineiros assalariados ficarm feridos pela chuva de bananas de dinamite lançadas de forma indiscriminada e criminosa pelos cooperativistas. Um dos mineiros feridos, o companheiro Héctor Choque, de 22 anos de idade, faleceu. Outro, o companheiro Wilson Miranda, de 19 anos, encontra-se em condições muito delicadas, debatendo-se entre a vida e a morte.

A marcha dos cooperativistas mineiros, convocada pela Federação Nacional de Cooperativas Mineiras, terminou com a brutal agressão dos filiados da Cooperativa 26 de Fevereiro à sede nacional da Federação Sindical de Trabalhadores Mineiros da Bolívia. Em consequência, quatro mineiros assalariados ficarm feridos pela chuva de bananas de dinamite lançadas de forma indiscriminada e criminosa pelos cooperativistas. Um dos mineiros feridos, o companheiro Héctor Choque, de 22 anos de idade, faleceu. Outro, o companheiro Wilson Miranda, de 19 anos, encontra-se em condições muito delicadas, debatendo-se entre a vida e a morte.

A nacionalização de Colquiri está em risco. Como mostra o plano gráfico de La Razón, a promulgação do DS 1337, de 29 de agosto, acordado com o setor cooperativo de forma unilateral, concede à minoria de mineiros filiados à Cooperativa 26 de Fevereiro a maior parte da jazida de Colquiri. A mediação com os interesses dos cooperativistas põe em risco a sustentabilidade econômica da jazida estatal e contradiz uma decisão assumida e apoiada pelo povo de Colquiri e pela classe trabalhadora em seu conjunto. Em Colquiri, a defesa das políticas públicas de manejo dos recursos está em jogo, por isto a COB deve convocar uma mobilização nacional.

Já se passou mais de um mês desde que os mineiros da mina de platina de Lonmin, em Marikana, África do Sul, se declararam em greve indefinida. Foram atacados e vilipendiados, vendo como 34 deles foram assassinados pela polícia em 16 de agosto, a maioria a sangue frio, e 270 foram detidos, acusados e torturados frequentemente durante sua detenção. Os dirigentes do Sindicato Nacional de Mineiros (NUM), a patronal e o Estado firmaram um “acordo de paz” às costas dos mineiros, a quem a empresa vem dando repetidos ultimatos para que encerrassem a greve e voltassem ao trabalho. No entanto, a greve ainda continua e os mineiros mantêm sua exigência de aumento salarial a 12.500 rands (1 dólar

...

O Congresso Mundial de 2012 da CMI, que foi realizado em Marina di Massa, um balneário na Toscana, Itália, marcou um importante avanço para o marxismo em todo o mundo. Durou uma semana – de 24 a 29 de julho – com a participação de mais de 250 camaradas de todo o mundo. Havia delegados e visitantes de toda a Europa, da Ásia, da Oceania e das Américas, além de um número recorde de camaradas paquistaneses.