O movimento trabalhista estadunidense teve algumas décadas difíceis. Depois de um pico de 34,8% em 1954, apenas 10,5% dos trabalhadores estadunidenses estão em um sindicato hoje e somente 7,2% dos trabalhadores do setor privado. Com os lucros das empresas, a acumulação de capital, os indicadores de mercado e a desigualdade da riqueza alcançando níveis espantosos, muitas pessoas míopes perderam toda a esperança e se submeteram aos capitalistas. O melhor que podíamos fazer, segundo o seu ponto de vista, era ajoelhar-se e implorar por algumas migalhas da mesa deles. Mas “a hora mais escura é antes do alvorecer”. A classe trabalhadora estadunidense não se sente derrotada – nem de longe – e estamos indo atrás das migalhas, do bolo e da mesa.

I løpet av uken fra den 23. til den 30. juli, deltok marxister fra hele verden i den Internasjonale Marxistiske Tendens verdensskole i Nord Italia. Deltakerne kom så fjernt fra som Pakistan, Canada, Mexico, Brasil, Venezuela og Sør-Afrika. Fra Europa var det bl.a. deltakere fra Storbritannia, Italia, Frankrike, Spania, Tyskland, Sveits, Sverige, Jugoslavia og mange andre stedet. I alt deltok omkring 400 kamerater fra hele verden i denne spennende begivenheten.

O estrondoso movimento de protestos de Hong Kong está entrando em seu segundo mês. Apesar da crescente pressão de Pequim e do governo de Carrie Lam, o movimento ainda cresce em termos de militância. Está se elevando dos métodos liberais burgueses ao método da luta de classes. De alguma forma, quando Carrie Lam emergiu da obscuridade para responder à greve geral, ela estava correta ao dizer que o movimento de Hong Kong está caminhando por um “caminho sem volta”.