O fim da lua de mel de Biden

Com sua política interna cambaleando, o presidente norte-americano Joe Biden voltou da fracassada cúpula do clima, a COP26, para a realidade humilhante de que sua breve lua de mel já acabou. Isso ficou evidente com a derrota do candidato democrata ao governo na contenda eleitoral termômetro na Virgínia. Todos os jornais burgueses sérios citam a impopularidade nacional de Biden e dos democratas como um fator crucial para essa perda.

[Source]

Há apenas um ano, Biden derrotou Donald Trump por 4,5 pontos nacionalmente, com mais de 51% dos votos. Em números brutos, Biden ganhou 7 milhões de votos a mais do que seu oponente, que se encontrava em exercício. Na Virgínia, Biden venceu por 10 pontos e gozou de uma margem de 16 pontos em Nova Jersey. O ex-vice-presidente de Obama começou o seu mandato com grandes expectativas e índices de aprovação robustos. No entanto, depois de apenas dez meses no cargo, milhões de ex-apoiadores já se voltaram contra o presidente recém-eleito, e já se fala em uma “presidência fracassada”.

Os índices de aprovação líquidos de Biden – o índice de desaprovação menos o índice de aprovação – estão atualmente em 8 pontos negativos! A reversão na Virgínia viu a margem de dez pontos dos democratas se transformar em uma vitória republicana de dois pontos. Na disputa para governador de Nova Jersey, o atual titular, apoiado por Wall Street, Philip Murphy, que venceu por uma margem de 14 pontos em 2017, aparentemente foi reeleito por uma margem estreita, e seu oponente ainda não admitiu a derrota.

As eleições burguesas oferecem um instantâneo do estado de espírito da sociedade, e as eleições off-year [eleições que ocorrem nos anos em que as eleições presidenciais não acontecem – Nota do Tradutor] são quase sempre uma antecipação das eleições intermediárias. O partido que ganha a presidência em um ciclo costuma ver reveses no Congresso nas eleições legislativas e semestrais, e ser o titular não é mais a vantagem que era antes.

A crise que atualmente envolve a direção política capitalista é particularmente terrível, levando a grandes oscilações nas urnas. Poucos meses depois de se apresentar como o novo Obama, o índice de aprovação de Biden em outubro ficou em apenas 42% – o índice mais baixo de qualquer executivo moderno naquele estágio da presidência – com exceção de Donald Trump.

divider]De acordo com uma pesquisa da NBC, 70% dos independentes e até 48% dos democratas acreditam que o país está indo na direção errada. A mesma pesquisa descobriu que apenas 18% dos eleitores aprovam fortemente Biden, enquanto 46%, quase a metade, desaprovam fortemente.

Cada classe da sociedade está zangada e frustrada com o estado do país e de suas vidas. Uma expressão disso é a onda de greves que eclodiu nos últimos meses, incluindo as lançadas por trabalhadores contra a Kaiser-Permanente, Nabisco, Kellogg’s e John Deere.

As eleições são uma expressão confusa da ira

A classe trabalhadora constitui a esmagadora maioria da população dos Estados Unidos, mas não existe um partido político de massas da classe trabalhadora, muito menos um partido socialista de massas. Isso cria distorções incríveis ao tentar interpretar o significado político por trás dos resultados eleitorais e dos números das pesquisas. Se houvesse um partido de massas dos trabalhadores, haveria uma maneira muito mais clara de medir o desenvolvimento da consciência de classe e o humor geral da classe trabalhadora. Esse partido também seria um veículo potente para canalizar a raiva de classe para a luta política.

É neste contexto que devemos analisar uma reversão de opinião paralela à inversão da posição política de Biden. Gallup relatou recentemente que 52% dos americanos acham que o governo está fazendo demais. Há um ano, 54% achavam que o governo deveria fazer mais para resolver os problemas. Os marxistas entendem que o governo “fazer mais” não é igual ao socialismo. No entanto, parece inegável que, pelo menos em parte, essa mudança representa uma rejeição do “socialismo” reformista liberal representado por Bernie Sanders, Alexandria Ocasio-Cortez e outros, que tem crescido no período recente.

Isso está sendo retratado como uma mudança para a direita e uma rejeição da esquerda – mas não é isso. Na realidade, a classe trabalhadora dos EUA está rejeitando a ala esquerda do capital. Na ausência de uma alternativa socialista de massas ousada, ela está expressando suas pequenas inclinações libertárias. Aproveitando a raiva e o pragmatismo da classe trabalhadora e da pequena burguesia americanas, o candidato republicano ao governo da Virgínia prometeu eliminar os impostos sobre os mantimentos e a gasolina como forma de enfrentar o aumento dos preços. Mas seria um grande erro ver a rejeição de Biden e seu partido como um abraço ativo da extrema direita.

Os partidos políticos americanos são máquinas políticas que mobilizam “coalizões” de eleitores, e não blocos ideológicos claramente definidos com estruturas internas democráticas e uma base de membros ativa e engajada. Para construir esses blocos mutáveis ​​de eleitores, eles se apoiam nas divisões inerentes a um país que abrange um continente: cidades costeiras vs. “país de sobrevoo”; os subúrbios vs. centros urbanos; o Sul vs. o Norte vs. o Centro-Oeste vs. o Oeste. Como parte disso, ambos os partidos da classe dominante estruturam o debate de maneira restrita, de uma forma que opõe um setor dos trabalhadores a outro com base na identidade.

Ainda assim, podemos ver a classe trabalhadora movendo-se continuamente, embora não linearmente, para a esquerda em uma questão após a outra. Se olharmos para as pesquisas sobre as questões, a esmagadora maioria da classe trabalhadora acha que os preços dos medicamentos estão muito altos, e que as empresas farmacêuticas estão lucrando com doenças e enfermidades, incluindo a Covid-19. A maioria dos trabalhadores quer assistência médica universal gratuita e faculdade gratuita. Há um apoio maciço por um salário mínimo mais alto. Os trabalhadores querem moradia de qualidade e acessível, além de creches. No entanto, em qual dos principais candidatos você pode votar para realmente atender a essas demandas? Sem dúvida, os democratas fazem muitas promessas durante a campanha, mas não fazem nada quando se trata de implementar qualquer coisa que atenda remotamente a essas aspirações.

Sem opções reais para votar, milhões de trabalhadores se abstêm ou votam “contra” os que estão atualmente no poder. Depois de dar uma chance a Obama e não ver nenhuma mudança real, setores da classe trabalhadora se voltaram primeiro para Trump e depois para Biden em busca de um caminho a seguir. Com Biden já exposto como ineficaz, muitos agora estão se voltando para os republicanos.

Para aumentar a confusão política, os políticos eleitos que se identificam como socialistas – incluindo Bernie Sanders, Alexandria Ocasio-Cortez, Rashida Tlaib, Jamal Bowman e Cori Bush – não oferecem alternativa real a Biden. Eles poderiam tentar reformular o debate político em termos de classe e confrontar os dois principais partidos. No início, eles não seriam uma força de massa, mas poderiam usar isso para começar na direção de uma verdadeira política da classe trabalhadora. Em vez disso, eles operam inteiramente dentro das limitações da política dominante e fazem parte da coalizão Biden. Na verdade, eles são “socialistas para Biden” que se amarraram a um presidente que está afundando, prejudicando a causa do socialismo genuíno no processo.

Os marxistas explicaram muitas vezes que o “mal menor” eventualmente leva de volta ao mal maior. É como combater um incêndio com um balde de gasolina. Como previsto, as políticas mornas e os fracassos de Biden serviram apenas para fortalecer a extrema direita, abrindo caminho para o retorno de Donald Trump ou de alguém como ele.

Biden não entrega o pedido

Biden prometeu o fim do caos da administração Trump e um retorno a algum tipo de normalidade. No entanto, sua presidência não trouxe essa estabilidade. O comércio internacional continua desordenado, causando grandes interrupções no abastecimento. Os contêineres de transporte aguardam para serem descarregados nos principais portos offshore. Eles não conseguiram reverter a situação mesmo com os trabalhadores realizando jornadas duplas. Isso se deve, principalmente, à natureza não planejada da economia capitalista e às práticas de gestão que deixaram vulneráveis setores essenciais.

O efeito de tudo isso nas leis fundamentais da oferta e da demanda é um dos principais contribuintes para o aumento da taxa de inflação, um aumento de mais de 5% somente no ano passado. Os aumentos de preços são particularmente notáveis quando se trata de habitação, automóveis, alimentos, gás, petróleo para aquecimento e eletricidade, todos os quais afetam mais duramente os americanos comuns. Além disso, não houve aumento do salário mínimo federal desde 2009.

Apesar de ter uma maioria do Partido Democrata em ambas as casas do Congresso e décadas de experiência como senador, Biden está falhando completamente em sua agenda – embora se apresente como um corretor de negócios ainda melhor do que Trump.

Depois de meses de barganha, a Câmara controlada pelos democratas finalmente aprovou o projeto de infraestrutura do presidente – mas só depois que foi cortado pela metade do compromisso original de US $ 2 trilhões para reconstruir a infraestrutura em ruínas do país. Enquanto isso, sua rede de segurança social e os projetos de lei sobre a mudança climática permanecem no limbo, mantidos como reféns por um único indivíduo de seu próprio partido. Embora os marxistas deem boas-vindas a qualquer coisa que alivie a vida sob o capitalismo, mesmo se aprovados na íntegra, esses projetos de lei não transformarão fundamentalmente a vida da maioria dos trabalhadores.

Biden foi eleito com o apoio da maioria dos dirigentes sindicais. E, no entanto, o Pro Act, destinado a ajudar a organizar os desorganizados, não foi aprovado e provavelmente já está morto. E como o aquecimento global leva a um deslocamento econômico e social cada vez maior, Biden não tem nada real a oferecer, exceto as promessas vazias feitas na cúpula da COP26.

As questões internacionais também não salvam a vida de Biden. Ele prometeu uma retirada ordenada das forças imperialistas dos EUA para fora do Afeganistão e garantiu a todos que não seria uma repetição da queda de Saigon no Vietnã – apenas para que um desastre semelhante acontecesse. Este foi um lembrete gráfico do relativo enfraquecimento do imperialismo dos EUA e desacreditou profundamente o comandante em chefe. Biden também deu continuidade às políticas comerciais protecionistas do governo Trump, junto com suas políticas racistas de fronteira.

Tudo isso gerou uma crise de confiança em Biden. A classe dominante usou esse senador experiente e confiável para aparar a ameaça representada por Bernie Sanders e derrotar Trump. Agora, Trump e os republicanos estão se posicionando para um grande retorno para “salvar a América” do caos atual. Ironicamente, apesar de ter ficado no olho da tempestade do establishment por quatro anos, Trump atraiu apoio massivo por meio de sua postura de outsider demagógica “anti-establishment”. Enquanto isso, aqueles como Sanders e o Squad [“Esquadrão”, nome informal de um grupo de quatro mulheres eleitas nas eleições de 2018 para a Câmara de Representantes dos EUA, incluindo Alexandria Ocasio-Cortez – NdoT] se acorrentaram firmemente ao pântano. Assim, embora o futuro político de Trump continue brilhante, esses chamados socialistas se colocaram em um canto totalmente desacreditado.

Sem solução dentro do capitalismo

Os analistas burgueses mais sérios reconhecem prontamente que os problemas enfrentados pelos trabalhadores não se devem apenas às políticas de Biden. No entanto, eles se detêm aí em suas análises e não podem admitir que o próprio sistema capitalista seja a causa da instabilidade geral e do declínio. Não existem boas escolhas para a classe dominante.

Se os burgueses tomam emprestado, gastam e monetizam a dívida, eles têm um problema crescente com a inflação. Se eles apertarem as políticas monetárias, isso pode levar a uma economia mais lenta e a um valor mais alto do dólar, tornando os EUA menos competitivos no mercado mundial. Políticas protecionistas geralmente causam mais problemas do que resolvem, já que os outros países não ficarão de braços cruzados enquanto seus rivais agem contra seus bens e serviços.

Investimento, produção e criação de empregos são um subproduto da busca capitalista por lucros. Quando o sistema está em declínio terminal, há excesso de capacidade e, eventualmente, contração, não expansão. Os salários reais caem e o desemprego aumenta.

Devemos ser 100% claros: não existe burguês progressista. Durante a Revolução Americana ou a Reconstrução Radical, alguém pode ter sido capaz de identificar essa “espécie”. Mas a era imperialista do capitalismo americano não conhece tal criatura.

Mesmo quando se trata do aborto, um tema emblemático entre a base do Partido Democrata, os democratas ainda não tentaram aprovar uma lei nacional para defender este direito. Isso forneceria proteção legal mesmo se Roe v. Wade [caso judicial Roe contra Wade. Trata-se do caso judicial pelo qual a Suprema Corte dos EUA reconheceu o direito ao aborto nos EUA – NdoT] fosse revogado, e eles poderiam deter a lei reacionária do Texas em seu caminho. Em vez disso, a presidência de Biden é marcada por desafios implacáveis, em nível estadual, ao direito ao aborto e pela inação dos democratas.

Em tal situação, mesmo um partido socialista de massas relativamente pequeno poderia desafiar a hegemonia dos capitalistas e colocar a transformação socialista da sociedade na agenda.

Luta de classes e independência versus política do mal menor

A esquerda não é uma força de massas nos Estados Unidos. E a amarga verdade é que são necessárias forças de massas para construir um partido de massas. Os dirigentes da AFL-CIO têm recursos para construir tal partido, mas mesmo os dirigentes sindicais mais à esquerda não têm intenção de seguir nessa direção no momento atual.

O caminho a seguir para as atuais pequenas forças de esquerda é propor políticas independentes de classe – não para obter vitórias imediatas, mas para propor princípios alternativos e construir as bases para o que pode mais tarde ser uma alternativa de massas viável.

Existem algumas lições recentes a esse respeito. O Partido do Socialismo e da Libertação (PSL), uma pequena organização “marxista-leninista” com recursos limitados, apresentou um candidato sob sua própria bandeira a prefeito da cidade de Nova York. Eles acabaram chegando em terceiro lugar e receberam 2,5% dos votos de toda a cidade, a melhor exibição de um socialista para prefeito desde os anos 1950!

E em Minneapolis, um socialista independente, Robin Wonsley Worlobah, foi eleito para o Conselho Municipal. Apesar das limitações de seus programas, essas campanhas tiveram muitos aspectos positivos. No entanto, nenhuma dessas campanhas aproveitou a oportunidade para convocar a massa da classe trabalhadora para se auto-organizar em um partido próprio. Realizar campanhas independentes é um passo importante à frente. No entanto, se quisermos construir algo duradouro que possa competir significativamente contra os partidos dos patrões na luta pelo poder, isso deve estar ligado à construção de um partido dos trabalhadores de base ampla e com base na classe. Por sua vez, o PSL se apresenta como o partido operário. No entanto, a maioria dos trabalhadores não se filia a pequenas organizações e os partidos de massa não surgem de pequenas formações como o PSL.

É por essa razão que acreditamos que o impulso dos futuros esforços eleitorais deve ser o de explicar as seguintes ideias básicas:

  • O sistema capitalista é a raiz do problema;
  • A classe trabalhadora precisa de seu próprio partido, e precisamos de um governo operário comprometido com a implementação de políticas genuinamente socialistas;
  • Em preparação para as lutas políticas e econômicas de massas do futuro, devemos construir uma organização de quadros forte e disciplinada baseada no marxismo revolucionário.

Em contraste, a corrida de India Walton em Buffalo, NY, foi um exemplo do que não fazer. Ela concorreu como socialista nas primárias do Partido Democrata – o objetivo precioso dos “dirty breakers” [tática que envolve a disputa eleitoral dentro do Partido Democrata para “acumular forças” e depois romper – Nota da Redação] dentro e ao redor dos Socialistas Democráticos da América (DAS). No entanto, o establishment do Partido Democrata passou a apoiar o titular democrata Byron Brown e facilitou sua campanha. No final, Walton foi derrotada por 59% a 41%.

O fato de tantas pessoas terem votado em um autodenominado socialista, apesar da pressão da máquina do Partido Democrata, é uma indicação clara do crescente descontentamento com o status quo. Portanto, a tragédia não é tanto ela ter perdido. A tragédia é que ela não usou essa campanha para lutar por uma política independente de classe. Ao concorrer como democrata, ela fomentou a ilusão de que aquele partido pode servir como uma ferramenta para a libertação – e então essa ferramenta foi usada como uma arma contra ela. Candidatar-se como democrata também a forçou a enquadrar as questões dentro de parâmetros políticos muito estreitos. Em vez de deixar o sistema decidir o que é ou não “aceitável” ou “realista”, os candidatos socialistas genuínos devem reformular ousadamente a discussão para refletir as necessidades e as aspirações da classe trabalhadora.

Construa as forças do marxismo!

De uma forma ou de outra, o horror dos últimos anos continuará sem fim até que o capitalismo seja derrubado. Quer queiramos ou não, a única coisa que o capitalismo nos reserva no futuro é o declínio e a instabilidade contínuos. A classe dominante está determinada a fazer a classe trabalhadora pagar pela crise de seu sistema, e a classe trabalhadora inevitavelmente reagirá. Muitos anos de tempestuosa luta de classes estão pela frente, e devemos nos preparar para essa perspectiva.

A chave é construir uma liderança da classe trabalhadora que possa enfrentar a classe dominante e vencer. Isso nunca pode ser alcançado enquanto a classe trabalhadora tiver uma mão amarrada nas costas. Nossa classe não deve se submeter a regras escritas para garantir sua contínua dominação e exploração. Enquanto luta na frente industrial, a classe trabalhadora também deve construir um veículo político próprio. Só então poderemos implementar efetivamente nosso poder colossal potencial.

A luta pela construção de tal liderança começa hoje, com a formação de quadros marxistas fortalecidos tanto na teoria quanto em sua aplicação prática. É nisso que se empenha a CMI e convidamos a juntar-se a nós todos os que acreditam num futuro melhor.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM