Esquenta a luta de classes nos Estados Unidos

A classe dominante norte-americana está sentada sobre um vulcão social de proporções bíblicas. Dada a crise orgânica de seu sistema, os capitalistas não podem mais manter qualquer aparência de equilíbrio econômico, político ou social. Após quase dois anos de deslocamento econômico sem precedentes, muitos norte-americanos acreditam que a economia é a questão mais urgente que o país enfrenta.

[Source]

A inflação subiu 6,2% nos últimos doze meses, o dinheiro do estímulo evaporou e milhões de norte-americanos são novamente forçados a usar seus cartões de crédito para sobreviver. A dívida das famílias atingiu o recorde de US $ 15,24 trilhões, alta de 1,9% em apenas três meses. Não é à toa que apenas 15% dos norte-americanos aprovam o trabalho que Biden está realizando, ante 34% em abril.

Poucos meses após o início de sua administração, já se fala em um “presidente manco” e “presidência fracassada”. Longe de ser “transformador”, Scranton Joe e o “mal menor” mais uma vez entregaram mais do mesmo. Este é o desastre que se passa por política nos Estados Unidos. Como o New York Times colocou recentemente, os EUA estão “em um estado de pânico nacional que atingiu os índices de aprovação de Biden e alimentou uma reação contra os Democratas que poderia custar-lhes o controle do Congresso nas eleições de meio de mandato do próximo ano”. De acordo com um floridiano de 65 anos entrevistado no artigo: “nosso sistema político – é quase um fracasso. Não acho que esteja melhorando em nada”.

Depois de décadas de pingue-pongue político bipartidário, a paciência se esgotou. A classe trabalhadora norte-americana é pragmática acima de tudo, e quando se trata de popularidade presidencial, a prova do pudim está sempre em comê-lo. Ou você entrega o pedido ou não. Biden literalmente não entregou, após prometer exageradamente o fim da pandemia e o retorno à normalidade e à prosperidade.

Apesar dos delírios da Fox News, no entanto, a culpa não é de Biden como indivíduo. A crise de sua presidência é, em última análise, uma função do sistema disfuncional e esclerosado que ele e seu partido representam: o capitalismo. A ironia é que em meio a uma crise de excesso de capacidade produtiva – que é a superprodução dos meios de produção – há simultaneamente uma crise de subprodução em muitas indústrias devido às ineficiências gerais de um sistema baseado no lucro que não pode coordenar racionalmente todos as partes móveis.

Apesar de seus fracassos e traições, Barack Obama conseguiu uma lua de mel prolongada e foi reeleito para um segundo mandato. Isso aconteceu por vários motivos, incluindo o fato de que não havia uma alternativa devoradora de fogo esperando nos bastidores. Hoje, no entanto, o espectro do 45º presidente dos Estados Unidos está à espreita perto do palco de Biden. Trump pode muito bem ser um reacionário, um misógino, um racista e um bilionário pedaço de lixo humano – mas é visto como um atrevido enfrentador de risco, como um intrépido e agressivo intruso que alegremente mostra o dedo médio “ao pântano” de ambos os partidos.

Isso está a anos-luz de distância da atitude derrotista dos líderes sindicais e da chamada “esquerda”. Em contraste, Trump inspira uma confiança combativa entre uma seção robusta de trabalhadores brancos, sindicalizados e não sindicalizados. No cinturão da ferrugem e nas áreas rurais, milhões de ex-Democratas se sentem profundamente alienados e abandonados pelos capitalistas liberais. Com slogans como “Nós, o povo, estamos putos da vida”, a extrema direita conquistou com sucesso essa raiva enquanto simultaneamente confundia a linha entre a classe trabalhadora e a pequena burguesia enfurecida.

Quanto aos “socialistas” reformistas liberais no Congresso, eles também confundem a linha de classe e não têm confiança nos trabalhadores ou na possibilidade de uma mudança fundamental em nossa vida. Como resultado de suas desculpas covardes em favor de Biden, dos Democratas e das limitações inerentes do capitalismo, eles só podem desacreditar a palavra “socialismo”. A transformação da consciência de classe não é simples e mecânica, mas contraditória e dinâmica. E, se o chamado “socialismo” não oferece uma saída, o pêndulo inevitavelmente, embora temporariamente, oscilará para o outro lado. A natureza abomina o vácuo, e o vácuo político está sendo preenchido atualmente pela extrema direita.

No entanto, “Trumpismo versus liberalismo” é uma falsa dicotomia e deve ser rejeitada em favor de uma análise de classe. Ambos os partidos principais representam os interesses dos capitalistas, não dos trabalhadores. Presos como estão ao capitalismo, os liberais não podem atender às necessidades dos trabalhadores. Por esta mesma razão, no entanto, a demagogia populista de direita de Trump também não pode resolver seus problemas no longo prazo. A única maneira de quebrar o controle de Trump nas mentes de milhões de norte-americanos desesperados e confusos é com um programa ousado de luta e com um partido que atenda às demandas da maioria em uma base independente de classe.

Sem uma alternativa viável e pronta para a classe trabalhadora preencher o vazio, outro período da “escola de Donald Trump” pode ser exigido após a atual “escola dos Democratas”, a fim de tornar clara a necessidade da independência da classe aos olhos de milhões. Se Trump ou uma criatura semelhante voltar à Casa Branca, podemos antecipar um período de intensos protestos, movimentos de massas e explosões sociais, proporcionando muitas oportunidades para construir as forças do marxismo revolucionário.

Os jovens, em particular, já estão abandonando massivamente os grandes partidos. Na Virgínia, apenas 10% dos eleitores com menos de 30 anos de idade se incomodaram em votar na recente eleição para governador, com um colapso semelhante visto também na Califórnia. Apenas 24% dos eleitores com menos de trinta anos de idade consideram Biden “honesto e confiável”. Embora seja impossível prever que forma não linear o processo assumirá, mais cedo ou mais tarde, as questões de classe virão à tona, ambos os partidos serão abandonados em massa e um novo partido dos trabalhadores de massas surgirá.

Impedidos de mudanças significativas na frente política, centenas de milhares de trabalhadores norte-americanos entraram em greve ou aprovaram a ação de greve na onda mais significativa de ação sindical em anos. De John Deere a Kellogg’s, Nabisco, Kaiser Permanente e Hollywood; de enfermeiras a mineiros de carvão, de carpinteiros a professores, de metalúrgicos a trabalhadores de trânsito e de saneamento; de Nova York à Califórnia, ao Alabama, Oregon, Minnesota, Illinois, Connecticut, West Virginia, Carolina do Norte e além, esta é apenas a ponta do iceberg da luta, já que a crise sistêmica do capitalismo força os trabalhadores a se unirem para defender suas vidas e meios de subsistência.

O espírito de luta e sacrifício da classe trabalhadora norte-americana é uma inspiração – mas como os trabalhadores podem não só lutar, mas vencer? Construir solidariedade com a classe trabalhadora em geral é um componente essencial para resistir ao ataque dos patrões. Mas o primeiro requisito para uma greve bem-sucedida é reconhecer que os interesses dos patrões e dos trabalhadores são irreconciliavelmente opostos. Todo o resto flui desse fato básico. Somente os métodos militantes da luta de classes que efetivamente paralisem a produção podem obter vitórias sérias para os trabalhadores. Piquetes informativos e respeito às liminares que permitem a continuidade das operações por meio de manejo e fura-greves não ganham greves.

Infelizmente, a atual direção é uma barreira objetiva para uma ampla e vitoriosa ofensiva dos trabalhadores. O espírito de luta revolucionário dos primeiros pioneiros do movimento dos trabalhadores norte-americanos nunca aqueceu o coração desses apologistas profissionais da colaboração de classe. Junto com seu pessimismo cínico e seu cretinismo legal, eles estão imbuídos de um temor quase supersticioso pelo poder supostamente insuperável dos capitalistas, de suas leis e de seus políticos.

A inércia e a autoridade que acompanham a direção também desempenham um papel. No entanto, talvez o elemento mais decisivo na teia emaranhada do controle do trabalhismo seja a subserviência dos sindicatos ao Partido Democrata. Ao amarrar os trabalhadores a um dos principais partidos da classe inimiga, a intenção é manter a raiva dos trabalhadores dentro de limites seguros para o capitalismo. Por décadas, os patrões e dirigentes sindicais conspiraram para negar à classe trabalhadora uma expressão política independente própria. Mas a experiência é um professor duro e competente. Milhões de trabalhadores já romperam com este pernicioso jogo de aparências. Na falta de uma alternativa viável, muitos caíram na armadilha venenosa do trumpismo, mas eventualmente aprenderão que este também é um beco sem saída.

O papel desempenhado pela atual direção sindical e da esquerda significa que não precisamos de sindicatos, líderes ou partidos políticos? De forma nenhum. O que precisamos é de sindicatos de luta de classes, de líderes de luta de classes e de um partido político de massas de luta de classes. Precisamos de sindicatos comprometidos com o fechamento da produção se forçados à greve, de dirigentes que combinem ação sindical com luta política e de um partido de luta que opere com base na independência absoluta de classe e dentro de uma democracia interna vibrante.

Estamos no início de um renascimento do movimento dos trabalhadores com o potencial de mudar os parâmetros da luta de classes que fomos forçados a suportar nas últimas décadas. No entanto, a classe trabalhadora pode romper o impasse social apenas rompendo com a abominação das “coalizões” entre classes no local de trabalho e na política. O sucesso exigirá ideias claras, organização e tenacidade. A CMI está construindo o primeiro núcleo de uma futura direção revolucionária e trazendo essas ideias para sindicatos e movimentos em todo o país. Nós o convidamos a se juntar a nós neste esforço.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.