O homem mais rico do Egito provocou indignação ao sugerir que “a vida deve continuar” após a pandemia de coronavírus: ou seja, que os negócios devem retomar o mais rápido possível, seja isso seguro ou não para os trabalhadores, a fim de manter os lucros. Isso revela o total desprezo da burguesia egípcia em relação às pessoas comuns, cuja raiva de classe está borbulhando logo abaixo da superfície.

Por causa da crise causada pela Covid-19, tem se falado muito ultimamente sobre uma “fase 2”, etapa intermediária que deve levar gradualmente ao retorno às atividades produtivas. No entanto, parece haver ainda algumas divergências sobre o que fazer.