A Presidente do PT da Argélia Louisa Hanoune foi presa por um tribunal militar acusada de conspiração contra a autoridade do Estado e a autoridade militar. Louisa compareceu a um tribunal como “testemunha” de um processo sobre o irmão do ex-presidente e, após o seu depoimento, foi encarcerada. A acusação de “conspiração” ou “rebeldia” é fantasiosa, quando milhões de argelinos, toda semana, se manifestam contra a continuidade do Regime Militar. Além de Louisa, presa desde 9 de maio, também Hadj Ghermoud, militante dos direitos humanos, foi preso desde janeiro. Dezenas de ativistas e militantes estão sendo ameaçados e presos na Argélia.

As manifestações de 15 de maio foram massivas, com forte participação da juventude e expressaram o ânimo e combatividade presente na base. Segundo a CNTE, cerca de 2 milhões de pessoas foram às ruas nessa data.