Nicolas Maduro foi reeleito para mais um mandato nas eleições Presidenciais venezuelanas do passado Domingo, 20 de Maio. A maior parte da oposição reaccionária, com o pleno apoio de Washington e Bruxelas, apelara ao boicote, o que originou uma participação muito baixa nas zonas de classe média e alta nas principais cidades. A exigência de que se cancelassem as eleições obteve eco por parte dos governos de direita da região. Tal significa que muitas pessoas das áreas pobres e da classe trabalhadora fossem votar com o intuito de repudiar a descarada intromissão imperialista. Contudo, mesmo nestas zonas a participação foi visivelmente inferior à das anteriores eleições. A profunda crise económica é a principal preocupação da maior parte das pessoas e muitas estão cépticas quanto à habilidade do governo em lidar com a mesma.

À medida que se aproxima a eleição presidencial venezuelana de 20 de maio, a campanha de agressão imperialista pelos EUA e seus aliados se intensifica. O objetivo é claro: implementar uma mudança de regime. Ao mesmo tempo, a crise econômica que atravessa o país alcançou níveis intoleráveis para os trabalhadores e os pobres, e as políticas do governo são impotentes para resolver a situação. É necessária uma alternativa revolucionária, uma alternativa que seja capaz de combater a direita e mostrar uma saída real da hiperinflação, da escassez e da depressão econômica.

Donald Trump anunciou ontem sua decisão de retirar os EUA do acordo nuclear com o Irã. Em um discurso repleto de mentiras, distorções e pura hipocrisia, ele anunciou que sua administração vai impor o “mais alto nível de sanções econômicas” ao Irã.

A máquina midiática do establishment está a toda marcha desde as eleições municipais da última quinta-feira, na Inglaterra, tentando retratar os resultados como mais um desastre para o Partido Trabalhista e seu líder, Jeremy Corbyn. Mas, depois de três anos vomitando bile, ninguém mais presta atenção a tais distorções e histeria.

Os filósofos apenas interpretaram o mundo de diferentes maneiras; o que importa é transformá-lo. (Karl Marx, Teses sobre Feuerbach)

Atualização: no momento em que os camaradas publicaram este artigo, houve a notícia de que o governo da Nicarágua, em reunião com a iniciativa privada, decidiu revogar a reforma. É importante que agora o movimento dos trabalhadores e estudantil se arregimente com um programa para assegurar que a crise do sistema de aposentadorias seja pago pelos capitalistas.

A Esquerda Marxista realizou seu 6º Congresso Nacional em Barra do Sul (SC) de 29 de abril a 1º de maio, sendo precedido por dois dias de escola nacional de formação. O congresso teve como objetivo preparar a atuação da organização diante da conjuntura nacional e internacional do capitalismo, além de sustentar essa prática com a teoria e a análise proporcionadas pelo marxismo.

Centenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de Barcelona mais uma vez no domingo 15 de abril para rejeitar a repressão do Estado espanhol. Uma demanda fundamental foi a liberdade para os presos políticos catalães – os manifestantes marcharam sob o slogan “Us volem a casa” (“Nós os queremos em casa”). Isso aconteceu no final de uma semana em que o Estado tentou (e fracassou) acusar membros dos Comitês para a Defesa da República (CDRs) de terrorismo. A massiva manifestação revelou a capacidade de resiliência do movimento, apesar de uma liderança que não está conseguindo mostrar o caminho a seguir.

Foi confirmado que os últimos de nossos camaradas paquistaneses sequestrados foram libertados em segurança e agradecidos a todos os camaradas e apoiadores que participaram de nossa campanha de solidariedade, que foi fundamental para garantir a integridade dos sequestrados. Publicamos a seguinte mensagem de Progressive Youth Alliance (PYA), celebrando o retorno seguro de nossos camaradas e a vitória de nossa campanha internacional.

Foi confirmado que os últimos de nossos camaradas paquistaneses sequestrados foram libertados em segurança e agradecidos a todos os camaradas e apoiadores que participaram de nossa campanha de solidariedade, que foi fundamental para garantir a integridade dos sequestrados. Publicamos a seguinte mensagem de Progressive Youth Alliance (PYA), celebrando o retorno seguro de nossos camaradas e a vitória de nossa campanha internacional.

Acabamos de receber a informação de que 4 dos 7 ativistas marxistas sequestrados no último domingo por esquadrões da morte no Paquistão foram libertados! É evidente que a campanha internacional pressionando as embaixadas paquistanesas em dezenas de países teve um grande impacto. As autoridades do regime autoritário do Paquistão se deram conta de que não poderiam desaparecer com mais estes 7 sem que houvesse uma repercussão internacional muito forte. Esta é uma primeira vitória que deve ser comemorada e queremos agradecer a cada um que fez a sua parte. Isso salvou vidas! Mas não devemos parar. Pelo contrário! Devemos intensificar a pressão sobre a embaixada paquistanesa no Brasil para que libertem com vida os outros 3 camaradas que seguem desaparecidos!