As reviravoltas diárias da vida sob o regime de Trump têm sua forma de fazer 2016 parecer uma lembrança remota. Mas, com o espetáculo de Hillary Clinton se juntando a #TheResistance e com a repentina demissão do diretor do FBI, James Comey, por Trump justo alguns dias depois de testemunhar ante o Comitê Judiciário do Senado sobre alegações de que ele teria influenciado a eleição, todas as camadas da sociedade estão fazendo uma séria reflexão sobre primárias, eleição e a trajetória que levou a este ponto.

Durante seu discurso na massiva manifestação bolivariana do Dia do Trabalhador, o presidente venezuelano Nicolas Maduro anunciou a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, que ele descreveu como uma assembleia dos trabalhadores e comunal. A oposição venezuelana imediatamente a rejeitou como parte do “golpe do regime” e convocou a escalada de protestos.

O isolacionista Trump mudou de rumo. Em vez de sua promessa de se manter fora do Oriente Médio, ele se utilizou da indignação por um ataque de armas químicas sobre a população civil de Khan Shaykhun, na Síria, para lançar 59 mísseis de cruzeiro contra uma base aérea do governo sírio. A Casa Branca foi rápida em anunciar que a ação enviava um forte sinal não somente a Assad, como também ao restante do mundo.

As últimas três semanas viram a rápida progressão do candidato de França Insubmissa nas pesquisas para a eleição presidencial: partindo do quinto lugar, com cerca de 11% das intenções de voto, chega agora ao terceiro lugar, com mais de 18%. Esta rápida ascensão veio acompanhada da diminuição lenta, mas constante, das intenções de voto para os dois candidatos no topo, o da extrema-direita Le Pen (que caiu de 28% a 24%), e o do thatcherista liberal Macron (que caiu de 26% a 23%).

Dia 6 de abril, a marinha americana lançou uma série de ataques com mísseis contra a base aérea de Al Shayrat, localizada no centro da região síria de Homs. Sete pessoas teriam morrido e vários jatos militares teriam sido danificados no ataque.

Sem qualquer consulta e sem sequer se preocupar em conseguir o apoio de qualquer instituição internacional (fazendo exatamente o oposto do que havia falado anteriormente sobre não intervir na Síria), Trump lançou um ataque unilateral contra as forças do governo sírio.

“Golpe de Estado na Venezuela! Maduro concentra todo o poder!” Somente a alguns dias do aniversário de 15 anos do golpe de Estado contra o presidente democraticamente eleito Hugo Chávez (de 11 a 13 de abril de 2002), os mesmos que o levaram a cabo (a oligarquia venezuelana, seus amos em Washington e seus cãs ladradores em Buenos Aires, Brasília, Santiago do Chile e Lima, acompanhados pela matilha midiática em Madrid e nos Estados Unidos) agora estão gritando e ladrando como hienas contra um suposto “autogolpe de Estado” do presidente Maduro.

Na semana passada, de 17 a 19 de março, os marxistas na Grã-Bretanha deram um importante passo à frente na conferência nacional de ativistas e apoiantes de Socialist Appeal em Londres. Não só foi esta a maior e mais bem-sucedida conferência até agora, como também marcou o lançamento do novo jornal quinzenal Socialist Appeal – uma tremenda realização e um importante marco para as forças do marxismo na Grã-Bretanha.

Há 46 anos, durante o governo de Salvador Allende, uma votação unânime no Congresso nacionalizou o cobre chileno. Durante a ditadura assassina de Pinochet, abriu-se caminho ao investimento estrangeiro que atualmente responde por mais de dois terços dos lucros de produção e dos empregados no setor. Mesmo assim o que fica para o país constitui 13% do PIB, chamado de “salário do Chile”. Enquanto a empresa estatal CODELCO é a maior produtora de cobre de mina do mundo, a mina a céu aberto com a maior produção cuprífera do mundo é a Minera Escondida, controlada pela BHP Billiton[1].

No clássico estilo de “dividir e governar”, Donald Trump busca introduzir uma cunha na classe trabalhadora. Dando minúsculas migalhas a poucos e fazendo dos outros bodes expiatórios, ele espera nos distrair da verdadeira fonte dos problemas que todos os trabalhadores enfrentam: o capitalismo.

Em 6 de março, os estivadores iniciam uma greve contra um decreto do Governo do PP que destrói até os alicerces os direitos sociais obtidos com a organização e a luta, e recolhidos em convênios e leis, como o Convênio 137 da Organização Internacional do Trabalho, ratificado pela Espanha em 1973, para garantia e regularidade do emprego e das retribuições mínimas deste coletivo de trabalhadores.

Uma publicação apareceu recentemente no tabloide londrino Evening Standard (10 de fevereiro de 2017), escrita por um certo Victor Sebestyen, a respeito da exposição “Arte Russa de 1917-1920” na Academia Real britânica.