“Adeus Ano Velho. Feliz Ano Novo”. Essa sempre foi a mensagem encorajadora de Ano Novo. Mas em todas as comemorações e explosões de garrafas de champanhe não havia sinal de qualquer otimismo ou de esperança no futuro do lado da classe dominante e seus estrategistas. Pelo contrário, as colunas da imprensa burguesa estão cheias de pessimismo e apreensão.

No dia 16 de dezembro de 2015 ocorreu o Congresso Econômico do PSUV que foi convocado pelo presidente Maduro como resultado da Assembleia Extraordinária de delegados e delegadas ao congresso do PSUV ocorrido no dia 10 de dezembro. Esse Congresso Econômico teve por objetivo definir e precisar as retificações e tarefas necessárias para poder derrotar a guerra econômica, que de concreto significa erradicar os níveis atuais de inflação e escassez existentes, que jogaram um papel de primeira ordem na vitória da contrarrevolução ocorrida em 6 de dezembro passado.

Os venezuelanos irão às urnas em 6 de dezembro para eleger deputados à Assembleia Nacional. Uma combinação de fatores tornou este o mais difícil desafio que a Revolução Bolivariana enfrentou nos 17 anos desde que o Presidente Chávez foi eleito pela primeira vez em 1998. Aos costumeiros desafios de uma oposição profundamente antidemocrática e às provocações imperialistas, temos de acrescentar uma combinação de fatores econômicos nacionais e internacionais que trabalham para sufocar a Venezuela e que leva a uma só conclusão: ou a revolução é completada ou será derrotada.

Na última sexta-feira, Paris foi cenário de um massacre em massa em que pelo menos cento e vinte e nove pessoas, a maioria formada por jovens que se divertiam em cafés e shows de rock, foram abatidas a sangue frio. Os assassinos, gritando Allah Akbar (‘Deus é grande’), descarregaram suas armas e voltaram a carregá-las calmamente antes de matar mais pessoas que jaziam indefesas no solo.

Três recentes publicações científicas reacenderam o debate em um assunto que sempre foi uma questão de disputa entre a ciência e a religião: o desenvolvimento da humanidade da Pré-História até agora. Nos últimos vinte anos, avanços na ciência confirmaram a necessidade de se estudar todos os campos do conhecimento, desde biologia até cosmologia, com uma abordagem dialética. Essa abordagem nos permite interpretar o mundo enquanto ele está em constante movimento e em contradição, em transformação permanente, e nos ensina como estudar processos mutuamente conexos. Isso leva em conta a complexidade fascinante que tudo isso implica.

A política portuguesa tornou-se muito interessante nas últimas semanas. As eleições parlamentares de 4 de Outubro representaram uma virada à esquerda na sociedade que reflete o descontentamento e a radicalização semeados pela crise do capitalismo num dos países mais afetados.

O Fundo Monetário Internacional foi forçado, não somente a rebaixar repetidamente suas previsões de crescimento, como também agora prevê uma queda do PIB Mundial em termos de dólares, a primeira desde 2009. Isto é um reflexo da crise mundial em que nos encontramos.

As Dívidas Interna e Externa dispararam. A Dívida Interna atingiu R$3,6 Trilhões e a Dívida Externa bruta chegou a U$ 555 bilhões de dólares. O capital internacional começa a ter medo de não receber.

MARXIST.COM HOLIDAY BREAK

In Defence of Marxism will be publishing irregularly over the holiday period, and will resume regular output on 1 September.