Perspectivas 2021 para o socialismo revolucionário nos EUA (parte 1)

O documento de perspectivas a seguir foi discutido e aprovado por unanimidade pelo Congresso Nacional da Seção dos EUA da CMI em outubro de 2021. Ele traça um balanço da profunda transformação do cenário político nos EUA e analisa os principais fatores que estão moldando a consciência de massa hoje. Dezenas de milhões estão tirando conclusões revolucionárias.

[Source]

Nunca antes na memória viva houve tantas oportunidades para as ideias do marxismo se firmarem e se tornarem uma força política de massa. Se concorda com a análise aqui apresentada, convidamo-lo a aderir à CMI e a preparar-se para os acontecimentos históricos que se avizinham.

Aliás, não é difícil ver que nosso tempo é um tempo de nascimento e trânsito para uma nova época. O espírito rompeu com o mundo de seu ser-aí e de seu representar, que até hoje durou; está a ponto de submergi-lo no passado, e se entrega à tarefa de sua transformação. Certamente, o espírito nunca está em repouso, mas sempre tomado por um movimento para a frente.

Na criança, depois de longo período de nutrição tranquila, a primeira respiração – um salto qualitativo – interrompe o lento processo do puro crescimento quantitativo; e a criança está nascida. Do mesmo modo, o espírito que se forma lentamente, tranquilamente, em direção à sua nova figura, vai desmanchando tijolo por tijolo o edifício de seu mundo anterior. Seu abalo se revela apenas por sintomas isolados; a frivolidade e o tédio que invadem o que ainda subsiste, o pressentimento vago de um desconhecido são os sinais precursores de algo diverso que se avizinha. Esse desmoronar-se gradual, que não alterava a fisionomia do todo, é interrompido pelo sol nascente, que revela num clarão a imagem do mundo novo. (G. F. Hegel, “Fenomenologia do Espírito”)

Marx e Engels explicaram que a justificativa histórica para o sistema capitalista foi que ele desenvolveu as forças produtivas a ponto de uma sociedade de superabundância se tornar materialmente possível, criando, ao mesmo tempo, um proletariado poderoso, que lideraria a revolução socialista. Isso foi alcançado sob o capitalismo há muitas décadas. E o sistema ainda continua existindo, devido às políticas desastrosas dos líderes trabalhistas e de esquerda, introduzindo contradições e correntes cruzadas que os autores do Manifesto Comunista não poderiam ter previsto. Mais do que nunca, a teoria marxista é um guia indispensável para a ação dos socialistas revolucionários.

Desde o início, Marx e Engels enfatizaram a unidade da teoria e da prática ao formular sua perspectiva de mundo consistente e integral: “Os filósofos apenas interpretaram o mundo de várias maneiras; o objetivo é mudá-lo”. O método que desenvolveram – o materialismo dialético – nos fornece as ferramentas de que precisamos para navegar na tarefa mais complexa e contraditória que a humanidade já empreendeu: a derrubada revolucionária e consciente do capitalismo e sua substituição por uma federação socialista mundial. Nossa tarefa é aplicar o método materialista dialético aos nossos tempos turbulentos para ajudar a classe trabalhadora a traçar um curso revolucionário para sair do impasse sistêmico.

Um partido revolucionário não pode ser construído sem desenvolver perspectivas corretas. De nossas perspectivas fluem nossa estratégia geral, táticas e prioridades e tarefas organizacionais do dia a dia. Isso foi verdade em períodos de relativa estabilidade, como o boom do pós-guerra, e ainda mais no período polarizado e às vezes desconcertante em que vivemos hoje – a época da revolução mundial. Entramos neste período com uma classe trabalhadora que é maior e mais potencialmente poderosa do que em qualquer outro momento da história. Também nos beneficiamos de uma riqueza de ideias e experiências com as quais aprender – desde que estudemos o passado.

As perspectivas marxistas consistem em uma avaliação geral do passado recente e do período pelo qual estamos passando, uma análise científica das principais condições objetivas que moldam a consciência de massa e uma antecipação do curso mais provável que os eventos futuros seguirão. A elaboração de perspectivas é uma ciência e uma arte, e nossas conclusões devem fluir dos fatos como eles são – não como gostaríamos que fossem. Por sua própria natureza, as perspectivas são condicionais e devem ser continuamente comparadas e contrastadas com a marcha real da história. Erros serão inevitavelmente cometidos, mas podem ser corrigidos se forem reconhecidos e examinados com seriedade.

O objetivo deste documento é traçar um balanço do último período e traçar as principais dinâmicas políticas e econômicas que teremos de enfrentar nos próximos meses e anos. Todos os marxistas e revolucionários sérios devem examinar cuidadosamente essas perspectivas e, se concordarem, tirar as conclusões necessárias. Ou seja, aderir à CMI e ajudar a construir o revolucionário fator subjetivo.

Uma mudança política radical

Nos últimos dez anos, o cenário político americano sofreu a transformação mais dramática de que há memória. Impulsionada pelo impasse do sistema capitalista, uma geração inteira está se movendo rapidamente na direção das ideias revolucionárias. Essa trajetória pode ser rastreada até o impacto inicial da crise de 2008 – um evento que alterou a vida de dezenas de milhões e que sinalizou que o período de relativa estabilidade do capitalismo havia chegado ao fim.

Imediatamente após a “Grande Recessão”, muitos socialistas presumiram que haveria um renascimento rápido e furioso da luta de classes. Em vez disso, a súbita devastação econômica atingiu a classe trabalhadora, levando ao choque e à paralisia, em vez de uma virada para as ideias revolucionárias. No entanto, abaixo da superfície, uma profunda transformação ocorreu, plantando as sementes de uma nova época.

O primeiro sinal evidente dessa mudança veio anos depois, no início de 2011, quando mais de cem mil membros dos sindicatos, outros trabalhadores e até mesmo pequenos agricultores se manifestaram e ocuparam a capital do estado de Wisconsin em resposta à feroz legislação anti-trabalhista do governador Scott Andador. Mais tarde naquele ano, o movimento Occupy se espalhou de Wall Street, em Lower Manhattan, para centenas de cidades nos Estados Unidos e no mundo. Inspirado pelas revoluções no mundo árabe e outros movimentos de massa internacionais, o Occupy foi caracterizado por uma mistura eclética de ideias e ainda mais confusão no reino das táticas. No entanto, um componente inconfundível de raiva de classe foi expresso no slogan: “Nós somos os 99%!”. Na época, o candidato presidencial republicano, Mitt Romney, deixou escapar o que se passava na cabeça dos estrategistas do capitalismo: “Acho perigosa essa guerra de classes”. Mal sabiam eles que o processo de radicalização estava apenas começando.

Dois anos depois, o mundo teve outro vislumbre do futuro. No verão de 2014, Eric Garner foi sufocado até a morte por policiais da NYPD (Polícia de Nova Iorque), proferindo uma dúzia de vezes antes de morrer: “Eu não consigo respirar!”. Isso foi seguido pelo assassinato brutal de Michael Brown, de 18 anos, em Ferguson, Missouri, baleado seis vezes com as mãos levantadas no ar. As mortes pela polícia desses homens negros desarmados, após a absolvição do assassino de Trayvon Martin em 2013, deram início às primeiras ondas do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Os protestos prenunciaram a revolta sem precedentes de 2020 após o assassinato de George Floyd pela polícia, o movimento de protesto de massa mais significativo na história deste país. Trabalhadores e jovens negros assumiram a liderança nessas lutas, semelhante ao papel de vanguarda desempenhado por ativistas negros nas décadas de 1950 e 1960. Eles começaram a luta e muitos outros se juntaram a ela.

A raiva subterrânea da classe veio à tona mais uma vez em 2016, quando um senador virtualmente desconhecido de Vermont fez uma campanha presidencial contra o “um por cento” e propôs uma “revolução política contra a classe bilionária”. Sem dúvida, o “socialismo democrático” de Bernie Sanders era confuso e amorfo e estava longe de ser um programa revolucionário. Mas, no contexto político dos Estados Unidos na década de 2010, soou novo e apelou para dezenas de milhões de pessoas que procuravam uma forma de expressar seu descontentamento. A geração de 2008 finalmente começou a falar sobre o socialismo em grande escala.

Se Sanders tivesse concorrido como socialista independente em 2016, sua campanha poderia muito bem ter dado início a uma nova fase mais elevada da luta de classes, um passo em direção à formação de um partido socialista de massas da classe trabalhadora. Em vez disso, sua capitulação a Hillary Clinton e ao Partido Democrata foi uma oportunidade perdida de proporções históricas, e foi isso que abriu totalmente as portas para o trumpismo. Longe de sinalizar uma mudança fundamental para a direita, a vitória de Trump revelou a falência do liberalismo burguês e a rejeição generalizada do establishment bipartidário.

Não devemos esquecer que a ascensão de Trump se refletiu no polo oposto. Catalisado pela campanha de Sanders e impulsionado após a eleição de Trump, um movimento socialista renascido começou a dar seus passos iniciais. De 2016 a 2020, milhões de jovens recém-radicalizados foram despertados para a política socialista e uma camada pequena, mas crescente, começou a se organizar. Em particular, os Socialistas Democratas da América (DSA) cresceram de 8.000 para 9.000 membros nos primeiros dois dias após a eleição de 2016, atingindo 17.000 em fevereiro de 2017 e 92.000 no verão de 2021. A circulação impressa da revista Jacobin também cresceu consideravelmente, de menos de 20.000 assinantes em outubro de 2016 para 75.000 até 2021. No DSA e em outros lugares, antigos debates sobre estratégia socialista e história da classe trabalhadora ressurgiram, enquanto memes socialistas, podcasts e críticas mordazes ao absurdo do capitalismo proliferavam online.

Cada um desses eventos foi sintomático e revelou uma profunda mudança na perspectiva de milhões, o produto de um acúmulo gradual mas constante de descontentamento alimentado por padrões de vida em queda, injustiça esmagadora e o mal-estar geral de um sistema em declínio. 2008 foi seguido pela recuperação mais longa e mais fraca da história do capitalismo, e milhões de jovens perceberam que não há esperança de um futuro melhor sob esse sistema. A própria estrutura da sociedade está freando a humanidade – e ameaça nos mergulhar nas trevas. Não é de admirar que as taxas de natalidade despencaram, a expectativa de vida caiu, as doenças mentais aumentaram e as mortes por overdose de drogas aumentaram 30% em 2020. As profundas transformações na consciência que testemunhamos nos últimos anos são o início do reconhecimento de que o capitalismo está em um impasse histórico.

Essa perspectiva foi registrada em várias pesquisas de opinião nos últimos anos. O Edelman Trust Barometer entrevistou pessoas em 28 países importantes e descobriu que 56% da população mundial acredita que “o capitalismo hoje faz mais mal do que bem ao mundo” – incluindo 47% dos americanos. Uma pesquisa de 2020 feita pela Harris Poll e Just Capital descobriu que apenas 25% das pessoas nos Estados Unidos pensam que a forma atual de capitalismo “garante o bem maior da sociedade”, enquanto 20% acreditam que “nenhuma forma de capitalismo é capaz de produzir o tipo da sociedade que eu quero para a próxima geração”.

Mas aqueles que estão desiludidos com o capitalismo não estão simplesmente aceitando seu destino. Uma pesquisa do YouGov em 2018 descobriu que 42% de todos os americanos tinham uma opinião favorável sobre o termo “socialismo”. E uma pesquisa realizada no ano seguinte descobriu que o termo “comunismo” era visto com bons olhos por 28% da geração Z e 36% dos millennials – um aumento de oito pontos desde 2018. Este é um fenômeno global e coincidiu com um surto de luta de classes nos últimos anos. O Maplecroft Global Political Risk Outlook concluiu que, ao longo do ano de 2019, 47 países “testemunharam um aumento significativo nos protestos, que se intensificou durante o último trimestre”. Isso representa 25% de todos os países do mundo. O relatório de 2019 foi concluído com uma advertência perspicaz à classe dominante:

A raiva reprimida que se transformou em protestos de rua no ano passado pegou a maioria dos governos de surpresa. Os legisladores em todo o mundo reagiram principalmente com concessões limitadas e repressão das forças de segurança, mas sem abordar as causas subjacentes. No entanto, mesmo se resolvidas imediatamente, a maioria das queixas está profundamente arraigada e levaria anos para ser resolvida. Com isso em mente, é improvável que 2019 seja um simples chiado do azeite na frigideira. Os próximos 12 meses provavelmente renderão mais do mesmo, e as empresas e investidores terão que aprender a se adaptar e conviver com esse “novo normal”.

No início de 2020, em um documento de perspectivas elaborado antes que a pandemia agravasse tudo, prevíamos que “[c]om uma nova crise econômica mundial no horizonte ou já se desenrolando, podemos esperar um descontentamento ainda mais generalizado em 2020 e depois. E as ondas de revolução que varrem a América Latina, África, Oriente Médio, Ásia e a própria Europa terão um impacto inevitável nos Estados Unidos”. Essa previsão foi confirmada mais cedo e com mais impacto do que qualquer um poderia ter previsto.

Os apologistas mais perspicazes do capitalismo podem sentir o chão tremendo sob seus pés. Há uma crise intensa e cada vez profunda do regime de domínio capitalista. Lenin explicou que o primeiro fator em uma revolução em desenvolvimento é que a classe dominante está dividida e não pode governar da maneira tradicional. Esta é uma descrição precisa dos Estados Unidos hoje. Há uma grande divisão na classe dominante, com uma maioria oposta a Trump e sua laia. Também há divisões entre Democratas e Republicanos. Os ex-monólitos em defesa do capitalismo americano, incluindo o FBI, CIA, NSA, Departamento de Estado e inúmeras outras agências, também estão divididos.

As Forças Armadas também estão profundamente polarizadas, desde as tropas até a Junta de Chefes de Estado-Maior. O principal general de Trump, Mark Milley, revelou recentemente que temia que Trump e seus comparsas tentassem um golpe após a derrota eleitoral de 2020. Embora um golpe genuíno não estivesse sendo preparado, os comentários de Milley são um exemplo gráfico das profundezas da divisão da classe dominante – a mais profunda desde o acordo sujo que lançou a Reconstrução rio abaixo após as eleições de 1876.

O que os defensores liberais do sistema realmente querem dizer quando se referem à ameaça que o Trumpismo representa para a “democracia americana” é que o próprio capitalismo dos EUA está em perigo. Eles podem ver que é um edifício infestado de cupins que não aguenta mais choques. As travessuras de Trump estão expondo e enfatizando os limites da terrivelmente desatualizada Constituição dos EUA, um documento que durante anos garantiu estabilidade, mas que agora está se transformando dialeticamente em seu oposto. Mais do que isso, como a personificação do “chicote da contrarrevolução”, Trump e sua turma ameaçam provocar um contra-ataque poderoso e uma oscilação para a esquerda – uma pista que vimos no verão passado.

Esses processos nunca são lineares ou automáticos. Isso é particularmente verdadeiro quando os líderes sindicais e a esquerda organizada não podem oferecer uma saída de luta para o impasse. No entanto, a tendência é clara. Enquanto a mídia liberal concentra a maior parte de sua energia na “ascensão da direita”, tudo o que é historicamente saudável, progressista e dinâmico na sociedade americana está tendendo inexoravelmente para a esquerda. O potencial para uma política socialista revolucionária de massa nunca foi tão grande. Conforme esclarecido por Hegel na citação que abre este documento, “a forma e a estrutura do novo mundo” estão surgindo. É tarefa histórica da CMI concretizar este potencial.

O impacto de 2020

As palavras mais usadas para descrever os eventos de 2020 não tinham precedentes – um ano cheio de “semanas em que décadas acontecem” e crises “únicas na vida”. Em um mundo mais conectado do que em qualquer outro momento da história da humanidade, a pandemia Covid-19 se espalhou exponencialmente por praticamente todos os cantos do globo.

Ao custo de mais de quatro milhões de vidas, o vírus deu ao mundo uma lição devastadora sobre a transformação dialética da qualidade em quantidade. Começando com algumas dezenas de casos em Wuhan, milhares em Milão e centenas de milhares em Nova York, as principais cidades e centros econômicos do mundo foram sobrecarregados com mortes e doenças em uma reação em cadeia implacável. A pandemia interrompeu os negócios normais e obrigou a intervenção do Estado a um grau que o Financial Times achou “difícil de imaginar… sem uma revolução comunista”.

Em inúmeros locais de trabalho em todo o país e ao redor do mundo, o vírus se tornou o catalisador para uma onda de confrontos entre trabalhadores – que exigiam condições de segurança e a suspensão das operações não essenciais – e os patrões decididos a sacrificar seus funcionários como lenha na fogueira para manter os lucros fluindo. Isso provocou uma onda de greves selvagens envolvendo milhares de trabalhadores em saúde, transporte, saneamento, armazenamento, empacotamento de carne, varejo, manufatura, fast food e muito mais.

O deslocamento econômico atingiu o nível dos anos 1930 em muitas partes do país e se desdobrou ainda mais rapidamente. Durante a Grande Depressão, cerca de 15 milhões de trabalhadores perderam seus empregos em três anos. Na crise de 2008, 8,6 milhões de trabalhadores perderam seus empregos em 19 meses. Em contraste, em uma única semana em março de 2020, 6,9 milhões de trabalhadores perderam seus empregos, e mais de 20 milhões a mais entrariam em processo de desemprego no mês seguinte, levando a taxa de desemprego U6 [taxa de desemprego que leva em conta a faixa inteira de desempregados nos EUA – NDT] a um pico de 28% – muito maior do que na década de 1930. Os pedidos de desemprego semanais ultrapassaram um milhão por 20 semanas consecutivas e mais de 60 milhões de pedidos de seguro-desemprego foram registrados em um único ano.

Essas cifras somente podem sugerir o profundo custo humano, os milhões de famílias que perderam sua renda, seus meios de subsistência e seus entes queridos. A pandemia foi viral e social, e, como sempre, os membros mais vulneráveis da sociedade sofreram o impacto. Mesmo antes do impacto de 2020, um quinto dos americanos tinha patrimônio líquido zero ou negativo, e quase 80% viviam de salário em salário. Esta foi a camada da classe trabalhadora mais diretamente afetada. No total, 39% dos trabalhadores que ganham menos de US $ 49.000 [anuais] perderam seus empregos e 35% das famílias com crianças sofreram de insegurança alimentar. O desemprego juvenil atingiu 27,4%.

Durante os primeiros dez meses da pandemia, as mulheres perderam uma quantidade líquida de 5,4 milhões de empregos, quase um milhão a mais de perdas de empregos do que os homens. Em dezembro de 2020, mulheres negras, latinas e asiáticas foram responsáveis por todas as perdas femininas de empregos naquele mês. Só naquele mês, mais de 150.000 mulheres negras abandonaram totalmente a força de trabalho. A pandemia também revelou a extensão da crise dos cuidados infantis. O crédito tributário infantil de Biden pode custar milhões, mas US $ 300 por mês por criança é uma ninharia quando a creche pode custar mais do que o aluguel.

Milhões de pessoas ficaram para trás com o pagamento dos aluguéis ou das hipotecas e vivem, até hoje, em frágil precariedade. Em junho de 2021, dez milhões de locatários e mais de dois milhões de proprietários estavam atrasados no pagamento da habitação. E em todo o país a expectativa de vida caiu quase dois anos – o declínio mais acentuado desde 1943, sob o impacto da Segunda Guerra Mundial. Os negros perderam 3,25 anos de expectativa de vida e os latinos perderam 3,88.

Contra esse panorama convulsivo, as Primárias Democráticas de 2020 prosseguiram. A escala das consequências sociais e econômicas poderia muito bem ter tirado a eleição de 2020 das mentes das pessoas. Mas, aos olhos de milhões, Sanders representou um vislumbre desesperado de esperança por mudanças radicais. As primárias foram caracterizadas pelo ímpeto aparentemente imparável de Bernie Sanders e pela confusão, em pânico, de uma dúzia de outros candidatos para eliminá-lo. O New York Times se referiu à eleição de 2020, não como uma corrida contra Trump, mas como “a corrida contra Sanders”. E antes da Super Terça, o apresentador da CNN, Michael Smerconish, resumiu a angústia de todo o establishment capitalista: “Será que Bernie Sanders ou o coronavírus podem ser detidos?”.

Sanders como indivíduo não era uma grande preocupação para a classe dominante. Mas eles entenderam que, se ele ganhasse a indicação, os milhões que o apoiavam poderiam transbordar para um movimento de massa que poderia ir muito além de seu apelo por reformas superficiais. Sua preocupação com as perspectivas e popularidade de Bernie era bem fundada. Sanders ganhou a maioria dos votos nas duas primeiras corridas em Iowa e New Hampshire, derrotando o candidato Pete Buttigieg, que chegou em segundo, por doze pontos entre todos os eleitores com menos de 44 anos e por uma proporção de quase três para um entre eleitores com menos de 29 anos. Em seguida veio Nevada, onde, apesar de uma intensa campanha na mídia contra ele, Sanders obteve uma vitória esmagadora. Enquanto isso, Biden ficou em quarto lugar em Iowa e em quinto em New Hampshire, sem votos suficientes para ganhar um único delegado na convenção. Em Nevada, Bernie venceu Biden por uma margem de mais de dois para um. Basta dizer que as primárias não estavam indo de acordo com o planejado pelos estrategistas do partido.

Tudo mudou depois que Biden venceu sua primeira corrida na Carolina do Sul, embora com uma margem pior do que Clinton em 2016, e com uma exibição mais forte para Sanders. Em uma manobra sem precedentes, seis candidatos desistiram imediatamente e apoiaram Biden em rápida sucessão, fechando as fileiras contra Sanders antes da Super Terça. Bloomberg e Warren se uniram após os resultados da Super Terça. Praticamente da noite para o dia, Joe Biden, um dos candidatos menos populares na disputa, tornou-se o ponto focal “anti-Bernie” em torno do qual o establishment do partido poderia se aglutinar.

Sanders venceu mais cinco disputas, incluindo o estado da Califórnia, rico em delegados, garantindo quase dez milhões de votos nas primárias antes de decidir suspender sua campanha em 8 de abril. Isso foi um soco no estômago para milhões de pessoas que esperavam que sua campanha fosse oferecer um caminho a seguir – uma forma de lutar contra os bilionários que governam os EUA. Mas também foi um ponto de inflexão no processo de radicalização de uma camada da juventude socialista. A segunda capitulação total de Sanders foi um exemplo dos tipos de mudanças bruscas e repentinas que podem empurrar rapidamente amplas camadas da classe trabalhadora a chegar a conclusões mais radicais. Foi a gota d’água para milhões – a última vez que eles tentaram trabalhar dentro do sistema bipartidário dos capitalistas.

CONTINUA.