Pandora Papers: mais uma exposição das negociações financeiras sujas da classe dominante!

Um vazamento de dados contendo milhões de documentos totalizando 2,94 terabytes de informações levantou parcialmente a cortina sobre os negócios e ativos offshore de mais de 100 bilionários, líderes mundiais e funcionários públicos. Esse vazamento expôs o tremendo parasitismo da classe dominante, totalizando algo entre US$ 5,6 e US$ 32 trilhões em riqueza offshore.

[Source]

Os oligarcas russos estão especialmente bem representados nos vazamentos, com nada menos que 52 deles aparecendo nos documentos, cuja riqueza oculta chega a centenas de bilhões de dólares. Isso inclui o magnata do petróleo, Leonid Lebedev, que fugiu da Rússia em 2016 após acusações de peculato. Também é citado o magnata americano de patrimônio privado, Robert F. Smith, que, no ano passado, obteve um acordo de US$ 139 milhões em relação a uma investigação fiscal.

Um dos maiores tesouros pertence ao rei Abdullah II da Jordânia, cujo império de propriedades imobiliárias, no valor de US$ 100 milhões, foi revelado nos documentos. Ao lado desses magnatas e déspotas, vários políticos importantes são identificados nos vazamentos. Isso mostra que os chamados representantes democraticamente eleitos do capitalismo comem da mesma panela que o resto da classe dominante.

Por exemplo, o primeiro-ministro da República Tcheca, Andrej Babis, chegou ao poder depois de prometer reprimir a evasão fiscal e a fraude econômica, supostamente para criar um país onde “os empresários ficarão felizes em pagar impostos“. Mas parece que Babis precisa se auto-reprimir, já que o último vazamento revela que ele canalizou US$ 22 milhões por meio de empresas de fachada para comprar um castelo na Riviera Francesa.

Enquanto isso, Uhuru Kenyatta – presidente do Quênia, um país com uma taxa de pobreza total de 36% e uma taxa de pobreza extrema de mais de 25% – foi exposto como beneficiário de uma fundação secreta no Panamá, enquanto sua família possui cinco empresas offshore com ativos avaliados em mais de US$ 30 milhões.

Os chamados Documentos de Pandora (assim nomeados por abrir uma verdadeira “Caixa de Pandora” de acúmulo desavergonhado de riqueza) revelam o que já sabemos; que aqueles que possuem mais riqueza e poder são também os mais corruptos. O extremo a que chegam para proteger “seu” dinheiro e privilégios ficou exposto inúmeras vezes, mais recentemente nos Panama Papers em 2016, seguidos pelos Paradise Papers em 2017.

Esta sociedade capitalista podre certamente constitui um “paraíso” para os ricos, pois eles escondem sua riqueza e evitam pagar impostos usando uma combinação de contas bancárias exclusivas, fundos e fundações em centros financeiros offshore. Notavelmente, muitas dessas medidas são perfeitamente “legais” no sentido formal. O próprio sistema é manipulado em favor dos ricos, que buscam enriquecer ainda mais.

Resumindo: estes não são exemplos isolados. Todo o estrato superior da sociedade capitalista está crivado de riqueza obscena e negociações financeiras duvidosas. Essas revelações chegam em um momento em que o capitalismo nunca teve tão pouco a oferecer, com trabalhadores e jovens sendo atingidos pelo peso da crise, enquanto os ricos relaxam em uma de suas muitas casas de muitos milhões de libras.

Grã-Bretanha

O Reino Unido representa um ponto de ligação nesta teia de acumulação secreta de riqueza. Por exemplo, os vazamentos detalham a venda de 1.500 propriedades britânicas por meio de empresas offshore. Por meio desse mecanismo, os investidores super-ricos têm conseguido ocultar sua riqueza, especular anonimamente sobre a propriedade e aumentar suas carteiras imobiliárias. Para os ricos, o mercado imobiliário em Londres representa um paraíso para guardar o dinheiro que sobra. Como os vazamentos demonstram, a capital é um pátio de recreios para oligarcas, criminosos da lavagem de dinheiro e políticos corruptos.

Isso inclui figuras de destaque, como membros da família governante do Catar, que compraram duas das casas mais caras do mundo em Londres por meio de empresas offshore e, é claro, economizando milhões em impostos.

Muitos desses parasitas são as mesmas pessoas que financiam o Partido Conservador no poder. Mohammed Amersi, por exemplo, é um doador conservador proeminente que possui uma mansão em Cotswolds e uma casa na próspera Mayfair, Londres, ambos adquiridos por meio de empresas offshore. Da mesma forma, Lubov Chernukhin – ex-banqueira e esposa do ex-vice-ministro das finanças da Rússia – concedeu aos conservadores mais de 1,8 milhões de libras esterlinas em doações desde 2012, enquanto possuía uma casa em Londres e uma mansão no campo.

Essas doações não são mera generosidade, mas um acordo de equivalência no qual os conservadores recompensam seus compatriotas com políticas que os ajudam a manter seus ganhos ilícitos, como taxas de impostos favoráveis ​​e supervisão financeira negligente. Sem mencionar a oportunidade de conseguir contratos lucrativos com o governo para seus interesses comerciais. A classe capitalista e seus representantes no governo estão ligados por mil fios.

Várias figuras importantes dos negócios britânicos aparecem nos vazamentos, cuja má administração de suas empresas tem pouca influência em seu estilo de vida opulento. Por exemplo, os Pandora Papers revelam que o magnata do varejo Philip Green e sua esposa investiram em uma propriedade de luxo, no momento em que sua rede de varejo BHS quebrou sob a pressão de enormes dívidas e de um enorme buraco em seu fundo de pensão. Enquanto eles arrumavam os móveis em seu novo apartamento chique, 11 mil funcionários da BHS foram jogados para o desemprego e a precariedade.

Claro, eles fizeram essa compra anonimamente por meio de um fundo offshore, que os papéis remontam diretamente aos respeitáveis “Lady” e “Sir” Green. Um ano depois, eles generosamente compraram, para sua filha, uma casa de 10,6 milhões de libras, enquanto o grupo Arcádia (que possuía grandes lojas de varejo, incluindo a Topshop) foi levado à liquidação em novembro de 2020, novamente devido a enormes dívidas e a um déficit de pensões gigante.

Os super-ricos parecem viver em um universo diferente do resto de nós. Mesmo quando suas empresas entram em colapso – condenando milhares de trabalhadores à miséria no processo – essas sanguessugas continuam a desfrutar do luxo.

Mas não são apenas os doadores conservadores ricos e os empresários decadentes que são mencionados nos vazamentos. Fazendo jus à sua reputação de figura de proa corrupta da classe capitalista, o ex-líder do Partido Trabalhista, Tony Blair, também aparece nos Pandora Papers.

Ele e sua esposa, Cherie, enfatizaram que compraram uma propriedade de vários milhões de libras de uma “maneira normal” e “nunca usaram esquemas offshore para ocultar transações ou evitar impostos”. Mesmo assim, os jornais revelam que os Blairs economizaram 312 mil libras ao evitar o imposto do selo em sua luxuosa casa em Marylebone. Eles fizeram isso adquirindo a holding da propriedade, ao invés do prédio diretamente. Para qualquer pessoa comum da classe trabalhadora, é claro que não há nada “normal” em esquemas como este.

A lista continua e continua. A escala dessa avareza e ganância reflete, em última análise, a profunda crise do capitalismo. A classe burguesa não é capaz de levar a sociedade para a frente. Eles se tornaram um obstáculo ao desenvolvimento humano por meio de suas tendências parasitárias: sentados sobre enormes pilhas de dinheiro em vez de investi-lo de volta no desenvolvimento da produção para o aperfeiçoamento da humanidade.

Caixa de Pandora

Advogados, juízes e os chamados políticos “respeitáveis” (ou seja, aqueles não mencionados diretamente nesses vazamentos), todos desempenham sua parte neste escândalo econômico. O Estado não é um árbitro neutro acima da sociedade lutando por justiça e igualdade, mas está atado de pés e mãos aos interesses da classe capitalista.

Eles escondem isso fingindo indignação. O presidente dos EUA, Joe Biden, por exemplo, “graciosamente” prometeu trazer transparência ao sistema financeiro global. Infelizmente para ele, os EUA surgiram nos Pandora Papers como um paraíso fiscal importante, ajudando muito a classe capitalista ao oferecer-lhes uma maneira de investir sua riqueza de forma secreta e segura. O estado de Dakota do Sul, por exemplo, permite que as pessoas evitem impostos colocando sua riqueza em fundos fiduciários, o que levou a mais de US$ 367 bilhões em ativos armazenados no final de 2020.

O império da lei burguesa convenientemente torna esse processo mais fácil, oferecendo uma infinidade de brechas legais, que, para qualquer observador razoável, é claramente uma fraude econômica. Baker McKenzie, o maior escritório de advocacia dos Estados Unidos, é um importante ator em direcionar riqueza para paraísos fiscais, ajudando os ricos a evitar impostos e fiscalização, e até mesmo defendendo-os caso sejam contestados por qualquer autoridade.

O Estado capitalista é certamente uma caixa de pandora cheia de corrupção e escândalo. Isso não é por acaso. É uma decisão muito consciente por parte dos capitalistas usar todos os truques à sua disposição para maximizar seus privilégios. É claro que não importa quais regras e reformas sejam implementadas contra paraísos fiscais offshore e similares, os ricos sempre encontrarão uma maneira de escapar da rede.

A hipocrisia em exibição aqui é impressionante. A classe capitalista e seus representantes políticos continuarão a atacar os pobres e a classe trabalhadora por meio de cortes, austeridade e privatizações, ao mesmo tempo em que farão tudo o que podem para proteger sua própria riqueza e privilégios.

No Reino Unido, por exemplo, a Conferência do Partido Conservador está em andamento, com o primeiro-ministro Boris Johnson anunciando um corte de 20 libras por semana no Crédito Universal, e declarando que “só é responsável” financiar a saúde aumentando os impostos. Sem dúvida, os conservadores evitarão discutir a lista de seus maiores doadores revelados como sonegadores de impostos nesses jornais.

Os ricos parasitas estão constrangidos hoje, mas, assim como em 2016 e 2017, eles vão esperar que o furor público passe e depois vão continuar como antes. Isso não pode continuar acontecendo. Esta montanha de riqueza – produzida pelos trabalhadores, que é drenada pela burguesia através da exploração e acumulada ou jogada através da especulação – deve ser expropriada e colocada em uso produtivo em uma sociedade controlada pelos trabalhadores.

Só derrubando o capitalismo podemos acabar com a imensa corrupção e ganância da pequena minoria, que continua a empobrecer e a fazer sofrer a maioria da humanidade.