Der Mord der Polizei an George Floyd in Minneapolis hat eine Protestwelle im ganzen Land losgetreten, die vielerorts außer Kontrolle gerät. Vor einer Woche war er, ein unbewaffneter schwarzer Mann, von vier Polizisten gefesselt worden, bevor er zu Tode erstickt wurde.

Det racistiske kapitalistiske system har endnu en gang skabt den velkendte tragedie – helt ned til de samme tiggende sidste ord fra både Georg Floyd og Staten Islands Eric Garner. Dette har startet nogle af de største demonstrationer, som Minneapolisområdet nogensinde har set, og lignende aktioner har allerede spredt sig til andre byer som Los Angeles og Memphis.

Em dezembro, o partido de esquerda Unidas Podemos (UP) entrou no governo espanhol como sócio menor do social-democrata Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). Essa coalizão repousava sobre uma maioria parlamentar magra e instável, composta por uma variedade heterogênea de forças nacionalistas e regionalistas. Dois anos de política espanhola sem rumo chegaram ao fim com a queda de Mariano Rajoy. Pablo Iglesias, líder da UP, saudou essa coalizão como “o governo mais progressista” da história espanhola recente. No entanto, os acontecimentos recentes dissiparam essa euforia. A Espanha contempla o abismo de uma depressão devastadora, que reduzirá drasticamente a margem de manobra do governo. É cada vez mais difícil conciliar as demandas radicalmente contraditórias dos trabalhadores e patrões. Os protestos de direita estão polarizando ainda mais o estado de ânimo da sociedade. As relações entre os partidos no poder estão ficando tensas.