Os oprimidos do mundo não derramarão lágrimas por Henry Kissinger

Na noite de 29 de novembro de 2023, o público foi informado da morte de Henry A. Kissinger, antigo Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente e antigo Secretário de Estado dos EUA. Os meios de comunicação social burgueses, juntamente com vários estadistas e políticos, estão a derramar lágrimas pelo seu leal servidor falecido.

[Source]

Um obituário no The New York Times descrevia Kissinger como um “académico tornado diplomata que … usou a astúcia, a ambição e o intelecto para refazer as relações de poder americanas”. A revista Foreign Policy – a publicação favorita da elite militar, diplomática e dos serviços secretos de Washington – intitulou o seu obituário “Henry Kissinger, Colossus on the World Stage” e disse que “o falecido estadista era um mestre da realpolitik”. As homenagens têm chegado de todo o espetro político burguês. O antigo presidente republicano George W. Bush disse sobre Kissinger: “A América perdeu uma das vozes mais fiáveis e distintas nos negócios estrangeiros… Há muito que o admiro”. Anthony Blinken, Secretário de Estado de Joe Biden, disse que teve “o privilégio de o aconselhar muitas vezes, incluindo recentemente, há cerca de um mês”.

Os líderes do imperialismo norte-americano e os seus propagandistas afirmam que se trata de uma grande perda para os Estados Unidos e que Henry Kissinger fez grandes coisas pelo “nosso país” e ajudou a proteger-nos. Essas mesmas pessoas estão sempre a denunciar os crimes sangrentos dos “terroristas” e dos “comunistas”. Todos sabemos que, em alturas como esta, as mentiras e a hipocrisia tendem a aumentar em grandes quantidades.

A classe trabalhadora sabe que o governo, e o aparelho de Estado, dos EUA não é o “nosso governo”. É o instrumento da classe que detém os meios de produção, aqui e no estrangeiro. Os 10% mais ricos possuem três quartos de toda a riqueza. A principal tarefa do seu Estado é manter o sistema de exploração, não apenas nos EUA, mas em todo o mundo que o imperialismo norte-americano domina. Henry Kissinger foi um estratega fundamental do imperialismo norte-americano e aconselhou presidentes desde JFK até Biden. O fio vermelho que percorre a sua carreira encharcada de sangue é a matança de massas de pessoas para manter o Império dos EUA. Seria necessário um livro, talvez muitos livros, para analisar o papel desprezível que Kissinger desempenhou. Para já, podemos apenas focar alguns pontos altos.

O refugiado ambicioso

Henry Kissinger nasceu na Alemanha em 1923. Dez anos mais tarde, Hitler e os nazis chegaram ao poder. A família de Kissinger era judia e fugiu da Alemanha, emigrando para os EUA em 1938. Foram alguns dos refugiados judeus sortudos da Europa, uma vez que os EUA tinham quotas de imigração antissemita antes e depois da Segunda Guerra Mundial. Muitos outros refugiados judeus foram enviados de volta para a Europa para a sua morte.

Kissinger alistou-se no exército americano durante a Segunda Guerra Mundial e, depois da guerra, foi para Harvard. Nos EUA, as universidades da Ivy League são o principal campo de treino da classe dominante, e Harvard é a primeira entre elas. Kissinger utilizou a sua formação e os seus contactos para se tornar Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Nixon em 1969. Tornou-se também Secretário de Estado em setembro de 1973 e manteve ambos os cargos durante o resto do mandato de Nixon. O Presidente Ford tomou posse em agosto de 1974, quando Nixon se demitiu devido ao escândalo Watergate. Destituiu Kissinger do seu cargo de Conselheiro de Segurança Nacional, mas manteve-o como Secretário de Estado até janeiro de 1977. Depois disso, Kissinger fundou a sua própria agência de consultadoria, que aconselhava o governo e os políticos em troca de elevados honorários. Num debate presidencial democrata de 2016, Hilary Clinton referiu que tinha consultado Henry Kissinger sobre política externa, o que demonstra a sua influência contínua. Em todas estas cinco décadas, o papel de Kissinger foi aconselhar e definir a política do imperialismo norte-americano, tendo deixado as suas pegadas sangrentas por todo o lado.

Vietname e Camboja

Os EUA tinham mais de 500.000 soldados no Vietname em 1968. A Ofensiva do Tet expôs as mentiras da Administração Johnson de que a guerra estava quase a terminar, uma vez que os “comunistas” estavam em declínio. Quando Nixon se tornou presidente em 1969, a revolta das forças armadas americanas contra os seus oficiais estava a aumentar.

“Fragging” refere-se aos soldados que lançam uma granada de fragmentação na tenda do seu próprio oficial, para impedir que este seja enviado para combate. Em 1969, registou-se um incidente de fragmentação por cada 3300 militares e este número aumentou para um por cada 572 em 1971. A luta determinada do povo vietnamita, a revolta dos negros nos Estados Unidos e o movimento antiguerra contribuíram para criar uma situação em que a disciplina e a cadeia de comando nas forças armadas americanas estavam a desmoronar-se.

Nixon e Kissinger sabiam que tinham de retirar as tropas americanas e começaram a retirar-se. Mas como é que a maior e mais formidável potência imperialista do mundo iria parecer se virasse as costas e fugisse? Kissinger teve de criar um espetáculo diplomático. Os EUA não estavam apenas a retirar as suas tropas, mas iam negociar um acordo de paz para salvar a face que proporcionaria um “intervalo decente” entre a retirada das forças americanas e a queda do seu estado fantoche artificial do “Vietname do Sul”. Nixon e Kissinger pensaram que, para conseguir que os norte-vietnamitas alinhassem no acordo, tinham de ser bombardeados até à mesa das negociações. Foi exatamente isso que fizeram. Quantas vidas se perderam? Calcula-se que mais de 3,5 milhões de pessoas perderam a vida no Vietname, no Laos e no Camboja, entre 1954 e 1975. Sabemos que os bombardeamentos dos EUA nessa altura contribuíram grandemente para esse total. Os EUA lançaram mais bombas nesta região do que todos os lados lançaram durante toda a Segunda Guerra Mundial!

Como parte da tentativa de Kissinger de ganhar influência sobre os vietnamitas, os bombardeamentos foram alargados ao Camboja, com a desculpa de que o exército norte-vietnamita estava a utilizar rotas no Camboja neutro para reabastecer as suas forças no sul. Isto provocou uma enorme desestabilização no Camboja, desencadeando uma cadeia de acontecimentos que acabou por conduzir ao genocídio de Pol Pot.

Em 1973, depois de toda esta matança, Kissinger e Nixon permitiram que os EUA retirassem as suas tropas. O “Vietname do Sul” ficou de pé por um momento, mas caiu e o Vietname foi reunificado em 1975. O facto de o Prémio Nobel da Paz ter sido atribuído a Kissinger (o negociador vietnamita Le Duc Tho rejeitou o seu prémio) em 1973 por ter negociado uma trégua no Vietname deve ser uma das piadas mais doentias da história mundial.

A China e a URSS

Como parte da tentativa de pressionar o Vietname a sentar-se à mesa das negociações, Kissinger argumentou que os EUA deveriam usar as diferenças que surgiram entre os estalinistas russos e chineses em seu benefício. Os EUA tinham tentado, sem sucesso, isolar a China após a Revolução de 1949. Nessa revolução – o segundo maior acontecimento da história mundial depois da Revolução de outubro de 1917 – o capitalismo e o imperialismo foram derrubados. Foi estabelecido um Estado operário, mas profundamente deformado sob um regime estalinista chefiado por Mao Zedong. Os privilégios das burocracias estalinistas, tanto na China como na União Soviética, estavam ligados aos seus Estados nacionais, o que criou conflitos entre ambos.

América Latina, Ásia e Médio Oriente

Quase não havia lugar no mundo que não tivesse sido tocado pelas mãos manchadas de sangue de Kissinger. Ele prestou especial atenção à América Latina, o tradicional “quintal” do imperialismo americano. Em 1970, Salvador Allende foi eleito presidente no Chile, fazendo parte da coligação Unidade Popular, que incluía os partidos socialista e comunista. Kissinger pôs imediatamente a CIA a trabalhar para perturbar e desestabilizar o governo e preparar o caminho para um golpe de Estado. Este golpe veio a concretizar-se em 11 de setembro de 1973, com a tomada do poder pelos militares e a instauração da ditadura de Pinochet. Pinochet, com a ajuda do imperialismo americano e do seu querido amigo Henry, matou e torturou muitos esquerdistas e ativistas da classe trabalhadora. O Estádio Nacional de Santiago deixou de ser um recinto desportivo e passou a ser uma enorme prisão.

Kissinger também apoiou os militares argentinos e o seu golpe de Estado em 1976. Kissinger era amigo de homens fortes militares que serviam os interesses dos EUA e tomavam todas as medidas necessárias, por mais sangrentas que fossem, para manter o domínio do capitalismo. Foi esta mesma camarilha de generais que iniciou a “Guerra Suja”. Cerca de 30.000 pessoas foram mortas ou “desapareceram” nesta guerra unilateral da Junta apoiada por Kissinger.

O Sul da Ásia não escapou à ação assassina de Kissinger. Em 1971, liderou o fornecimento de armas à ditadura paquistanesa de Yahya Khan. Kissinger via o regime reacionário paquistanês como um baluarte fundamental do imperialismo norte-americano na região e utilizou os governantes paquistaneses como intermediários nas suas negociações com a China. Khan utilizou as armas dos EUA numa tentativa falhada de impedir o Bangladesh de se separar do Paquistão. O custo em vidas humanas desta política é fortemente contestado, com estimativas que variam entre 300.000 e três milhões de civis do Bangladesh mortos.

Em 1975, Kissinger voltou a sua atenção para a Indonésia. Em dezembro desse ano, Kissinger e Ford reuniram-se com Suharto, o ditador indonésio ferozmente anticomunista, que tinha sido instalado num golpe apoiado pela CIA em 1965. Deram-lhe luz verde para lançar uma invasão de Timor-Leste e forneceram-lhe as armas para o fazer. Por uma questão de aparência, Kissinger exigiu que o derramamento de sangue só começasse depois de ele e Ford terem regressado aos EUA. A invasão deu início a uma ocupação que durou 24 anos e durante a qual pelo menos 185.000 timorenses perderam a vida.

No Médio Oriente, Kissinger prosseguiu a política de apoio dos EUA a Israel. Na Guerra do Yom Kippur de 1973, foi noticiado que Kissinger tinha sido notificado por Israel do ataque e que tinha adiado a comunicação do facto a Nixon durante três horas e meia. Kissinger queria impedir qualquer cessar-fogo nesta guerra, para que Israel pudesse ganhar mais território. Fiel à perspetiva de Kissinger, o seu principal objetivo era manter o equilíbrio de forças no Médio Oriente a favor do imperialismo norte-americano e não se preocupava com os milhões de palestinianos que aí viviam e que eram sujeitos a estas horríveis guerras e ocupações.

Um novo mundo é necessário e possível

A morte de uma pessoa desprezível como Henry Kissinger recorda-nos a todos os crimes cometidos no passado pelo sistema capitalista sangrento. Deve também lembrar-nos que é possível um mundo muito diferente. Um mundo em que os trabalhadores de todo o mundo dão as mãos para derrubar os seus governantes. Um mundo onde os recursos da terra, a nossa impressionante tecnologia e a força do trabalho humano são coordenadas como parte de um plano democrático que pode proporcionar abundância para todos. Problemas globais requerem soluções globais e isso só pode ser feito pelo socialismo. É por este mundo que os comunistas da Tendência Marxista Internacional estão a lutar. Livrar-nos-emos da política cínica e sangrenta de Henry Kissinger e da sua laia e criaremos um mundo que aproveitará o melhor da humanidade. Parafraseando Trotsky, os Kissingers do mundo serão relegados para o caixote do lixo da história.

Join us

If you want more information about joining the IMT, fill in this form. We will get back to you as soon as possible.