O homem mais rico do Egito diz: “A vida deve continuar” – seus trabalhadores divergem

O homem mais rico do Egito provocou indignação ao sugerir que “a vida deve continuar” após a pandemia de coronavírus: ou seja, que os negócios devem retomar o mais rápido possível, seja isso seguro ou não para os trabalhadores, a fim de manter os lucros. Isso revela o total desprezo da burguesia egípcia em relação às pessoas comuns, cuja raiva de classe está borbulhando logo abaixo da superfície.


O bilionário egípcio Naguib Sawiris, magnata das telecomunicações, faz parte da família mais rica da África. Sua fortuna publicamente conhecida de US$ 3 bilhões é, na realidade, uma enorme subestimação, especialmente quando se considera suas participações em conglomerados da construção e empresas químicas registradas sob o nome de seus irmãos.

Com uma riqueza pessoal incalculável, ele pode viajar pelo mundo à vontade, recebendo os melhores cuidados médicos privados que o dinheiro pode comprar sem pensar duas vezes. Se um bloqueio total fosse imposto no Egito, ele ficaria confortavelmente confinado nos terrenos de uma de suas muitas mansões e todas as suas necessidades atendidas – a uma distância segura, é claro – por dezenas de criados. Para se movimentar com mais liberdade, ele pode preferir passar a quarentena em El-Gouna, a luxuosa cidade turística de seu irmão Samih, no Mar Vermelho. E se as coisas ficassem realmente feias no Egito, ele sempre poderia se mudar para seu apartamento de luxo de 37 milhões de libras em Knightsbridge – como ele fez durante a Revolução Egípcia – ou para a cobertura de Manhattan que ele comprou em 2014 por um preço recorde de US$ 70 milhões. É claro que Londres e Nova York também estão sendo devastadas pela maior crise global de saúde há mais de um século e pela crise mais profunda da história do capitalismo. Mas em ambos os lugares, ele observaria o caos e a devastação de uma distância segura, com todas as suas próprias preocupações reduzidas pelos bilhões guardados em segurança em suas contas bancárias, fora do alcance e da imaginação de milhões de egípcios comuns sobrevivendo com US$ 100 por mês.

Não é de surpreender, portanto, que Naguib Sawiris não entenda as razões de toda essa confusão em relação à Covid-19. No início de março, o governo egípcio começou a anunciar medidas preventivas em meio a temores de uma grande crise de saúde, em um país onde um dia em um hospital público poderia custar dez dias de trabalho a um trabalhador que recebe um salário mínimo e onde infecções respiratórias mais comuns, doenças renais e hepatite estão entre os dez maiores assassinos. Esse foi o sinal para Sawiris lançar uma campanha de tweets provocativos dos quais Donald Trump teria orgulho:

“Tomei uma decisão, não quero mais ouvir ou falar sobre o coronavírus … É inacreditável. Vamos parar de viver porque temos medo de um vírus? ”

Seus comentários imediatamente provocaram indignação nas mídias sociais, embora na época o Egito tivesse apenas alguns casos confirmados do coronavírus. A maioria dos egípcios estava mais interessada nas imagens horríveis que estavam vendo da situação em desenvolvimento na Itália do que nas afirmações infundadas de um bilionário distante. Sawiris não parou por aí, no entanto. Sua preocupação real, é claro, não era que a resposta ao vírus pudesse impedir que “nós” vivêssemos “nossas” vidas, mas impedir os trabalhadores de suas empresas de trabalhar – e, assim, impedi-los de gerar lucros.

Efetivamente, depois de fechar escolas e outras instituições públicas, o governo egípcio impôs o fechamento de todos os locais de trabalho não essenciais, incluindo os principais setores da indústria, como construção, varejo, turismo e hotelaria. Sawiris intensificou suas reclamações nas mídias sociais:

“Todos nós podemos pensar juntos, especialmente nossos colegas médicos, sobre como todos podemos voltar ao trabalho após esse período de quarentena, mesmo que o risco ainda esteja presente? Como manter distância e evitar apertar as mãos e higienizar os escritórios e locais de trabalho etc. A vida deve continuar!”

A nova capital

Ele então ameaçou abertamente demitir sua força de trabalho, incluindo milhares de trabalhadores da construção civil contratados para construir a nova capital administrativa do país. Essa ameaça em particular atingiu o coração do regime de Sisi. A construção de uma nova capital egípcia é o projeto da paixão de Sisi há algum tempo. Embora, por um lado, seja uma expressão da vã obsessão do presidente com seu próprio legado pessoal, o projeto reflete mais profundamente o medo que a classe dominante sente das massas egípcias – um dos legados duradouros da Revolução Egípcia.

Usando o pretexto do congestionamento no Cairo – que decorre do subfinanciamento crônico da infraestrutura nacional ao longo de décadas – o regime está deliberando mover partes importantes do aparato estatal o mais longe possível do epicentro revolucionário da Praça Tahrir. É claro que também haverá muito espaço para grandes bancos e empresas guardarem seus ativos, e gatos gordos como a família Sawiris viverão na opulência, protegidos com segurança de qualquer greve ou protesto nas ruas. Esse é o distanciamento social dos ricos, enquanto os trabalhadores egípcios sofrem ainda mais dificuldades nas cidades superlotadas, empilhados em prédios de apartamentos instáveis, lançados a baixo preço, sem planejamento, por gente criminosa. As estradas e os sistemas de transporte em mau estado continuarão sendo o flagelo mortal dos centros urbanos, e grande parte do Egito rural continuará sofrendo sem sistemas de esgoto higiênicos e suprimentos de energia adequados.

Dias depois das ameaças de Sawiris, foi anunciado que o trabalho de construção da nova capital continuaria. Os trabalhadores seriam trancados nas instalações, para reduzir o risco de levarem a doença para outros lugares. Não importa que a permanência de milhares e milhares de pessoas trabalhando juntas em estreita proximidade, com pouco ou nenhum acesso a assistência médica, signifique que qualquer surto de coronavírus possa levar a um enorme número de mortos.

Os trabalhadores não aceitaram isso sem reagir. O vídeo abaixo mostra uma parada de trabalho no local da nova capital, durante a qual os trabalhadores enfrentam os capatazes e os gerentes do local:

 

Existe uma preocupação particular de que um caso de coronavírus tenha sido descoberto no local. Um gerente tenta acalmar os trabalhadores com a réplica frágil de que “nada foi confirmado“. Um dos líderes dos trabalhadores ameaça denunciar a situação ao Ministério do Trabalho. Uma resposta zombeteira o encoraja a fazê-lo: “veja o que vai acontecer quando você o fizer“. Isso só provoca mais raiva entre a força de trabalho, antes que eles deixem o local para iniciar uma greve.

Longe de ser um refúgio seguro para a classe dominante egípcia, muito antes de ser concluída, a nova capital administrativa poderia se tornar um centro de luta de classes feroz. Devido às condições de confinamento no local e às medidas de censura no Egito, é difícil obter atualizações sobre a situação. No entanto, se a agitação entre a força de trabalho continuar como está previsto, pode se tornar um exemplo brilhante a seguir para o restante da classe trabalhadora egípcia – particularmente à medida que a disseminação da Covid-19 se ampliar em todo o país.

A máscara cai

O interesse da família Sawiris na construção da nova capital do Egito é apenas uma de suas muitas fontes de lucro. Mesmo que o pagamento maciço do governo que ele receberia fosse poupado das restrições da pandemia naquele caso em particular, ele ainda teria muitos outros com que se preocupar. E assim, ele continuou insistindo que nenhum dos funcionários de suas empresas impedidos de trabalhar seria pago e manteve ameaças de demiti-los totalmente. A fúria gerada nas mídias sociais é sem precedentes.

Vale a pena notar que Naguib Sawiris fingiu apoio às massas egípcias durante grande parte do período revolucionário de 2011-2014. Ele ecoou vagos pedidos de “democracia” em 2011 e 2012. E, como um grande burguês originário de uma família cristã copta, comemorou quando a Irmandade Muçulmana Islâmica – cuja ala adventícia da burguesia egípcia tentou usurpar os poderosos tradicionais – foi derrubada por um movimento de massas em 2013. Certos elementos confusos, ingênuos e totalmente reacionários da liderança da própria revolução sustentaram Sawiris e outros “democratas” burgueses como aliados exemplares em uma luta comum. Essa abordagem colaboracionista de classe gerou enorme confusão entre as massas, o que levou a maiores ilusões no regime de Sisi e, finalmente, à desmoralização em massa quando não se produziu uma verdadeira democracia econômica e política. Até os direitos democráticos burgueses básicos, que Sawiris alegava apoiar, mostraram-se totalmente ilusórios. Mas, agora, quando um regime, que está à sua disposição, entrincheirou-se em segurança no poder, a democracia não é mais uma preocupação para ele.

A questão da Covid-19 expôs completamente os grandes capitalistas de todo o mundo, mostrando o que eles realmente são. Para as massas egípcias, agora não há mais possibilidades de Naguib Sawiris aparentar ser um potencial aliado ou apoiador. Ele é um parasita impiedoso que acumula dinheiro e vive às custas da classe trabalhadora. Ele é o primeiro na lista de inimigos a serem combatidos de frente. Por trás dele existem vários fantoches na mídia burguesa, como uma atriz que sugeriu que qualquer pessoa que mencionasse a situação dos trabalhadores sazonais merecia um tapa na cara. A reação que esses porta-vozes covardes da classe dominante e de seus patrões estão enfrentando é feroz.

Naguib Sawiris ficou tão visado pela raiva que provocou que uma doação de 100 milhões de libras egípcias (apenas US$ 6 milhões) para a fundação de sua família visando o “desenvolvimento social”, o que normalmente seria suficiente para conquistar algumas camadas do público, não alterou nada . No final, ele teve que concordar em pagar aos trabalhadores que não podiam trabalhar devido ao auto-isolamento 50% de seus salários. Ele explicou que isso significava que estava “compartilhando o sacrifício igualmente”. Desafia a compreensão como um homem que toma a metade do que é recebido por milhões de trabalhadores pode afirmar que esse foi um “sacrifício” equitativo. Como questionou uma pessoa on-line: “Isso significa que também compartilhamos seus lucros?

Consciência de classe

Uma postagem viralizou, calculando que, se Sawiris queimasse todo o seu dinheiro em notas de 200 EGP [libras egípcias], uma de cada vez, ele as continuaria queimando durante 200 anos. De fato, apenas sua fortuna pessoal declarada poderia pagar os salários de 2 milhões de egípcios por um ano se a economia fechasse completamente.

A consciência de classe está se desenvolvendo a passos de gigante no Egito, devido ao exemplo dado por Naguib Sawiris, juntamente com outros burgueses egípcios, colocando seus lucros acima da vida de seus trabalhadores. E, à medida que os impactos da pandemia piorarem no Egito, as massas egípcias estarão cada vez mais próximas de se rebelar novamente.

Tal como está, o governo egípcio anunciou uma lista de setores econômicos e indústrias que devem ser fechados enquanto a pandemia do vírus avança, e muitas das empresas de Naguib Sawiris estão explicitamente excluídas dessa lista. Essa situação revela que, no fundo, o que governa o Egito não é um presidente forte, mas um capital financeiro frio e cruel. Todas as medidas repressivas adotadas por sucessivos regimes na última década defendem, em última instância, a causa do capital.

De fato, o que ficou bastante claro durante a crise atual, no Egito e em outros países, é que existe uma pequena fração da sociedade vivendo nas costas dos trabalhadores, não contribuindo com nada e, ativamente, retendo recursos vitais para as necessidades humanas. Além disso, vimos que meramente pensar que os trabalhadores precisam parar de trabalhar faz com que a classe dominante se assuste diante dos governos nacionais. Isso expõe onde está o verdadeiro poder da sociedade. Que o regime de Sisi e os capitalistas tremam à medida que a classe trabalhadora egípcia começa a se dar conta de seu poder!