O crescente surto de descontentamento nas forças armadas dos EUA

A crise do coronavírus está criando dissidência nas fileiras das forças armadas. Este é um desenvolvimento preocupante para a classe capitalista e um indicador de desenvolvimentos explosivos no horizonte.


[Source]

É uma característica bem comum da história revolucionária que os soldados e marinheiros que formam as forças armadas possam ser afetados pelo clima geral da sociedade e desempenhar um papel fundamental na luta de classes. Os reduzidos espaços dos navios de guerra da Marinha foram comparados a “fábricas flutuantes” e, dado o histórico proletário da maioria de suas tripulações, essas condições podem gerar um feroz ódio de classe.

Adicione um vírus mortal a essa mistura já volátil e o cenário está pronto para uma explosão social.

No final de março, após uma parada no porto de Hanói, um surto de Covid-19 começou a devastar a tripulação do porta-aviões da classe Nimitz da Marinha dos EUA, o USS Theodore Roosevelt. As medidas de segurança de rotina não foi páreo para o vírus em um navio com 4.500 marinheiros interagindo em locais próximos. Em 31 de março, cerca de 200 membros da tripulação haviam testado positivo para a Covid-19 – um número que continuaria se multiplicando nas semanas seguintes.

Diante de uma situação desesperada, o capitão Brett Crozier, comandante do navio, enviou uma carta aberta ao Departamento da Marinha, exortando-os a autorizar medidas de quarentena em terra e a fornecer mais apoio aos membros do Roosevelt que haviam contraído a enfermidade. De fato, o Roosevelt foi forçado a fazer uma escala portuária antecipada na Base Naval dos EUA em Guam devido à propagação das infecções. A carta vazou para o San Francisco Chronicle, envergonhando e enfurecendo os líderes militares no Pentágono.

A resposta da Marinha não foi favorável. Em 2 de abril, Thomas Modly, o então secretário em exercício da Marinha, demitiu Crozier do comando e ordenou que ele fosse retirado do navio. Foi postado um vídeo on-line de Crozier deixando o navio, com a tripulação do Roosevelt no convés aplaudindo-o e cantando seu nome. Para a tripulação, serem defendidos por um oficial que se posiciona no comando em um nível tão alto é quase inédito. Então, Modly, que anteriormente fazia parte da Junta Comercial de uma empresa de consultoria de defesa, com ativos da ordem de US$ 42 bilhões, voou até Guam – a um custo relatado de US$ 243 mil – para repreender pessoalmente à tripulação, chamando-a de “estúpida”, e ao capitão Crozier, chamando-o de “ingênuo.” Sua repreensão, cheia de palavrões, também foi divulgada por membros da tripulação.

Modly foi interrompido de forma desafiadora pelos marinheiros e, após os protestos públicos que se seguiram, ele renunciou em 7 de abril. Até a publicação deste artigo, havia mais de 1.100 casos positivos de Covid-19 entre a tripulação do Roosevelt – incluindo o próprio Crozier . Um dos membros da tripulação, um aprendiz de marinheiro alistado, faleceu. A tripulação continua definhando no porto à medida que a terrível previsão de Crozier se tornava realidade. Essa saga de comandantes de alto escalão, que ignoram as advertências das pessoas “no terreno”, é familiar demais para os militares das fileiras.

Colapso moral, crescente descontentamento

O desafio em público a Thomas Modly foi um evento significativo. Não importa o quão impopular seja o comandante, os que participam do serviço militar quase sempre “sentam e aceitam“, tanto por um senso de profissionalismo, quanto por medo de punição. A resposta da tripulação do Roosevelt reflete a atitude de uma população no limite e fornece um instantâneo do crescente descontentamento entre as fileiras dos “corpos especiais de homens armados do imperialismo americano“.

O moral em declínio já era um processo em desenvolvimento antes do início da pandemia. À medida que as intervenções estrangeiras de combustão lenta, as guerras por procuração e as táticas imperiais da classe dominante dos EUA se arrastam sem parar, o apoio a esses empreendimentos imperialistas despencou entre as fileiras. Um estudo de 2019 mostrou que 51% dos membros do serviço ativo queriam deixar as forças armadas e apenas 45% recomendariam a outros se juntar. Um total de 64% dos veteranos dos EUA dizem que as guerras no Iraque e no Afeganistão “não valeram a pena“. Um número crescente de veteranos e membros do serviço ativo está começando a se manifestar contra as guerras e, à medida que novas frentes no jogo do xadrez imperialista se abrem na África e em outros lugares, incidentes como esse no Roosevelt só aumentam.

O imperialismo norte-americano tem atualmente mais de 200 mil soldados no exterior, estacionados em cerca de 800 bases. Em tempos normais, há cerca de 5.260 voos militares diários. Isso inclui missões de combate e de transporte de carga, mas também movimentos de pessoal. Esses são vetores importantes para a transmissão mundial de doenças – e um fator importante na crise climática.

De fato, um relatório surpreendente da Brown University concluiu:

“Desde a invasão do Afeganistão em 2001, os militares dos EUA emitiram 1.212 milhões de toneladas métricas de gases de efeito estufa. Somente em 2017, as emissões de CO2 totalizaram 59 milhões de toneladas – mais do que em muitos países industrializados, como Suécia e Suíça … A guerra e a preparação para ela são atividades intensivas no consumo de combustíveis fósseis e, além de ser o maior consumidor de energia nos EUA, o Departamento de Defesa é o maior consumidor institucional de petróleo do mundo”.

Embora tenham sido dadas ordens para interromper a maioria das viagens não essenciais e pessoais, as orientações atuais não suspendem as operações essenciais à missão. Ainda estão sendo realizados voos, e o fluxo de novos recrutas para as bases de treinamento básico – mais lenha para a fogueira – não parou. A maquinaria do imperialismo continua.

Em outro incidente menos divulgado, soldados estacionados na Base Conjunta Lewis-McChord, no estado de Washington, vazaram para o Army Times que ainda estavam sendo obrigados a realizar exercícios, formações e treinamentos de campo – amontoados 20 em cada tenda – em violação às diretivas do Departamento de Defesa. A atenção da mídia acabou forçando a base a suspender o treinamento.

Os comentários de soldados comuns e oficiais de baixa patente apresentados no artigo do Army Times mostram o descontentamento e o medo generalizados, que se espalham nas fileiras das forças armadas diante da incapacidade dos líderes militares de tomarem medidas efetivas contra a propagação do vírus:

“Não há muita conscientização sobre a saúde por aqui. Ainda estamos amontoados dentro de tendas, com centenas de pessoas dormindo a um ou dois metros um do outro. Usando latrinas sem sabão para as mãos.”

“Está frio aqui, então fazemos arranjos internos em espaços fechados que violam claramente a recomendação de distanciamento social”.

“Dois dos meus soldados tiveram contato direto com alguém [cujo] cônjuge deu positivo e nada mudou”.

“[Os líderes militares] estão paralisados pela indecisão. São poucos os líderes que estão dispostos a tomar decisões razoáveis de bom senso para limitar o risco aos soldados. Eles se omitem e esperam que um comando mais alto tome a decisão por eles”.

“Expressei minha preocupação à minha cadeia de comando, que me respalda, mas, quando chega ao nível do [batalhão], é simplesmente descartada”.

O artigo também relatou o caso de uma unidade aérea do Exército sendo orientada a se preparar para transportar pacientes com Covid-19 para hospitais, sem receber máscaras, desinfetantes ou quaisquer orientações médicas:

“‘Em vez de máscaras, as tripulações foram instruídas a limitar a quantidade de conversas perto de qualquer paciente e abrir as janelas ou tirar as portas durante o voo’, disse o aviador; também não há planos para as tripulações de quarentena, caso estejam transportando repetidamente pacientes com coronavírus.”

No momento em que redigíamos este artigo, o Departamento de Defesa dos EUA registrava mais de 7 mil infecções entre seu pessoal militar e civil. Nas forças armadas, os membros do serviço ativo estão confinados em seus quartéis, dormitórios, navios ou em suas próprias casas. Os deslocamentos foram adiados e as Atribuições de Serviço Temporário foram canceladas à medida que as bases promovem maiores precauções de saúde – apesar disso, os casos continuam a aumentar.

Fissuras de classe reveladas

Nessas condições de disfuncionalidade e descontentamento, os líderes militares são, sem dúvida, assombrados pelo fantasma da Queda de Saigon – cujo 45º aniversário se deu recentemente – que marcou a derrota dos EUA no Vietnã em meio a motins generalizados e à resistência dos soldados. No curso dessa guerra, o Pentágono documentou meio milhão de casos de deserção e pelo menos 900 incidentes de “fragmentação” – o assassinato deliberado de oficiais por soldados.

Guarnições inteiras tiveram que ser desarmadas pela polícia militar, e a guerra terrestre se desintegrou como resultado da recusa dos soldados a seguir ordens e da resistência ativa à liderança. Foi um exemplo de como as forças armadas podem desmoronar ao longo das linhas de classe em circunstâncias específicas, dada a presença de fatores como um poderoso movimento anti-guerra na população em geral, combinado com altas taxas de mortalidade em combate e recrutamento.

Como resultado, o Pentágono tirou certas conclusões e todo o exército foi reestruturado na tentativa de interromper uma repetição desses eventos. Os militares não são mais constituídos por recrutas, a maioria das missões de combate é realizada por forças especiais ou drones, e as informações são efetivamente tornadas palatáveis e mantidas fora da vista do público. E, no entanto, apesar dessas medidas, a oposição dos membros do serviço ativo às guerras atuais tem aumentado, principalmente entre os veteranos. E embora ainda tenha que se aproximar dos níveis de descontentamento observados durante o Vietnã, a revolução é um processo molecular, e mudanças graduais na quantidade podem levar a mudanças repentinas na qualidade.

Apesar dos métodos de doutrinação dos militares – projetados para imbuir os soldados de uma perspectiva que os diferencie da população civil em geral – o fato é que a grande maioria das fileiras das forças armadas provém da classe trabalhadora. Um total de 62% dos inscritos e vêm de famílias que ganham menos de US$ 60 mil por ano, sendo que 40% dos militares dos EUA não são brancos e apenas 9% possuem diploma de bacharel ou grau associado – em comparação com 45% na população em geral.

Em muitos casos, os soldados são recrutados sobre a base predadora do “projeto da pobreza”, com a promessa de renda estável, moradia, assistência médica, oportunidades de educação e uma fuga das privações do capitalismo. Mas a natureza vazia dessas promessas é revelada pelas taxas de desabrigados e doenças mentais entre os veteranos.

Um em cada quatro membros do serviço militar foi diagnosticado com alguma doença mental. Entre os veteranos, isso não é meramente resultado do Transtorno do Estresse Pós-Traumático. É também, em grande parte, um produto de ter sido tirado de seu ambiente familiar e agressivamente “marginalizado”, propositalmente alienado do corpo civil em geral – para serem modelados como executores mais eficazes do capital.

A brutalidade desse aparato imperialista transforma algumas pessoas em monstros e outras em cascas vazias, incapazes de se adaptar à exploração socializada de uma economia capitalista em crise quando saem do serviço. Essa é apenas mais uma maneira pela qual os trabalhadores, os pobres e os jovens são sacrificados no altar dos lucros capitalistas – em casa e no exterior. Mas se há uma lição a ser tirada da história revolucionária do mundo ao longo do século passado, é que, uma vez que a consciência das massas é infectada com o espírito da revolução, todas as instituições são afetadas.

Uma época da revolução mundial

Repetidas vezes o fermento revolucionário na sociedade se espalhou para as fileiras das forças armadas, que não podem deixar de se identificar com movimentos de massa compostos por pessoas com quem cresceram, suas famílias, amigos e vizinhos. Particularmente quando a classe dominante opta por responder a uma convulsão social com repressão violenta, esse pode ser o “ponto de partida” que provoque um colapso completo da cadeia de comando.

Isso ficou evidente na Primavera Árabe de 2011 na Tunísia e no Egito, onde houve relatos generalizados de confraternização entre as fileiras do exército e as pessoas nas ruas. Em muitos casos, o exército protegia os manifestantes contra ataques policiais. Precisamente as mesmas cenas se repetiram no ano passado nos movimentos revolucionários de massa no Sudão e no Equador.

Mais do que nunca, a classe dominante está profundamente ciente do risco crescente de conflito aberto de classe. De acordo com um “Political Risk Outlook” publicado pela empresa de consultoria estratégica Maplecroft, um quarto dos países da superfície da Terra experimentou uma onda de distúrbios civis, protestos em massa e situações revolucionárias no ano passado. O resumo do relatório foi concluído descrevendo 2019 como a “nova normalidade”:

“A raiva reprimida que se transformou em protestos de rua no ano passado pegou a maioria dos governos de surpresa. Os formuladores de políticas em todo o mundo reagiram principalmente com concessões limitadas e com a repressão das forças de segurança, mas sem abordar as causas subjacentes. No entanto, mesmo se resolvidas imediatamente, a maioria das queixas está profundamente arraigada e levaria anos para ser resolvida. Com isso em mente, é improvável que 2019 seja uma exceção. Os próximos 12 meses provavelmente renderão mais do mesmo, e as empresas e os investidores terão que aprender a se adaptar e conviver com essa ‘nova normalidade’”.

Recentemente, a Bloomberg publicou um artigo de opinião sob a manchete: “Esta pandemia levará a revoluções sociais” como um aviso direto à classe dominante sobre o que a aguarda após o período de quarentena:

“Em particular, a Covid-19 agrava as condições preexistentes de desigualdade onde quer que chegue. Em pouco tempo, isso causará turbulência social, incluindo revoltas e revoluções … por trás das portas das famílias em quarentena, nas longas filas de cozinhas das sopas para os pobres, nas prisões e favelas e campos de refugiados – onde quer que as pessoas estivessem famintas, doentes e preocupadas mesmo antes do surto – estão se formando tragédias e traumas. De uma maneira ou de outra, essas pressões explodirão”.

Essa “pressão em construção” não se limita de maneira alguma às partes mais pobres do mundo oprimidas pelo imperialismo estrangeiro. O Pentágono também está avaliando suas opções para enfrentar o aumento eventual e inevitável da agitação civil nos EUA, dados os cenários semelhantes à Depressão no horizonte. Fala-se até em se ativar a Lei da Insurreição, aprovada na sequência do furacão Katrina, para permitir que as forças militares imponham diretamente a ordem em situações domésticas em que a operação normal da aplicação da lei entre em colapso.

O que tudo isso significa para os socialistas revolucionários? É um lembrete de que a próxima década não se parecerá com a década que se seguiu à crise de 2008. Não podemos tratar a revolução como se fosse uma característica de períodos passados da história. Vivemos hoje em uma época de revolução mundial e devemos nos preparar adequadamente, construindo uma liderança marxista que possa criar raízes na classe trabalhadora e transmitir um programa socialista o mais amplamente possível – inclusive entre as fileiras dos militares – como preparação para as lutas históricas de classe por vir.