As nacionalizações na Venezuela: o que significam para os socialistas

Portuguese translation of Venezuelan nationalisations - What do they mean for socialists? by Alan Woods (May 18, 2007)

O anúncio das medidas de nacionalização na Venezuela serão saudadas com entusiasmo por trabalhadores em todos os países. Isto representa um enorme passo em frente para revolução venezuelana, ao mesmo tempo que desfere um sério golpe no capitalismo e no imperialismo. Imediatamente depois de assumir novamente o cargo de presidente, Chavez anunciou um extenso programa de nacionalizações: "Tudo o que foi privatizado será renacionalizado" - assegurou ele. Até agora tem cumprido a palavra.

 

Nacionalizações na indústria petrolífera e noutros sectores

 

No 1º de Maio, as últimas empresas petrolíferas privadas no país foram tomadas e diante dum enorme e rejubilante mar de trabalhadores assegurou "esta é a verdadeira nacionalização dos nossos recursos naturais... hoje encerramos um ciclo".

A "Cintura de Orinco", na qual se encontram importantes reservas petrolíferas, era anteriormente controlada por seis companhias estrangeiras: as americanas Conoco Phillips, Chevron e Exxon, a BP inglesa, a norueguesa Statoil e a francesa Total.

Agora, pelo menos 60% da prospecção será controlada pela empresa estatal PDVSA e os respectivos ganhos ficarão na Venezuela. Negociações continuam acerca da indemnização pela expropriação das refinarias e poços de extracção. E a questão coloca-se: será permissível, dum ponto de vista marxista, pagar indemnizações pela nacionalização das companhias?

Isso depende dum enorme número de factores. No princípio dos anos 20 do século passado, Lénine estava preparado para oferecer concessões a capitalistas estrangeiros de modo a poder desenvolver a Sibéria, coisa que a jovem União Soviética não tinha condições de o fazer. Houve mesmo conversações com capitalistas americanos sobre esse projecto, mas que não deram em nada, porque os imperialistas queriam (mesmo!) era destruir o estado soviético e não negociar com ele.

A questão da indemnização tampouco é uma questão de princípio. Marx levantou a possibilidade de pagar compensações aos capitalistas na Inglaterra, para assegurar uma expropriação pacífica das empresas, minimizando os riscos de violência! Todavia, o que não é aceitável é a ideia reformista de comprar as empresas ao preço de mercado, isto é, segundo a cotação em bolsa, pois tal tornaria impossível todo o projecto de nacionalizações!

Um possível slogan seria: "nacionalização com uma indemnização mínima, apenas na base da necessidade comprovada". Deste modo, seria paga uma justa compensação aos pequenos accionistas (para não alienar a pequena-burguesia), sem alimentar os abutres capitalistas.

O governo venezuelano apenas considerou acordos baseados no valor do capital inicial investido, ao invés da actual valorização em bolsa. Em princípio, isto seria aceitável, visto a Venezuela ter imensos recursos e estar em condições de pagar - na condição, claro, das indústrias serem entregues sem demora e sem sabotagens. Mas isto será extremamente duvidoso de vir a ser aceite pelos imperialistas e grandes multinacionais. Por isso mesmo, fontes governamentais já fizeram saber que, nalguns casos, poderá não haver indemnização alguma!

"Especialistas" estrangeiros garantem que será muito difícil à PDVSA gerir os novos poços de petróleo, pois sem a experiência e o "Know How" das empresas privadas, a produção cairá... Na prática, tais "especialistas" dão-nos a mesma música de sempre. A burguesia jamais aceitará a possibilidade da economia ser administrada sem o concurso e assistência dos banqueiros e empresários - aceitar isso seria reconhecer o seu papel parasitário. ...

Porém, a história demonstra-nos o contrário! A experiência do primeiro plano quinquenal na ex-URSS provou, em plena grande depressão capitalista dos anos 30, que não apenas é possível gerir um país sem os capitalistas e patrões, mas também que uma economia planificada com base na propriedade social dos meios de produção, mesmo que gerida burocraticamente, pode dar excelentes resultados.

Durante anos os propagandistas do Capital têm assiduamente difundido o mito de que o capitalismo funciona melhor do que uma economia planificada e, do mesmo modo, espalham o conto de fadas de que a longo prazo, as maravilhas do mercado resolverão todos os problemas... Todavia... a longo prazo estaremos todos mortos!

Um simples exemplo histórico desmente as ideias centrais dos ideólogos capitalistas: durante a Segunda Guerra Mundial, quando a Inglaterra se encontrou isolada perante Hitler, que fez a burguesia inglesa? Será que decidiram deixar tudo nas mãos da iniciativa privada e na "auto-regulação" do mercado? Mão! Centralizaram a economia, introduziram elementos de planificação e até nacionalizaram certas indústrias directamente ligadas ao esforço de guerra. E porque é que fizeram isso? Porque deu melhores resultados...

Mas na Venezuela, não se encontra em cima da mesa apenas a nacionalização dos recursos e infra-estruturas do sector petrolífero. Na lista estão incluídas a CANTV (a principal companhia telefónica) e o maior abastecedor de electricidade do país, a Electicidad de Caracas. Cimenteiras e indústrias siderúrgicas estão a ser ponderadas e, mais importante ainda... Os bancos!

O sector bancário julgava-se imune, mas Chavez já avisou que "a banca privada deve dar prioridade ao financiamento industrial a juros baixos. Se a banca não concordar com isto, nacionalizaremos os bancos para que auxiliem o desenvolvimento do país ao invés de especularem e arrebanharem enormes lucros".

Mesmo que não recorra à nacionalização, diz-se que o governo irá introduzir reformas no sector, que podem incluir um tecto para os lucros (tudo o que ultrapassasse essa barreira seria destinado a programas de desenvolvimento social), mecanismos de fixação das taxas de juro e de imposição de créditos para determinados fins (investimento, consumo, etc.).

Mesmo que Chavez adie a nacionalização da banca, a introdução destes mecanismos tornaria a gestão capitalista da banca impossível e, por isso e no fim, acabará inevitavelmente na nacionalização do sector. A nacionalização da banca é absolutamente decisiva para a Venezuela definitivamente romper com o capitalismo. Os bancos são um instrumento essencial para a economia: o seu controlo deve estar nas mãos do Estado: permitirá, assim, a transferência de recursos financeiros de acordo com as necessidades gerais da sociedade e não para o enriquecimento de uns poucos parasitas milionários.

E a não ser que o poder económico seja retirado das garras da oligarquia, a revolução bolivariana não atingirá o ponto de não retorno e os seus ganhos sociais não estarão completamente a salvo...

Há um velho ditado que diz "a fome chega sempre na hora de comer". Um número cada vez maior de trabalhadores venezuelanos está exercendo pressão pelo controle operário e a nacionalização das empresas.

Este é o caso de Inveval, ocupada e gerida com êxito pelos próprios trabalhadores. O mesmo sucede em Sanitários Maracay. Estas e outras fábricas organizaram a FRETECO (Frente Revolucionária de Empresas em Cogestão e Ocupadas) cuja influência está em crescendo ao tempo que promove uma campanha pela nacionalização das empresas.

"Tudo o que foi privatizado que seja nacionalizado!" - as recentes declarações do presidente darão um maior impulso a este movimento.

SIDOR é a maior siderurgia da região andina com uma capacidade de produção de 4,2 milhões de toneladas por ano. SIDOR produz cabos e canos, incluindo todo o tipo de tubagens utilizada pela indústria petrolífera e, segundo os dados da própria empresa, 63% da produção destina-se ao consumo doméstico e 36% à exportação.

A empresa foi uma empresa estatal desde a sua criação (em 1953) até ao ano de 1998, quando foi privatizada. 60% das acções foram adquiridas por um consórcio chamado "Amazónia" formado por empresas argentinas, mexicanas, brasileiras e venezuelanas. O governo entregou 20% das acções aos trabalhadores da empresa e ficou com os restantes 20%.

Pois bem, nos últimos dias os trabalhadores vieram a exigir a nacionalização completa da empresa! Realizaram protestos, bloquearam o tráfego e barricaram a entrada da siderurgia.

Chavez anunciou que nacionalizaria a empresa se esta não cumprisse com as necessidades da indústria petrolífera nacional ao invés de privilegiar a exportação - como sucede.

"Como trabalhadores, estamos exigindo uma resposta definitiva para a situação - disse um dirigente sindical a uma estação de rádio local. O porta-voz do sindicato afirmou também que os trabalhadores se pronunciaram favoravelmente à proposta de Chavez.

E não se pode estranhar! Quando foi privatizada, SIDOR possuía 11.600 trabalhadores, mas hoje laboram apenas 5.700 que "são explorados ao máximo sem nenhum tipo de benefícios" - acrescentou o representante sindical afirmando que "não estamos divididos, mas sim em completo e total acordo com a ideia do presidente em adquirir o controle da empresa para que esta seja posta sob controlo dos trabalhadores".

 

A campanha de mentiras da "livre" imprensa

 

Como é evidente, estes anúncios de nacionalização ampliaram os ecos caluniosos da imprensa burguesa, aterrorizada com a "deriva totalitária" e a "ditadura comunista" que garantem estar em marcha na Venezuela!

Isto é tanto mais hipócrita, quanto sabemos que Chavez ganhou todas as eleições democraticamente organizadas no país desde 1998, ao passo que a dita "oposição democrática" foi quem deitou a "legalidade" às urtigas e organizou o golpe de estado de 2002 e o lock-out patronal de 2003. Não fossem as massas chavistas a deterem as golpadas da oligarquia e hoje haveria uma ditadura sangrenta na Venezuela ao "melhor" estilo Pinochet. E nós bem sabemos como durante meio século, a "livre" imprensa internacional não verteu uma única lágrima pelos crimes da ditadura fascista de Salazar e Caetano..."

Particularmente repugnante é a reacção dos meios de comunicação social sobre a revolução venezuelana. Por todo o mundo, por exemplo, todos os canais de televisão, jornais, revistas, etc., emitem contínuas e ruidosas reportagens sobre o cancelamento da licença de emissão da RCTV (televisão privada) apresentando-a como um ataque à "liberdade de expressão".

Este canal de televisão passou anos a transmitir uma atroz propaganda contra o governo bolivariano, incluindo ataques pessoais ao presidente Hugo Chavez repetidamente caluniado como um lunático e coisas piores... Têm feitos reiterados apelos ao derrube violento do governo e, inclusive, chegaram a pedir a eliminação física de Chavez.

Não se trata dum grupo inocente de jornalistas a defender a liberdade de imprensa. Pelo contrário, a empresa RCTV foi durante muito tempo o centro duma conspiração contra-revolucionária para destabilizar o país e derrubar um governo livremente eleito pelo povo.

Em Abril de 2002, foi mesmo o centro conspirativo do golpe militar contra Chavez, apelando aos venezuelanos que apoiassem a golpada e difundindo falsas notícias sobre massacres perpetrados por forças leais ao governo legítimo! Negaram-se categoricamente a permitir que os ministros tivessem voz e defendessem os seus pontos de vista e quando o povo saiu à rua e cercou os quartéis insurrectos, transmitiram desenhos animados.

Foi assim que aplicaram a "liberdade de imprensa! A RCTV mais não tem sido do que um instrumento da oligarquia venezuelana e da CIA. Pelo seu comportamento verdadeiramente criminoso - onde esteve a "ética deontológica" nesses momentos decisivos? -, em qualquer outro país teria a emissora de televisão sido liminarmente encerrada e os seus responsáveis levados a tribunal! Na Venezuela ninguém foi preso - e havia boas razões para tal... - e permitiu-se que a emissora continuasse a difundir a peçonha do seu veneno até que a licença para o fazer expirou.

Correctamente, as autoridades negaram a renovação da dita licença e estavam no seu direito legal de o fazer! Isto é tudo: o resto é ruído e calúnia!

Por outro lado, a chamada "livre imprensa" nos países capitalistas mais não é, na realidade, do que a propriedade privada de um punhado de magnatas dos meios de comunicação como Rupert Murdoch ou - noutra escala - Francisco Pinto Balsemão.

Longe de serem os campeões empedernidos da liberdade de expressão, estes tubarões dos Média são os porta-vozes do imperialismo, dos banqueiros e dos grandes capitalistas. Defendem zelosamente o Status Quo, quer dizer, a escravização dos povos de todo o mundo às mãos dum punhado de parasitas. São os inimigos mais implacáveis da liberdade e do progresso por toda a parte.

Mas esta campanha histérica dos meios de comunicação contra a revolução venezuelana não conseguirá enganar os trabalhadores do mundo. Instintivamente estes compreendem que na Venezuela está em jogo uma luta de vida ou de morte entre classes antagónicas: veja-se o apoio popular de Chavez no seu recente périplo pela América Latina em comparação com os apupos, os tomates, as manifestações organizadas contra George W. Bush que visitava a região nesses mesmos dias...

E o que mais assusta os capitalistas é que o exemplo venezuelano está a contagiar a região. Por toda a América Latina, os trabalhadores, os camponeses e a juventude progressista olham para a experiência Venezuela como uma referência para a luta no seu próprio país.

 

Revolução Latino-americana

 

Por toda a América Latina as massas estão despertando. No Equador tivemos a eleição de Rafael Correa que pretende seguir o modelo de Chavez e neste momento, apoiado por 80% da população está mergulhado numa batalha contra o Congresso.

Na Bolívia, Evo Morales, animado pelas nacionalizações na Venezuela está a colocar em cima da mesa a nacionalização dos recursos naturais do país:"

Os governos neo-liberais entregaram colinas, rios e concessões mineiras. Devemos começar a recuperar essas concessões" - afirmou antes de iniciar o processo de nacionalização da indústria de gaz. Como na Venezuela, o governo boliviano enfrentou a feroz resistência da oligarquia apoiadas por Washington e as grandes empresas multinacionais.

Na Bolívia, a empresa estatal de energia YPFB afirmou que tomaria o controle da produção e distribuição do petróleo e gás do país. No 1º de Maio deste ano, Morales no seu discurso prometeu realizar um controle maior da economia e empresas estrangeiras:

"Se realmente queremos viver numa Bolívia dignificada, então devemos tomar o caminho do anti-imperialismo, do anti-liberalismo e do anti-colonialismo."

O governo esperava já ter terminado o processo de nacionalização do sector de telecomunicações, mas as negociações com a Telecom Italiana, que possuí metade da maior empresa de telecomunicações, arrastam-se. A Telecom italiana considera agora a possibilidade de recorrer a uma "arbitragem" internacional para a venda da ENTEL... Não há dúvida que os imperialistas recorrem a todo o tipo de truques e manobras para frustrar a vontade dos povos e sabotar as suas aspirações para recuperar o controlo dos seus recursos naturais!

Todavia, o movimento pelas nacionalizações continua a aumentar pelo continente, estimulado pelo exemplo venezuelano. Para Washington trata-se dum intento claro de Chavez para exportar a revolução.

O lançamento de Telesur, um canal de televisão para toda a América Latina emitindo desde Caracas para milhões de pessoas vai nesse sentido e é, sem dúvida, um contrapeso à influência da CNN porta-voz do imperialismo americano.

Por outro lado, o anúncio da saída da Venezuela do FMI e do Banco Mundial conjugado com o projectado "Banco do Sul" a ser suportado pelas reservas petrolíferas do país e perspectivando o financiamento de projectos por toda a América do Sul, representam um duro golpe no controlo quase total que os Estados Unidos exercem sobre o continente através destas instituições financeiras.

O exemplo é contagioso. Na Nicarágua Ortega está a negociar com o FMI "a saída do Fundo e da prisão da dívida"; no México o país está em ebulição desde há um ano, primeiro com o gigantesco protesto contra a fraude eleitoral e o levantamento de Oxaca e, agora com um amplo movimento grevista que, depois duma greve geral massiva, prepara a segunda... Para onde quer que nos voltemos, num país atrás de outro, há uma maré vermelha que se levanta.

Os estrategas do imperialismo chegaram às mesmas conclusões que os marxistas: as condições estão maduras para um movimento revolucionário geral em toda a América Latina que terá enormes consequências nos Estados Unidos e à escala mundial.

O centro da tormenta é a Venezuela onde, após uma década de lutas, a revolução aproxima-se do ponto de não retorno. Há uma boa razão para todos os ataques da imprensa internacional contra Chavez e o processo político venezuelano. Os imperialistas correctamente temem que a revolução na se detenha na fronteira e transborde para os países vizinhos. As últimas nacionalizações na Venezuela são um exemplo que outros querem seguir...

E as hipóteses do imperialismo travar a revolução venezuelana são bastante limitadas. No passado, talvez os Estados Unidos já tivessem enviado os marines para Caracas, mas nos dias que correm... enredados como estão numa guerra invencível e impopular no Iraque, isso não é possível! A oposição interna à actual guerra, crescendo a todos os níveis, conjugada com os custos humanos e financeiros cada vez mais intoleráveis, descartam a opção duma agressão militar à Venezuela até para um idiota como George W. Bush.

Resta a possibilidade de assassinarem Chavez e, certamente, a CIA tem vindo a planeá-lo desde há muito, mas também isso não estaria isento de sérios riscos para o Imperialismo... Provocaria indubitavelmente uma onda de protestos contra os Estados Unidos em todos os países desde o Rio Grande até à Terra do Fogo e na própria Venezuela conduziria ao provável corte de abastecimentos de petróleo e quiçá a mais enérgicas medidas contra os interesses dos Estados Unidos e da própria oligarquia local.

O rancor contra os Estados Unidos duraria gerações e levaria a novas insurreições e explosões num país após outro. As condições estão efectivamente maduras para um levantamento revolucionário em toda a América Latina.

 

E agora?

 

Chavez demonstrou que é possível aos revolucionários utilizar as instituições da democracia formal burguesa para mobilizar as massas na luta pela transformação da sociedade. Desenvolveu uma política inteligente que lhe permitiu ganhar uma eleição após outra, baseando-se num programa de reivindicações democrático-revolucionárias e de reformas que, ainda que não tenham superado o capitalismo, sim serviram para reunir e organizar milhões de trabalhadores e camponeses para mudar a sociedade.

Estas vitórias desmoralizaram e desmobilizaram as forças contra-revolucionárias. A oposição, que fez um esforço sério para mobilizar as suas forças e derrotar Chavez nas eleições presidenciais de Dezembro de 2006, está agora dividida e desorientada. O ambiente entre os "esquálidos" é de abatimento e derrota. A esmagadora vitória de Chavez (inclusive os "observadores" internacionais não se atreveram a questioná-la) dá-lhe força para impulsionar um programa socialista. Está a fazê-lo e merece o devido reconhecimento.

Todavia, a revolução ainda não alcançou um "ponto de não retorno", o ponto crítico em que a quantidade se converte em qualidade. Há ainda poderosas forças que tentam deter a revolução, debilitá-la e sabotá-la por dentro. As forças contra-revolucionárias burguesas são demasiado débeis para cumprir essa tarefa. Mas está executando-a a burocracia "bolivariana", a ala direita do movimento que representa a "quinta coluna" da contra-revolução dentro do movimento, que trabalha energicamente para isolar Chavez e sabotar os seus decretos.

A Venezuela ainda não rompeu com o capitalismo e está numa delicada situação a meio caminho, em cima do muro. Nisto há grandes perigos. É impossível fazer meia revolução. O perigo está em que, introduzindo algumas medidas de nacionalização e outras reformas progressistas, consiga que o funcionamento do capitalismo seja impossível, sem que em seu lugar estejam criados os mecanismos necessários de planificação e controle operário que são as condições prévias para uma economia socialista.

Há sinais preocupantes de que nem tudo vai bem na economia que ainda funciona no quadro da livre concorrência, isto é, capitalismo. E os capitalistas estão sabotando a economia com uma greve de investimentos, corrupção, obstrução burocrática, fuga de capitais...

Isto está a provocar a deterioração das finanças públicas, um abrandamento do crescimento económico e, também, a desvalorização do bolívar e uma persistente inflação - a mais alta da América Latina - que afecta sobretudo a população mais desfavorecida.

Damos o nosso apoio incondicional às medidas de nacionalização. Porém, ao mesmo tempo, devemos insistir que as nacionalizações devem ir de mãos dadas com o genuíno controlo e gestão democrática dos trabalhadores. A economia deve ser dirigida pelos trabalhadores e para os trabalhadores, tomando-se medidas para deter o controlo da burocracia.

Também devemos assinalar que o processo continua inacabado. É totalmente falso dizer, como dizem os burocratas e os reformistas, que a revolução deve avançar lenta e gradualmente para não ofender a burguesia nem provocar o imperialismo. A burguesia já está suficientemente ofendida e os imperialistas bastante provocados: eles odeiam a própria revolução desde o seu berço!

Adiar o inevitável confronto entre as classes só pode dar tempo às forças contra-revolucionárias para que se reagrupem e organizem novas conspirações contra a revolução. Mais dramaticamente ainda, ao permitir-se que os capitalistas continuem com a sua sabotagem, criando uma escassez artificial de produtos e desorganizando a produção, existe o perigo de que as massas finalmente se cansem de tantas privações (apesar dos avanços sociais da Revolução, MUITO ainda há que fazer) e caiam na apatia e na indiferença - afinal, a primeira eleição de Chavez foi já há quase 10 anos.

E isso é o que querem os reaccionários! Se a actual correlação de forças amplamente favorável à classe trabalhadora, neste momento, se alterar, a burguesia atacará de novo. Contam com muitos aliados ocultos no movimento bolivariano que querem deter a revolução e esperam a oportunidade de poder virar-se contra Chavez. O perigo está presente e, por isso mesmo, a raiz do problema deve ser atacada com urgência.

 

A Luta contra a burocracia

 

O destino final da revolução bolivariana decidir-se-á mediante a luta interna para afastar o movimento dos elementos estranhos à classe trabalhadora e transformá-lo num instrumento para mudar a sociedade.

O lançamento do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) dá aos trabalhadores, camponeses e jovens revolucionários uma possibilidade para fazer isto. Nós marxistas devemos fortalecer o partido e ganhar novas camadas de revolucionários. Devemos desmascarar e expulsar os elementos corruptos, arrivistas e burocráticos que se uniram ao movimento bolivariano apenas movidos pelos seus próprios interesses e que o atraiçoarão assim que a oportunidade se apresente.

O novo partido pode ser convertido num genuíno partido operário e revolucionário apenas se é escrupulosamente democrático. A base deve decidir todas as questões e a direcção deve ser eleita e revogável a qualquer momento, sendo composta por elementos de comprovada honestidade e dedicação à causa do socialismo e da classe trabalhadora.

Os sindicatos são o outro ponto-chave da equação. Os marxistas lutam pela unidade sindical, ao mesmo tempo que lutam por um movimento sindical democrático e militante. Os sindicatos devem apoiar as medidas progressistas do governo, especialmente as nacionalizações, devem lutar por estender todas as medidas que melhorem os níveis de vida das massas e que sejam golpes contra a oligarquia. Mas os sindicatos devem ter uma independência total do Estado. Apenas sindicatos livres e independentes podem defender os interesses dos trabalhadores, enquanto paralelamente defenderão o governo revolucionário dos seus inimigos.

Dum ponto de vista da classe trabalhadora, a importância destes acontecimentos é evidente. Desde a queda da União Soviética, a burguesia organizou uma feroz campanha contra as ideias do socialismo e do marxismo. Inclusive chegaram a proclamar o fim da história! Mas a história não acabou: com efeito, apenas acaba de recomeçar.

Depois de década e meia, os trabalhadores podem ver a crua realidade da dominação capitalista. Os burgueses prometeram um mundo de paz, prosperidade e democracia. Agora todas as suas ilusões estão em ruínas. Cada vez mais gente se está a aperceber de que o capitalismo não pode ser o futuro à humanidade.

Estamos no despertar duma nova era: por toda a parte, os trabalhadores, os camponeses e os jovens estão em marcha. A ideia de que a revolução e o socialismo não estão na ordem do dia, está na prática demonstrada que não é real. A revolução começou na Venezuela e se estende por toda a América Latina. Os ventos deste movimento começam a sentir-se nos Estados Unidos e na Europa. No Paquistão e em Portugal, na Rússia e em Marrocos as pessoas perguntam-se: o que está acontecendo na Venezuela?

Não é necessário estar 100% de acordo com Hugo Chavez ou idealizar a revolução bolivariana para compreender os acontecimentos colossais destes acontecimentos. Ali, pela primeira vez em décadas, um importante líder - o presidente do país! - proclamou a necessidade do socialismo e condenou o capitalismo como a escravidão que é. Falou publicamente perante milhões de pessoas sobre a necessidade de ler e estudar Marx, Lenine, Rosa Luxemburgo e Trotsky.

Sobretudo, Chavez mobilizou a milhões de trabalhadores, camponeses e jovens sob a bandeira da revolução socialista. E está a tentar levar a cabo um programa de nacionalizações que, se vai até ao final, significará a vitória da revolução socialista num país chave da América Latina e a difusão da revolução por todo o continente e para lá dele.

O significado de tudo isto não passou despercebido aos olhos dos imperialistas que estão a fazer tudo ao seu alcance para destruir a revolução e tentam mobilizar forças poderosas para esse objectivo. Os trabalhadores e a juventude de todo o mundo devem mobilizar-se para impedi-los.

Devemos defender a Revolução Venezuelana!

Viva o Socialismo!

Fora com as mãos imperialistas da Venezuela!

Join us

If you want more information about joining the IMT, fill in this form. We will get back to you as soon as possible.