Grã-Bretanha: “Não se pode deter uma ideia cujo tempo chegou” – Socialistas dentro! Starmer fora!

Milhares de filiados ao Partido Trabalhista estão prestes a ser expulsos após uma votação do órgão dirigente do partido que visa banir o Socialist Appeal. O Comitê Executivo Nacional do Partido Trabalhista (NEC), dominado pela direita, votou por proibir quatro organizações de esquerda do partido, incluindo o Socialist Appeal. Esta decisão escandalosa e covarde é um ataque político direto a toda a esquerda. Starmer e a ala direita lançaram o desafio. Toda a esquerda deve se mobilizar e responder com militância e ousadia. Não seremos intimidados por este ataque. Junte-se a nós na luta pelo socialismo.


[Source]

Solidariedade

Antes da reunião de hoje [20 de julho] do órgão dirigente do Partido Trabalhista, chegou um grande número de declarações de apoio e solidariedade, tanto de figuras de alto perfil (incluindo Jeremy Corbyn) quanto de ativistas da base.

Camaradas, a tentativa de proibir o Socialist Appeal e outros grupos, com o objetivo de expulsá-los do partido, é uma vergonha absoluta”, afirmou Ian Hodson, presidente do sindicato dos padeiros, em uma mensagem de apoio.

“Ao mesmo tempo em que expulsa bons socialistas, Starmer está recebendo ex-conservadores de braços abertos e girando o partido para a direita. Não devemos permitir que escapem disso impunes. Meu sindicato se opõe totalmente às proibições e proscrições e ao retorno ao controle do pensamento macartista”. – Em solidariedade, Ian Hodson, Presidente BFAWU [Sindicato dos Padeiros e Trabalhadores Afins].

Organizações importantes de esquerda, como Unite the Union e Momentum, também se manifestaram contra essa agressão da direita.

Há um claro reconhecimento de que a decisão de hoje do NEC é o início de um ataque mais amplo, projetado para expurgar a esquerda do partido e quebrar a influência dos sindicatos.

“Atos de machismo político, como este último movimento para proscrever grupos dentro do partido, não promovem o partido diante do público eleitor, nem apaziguam a mídia de direita que os exige”, afirma a declaração de Unite. “A história ensina que este será apenas o começo”.

Da mesma forma, o comunicado oficial de Momentum alerta que uma “camarilha pequena e distante” está tentando “tirar do partido Momentum e a esquerda mais ampla”.

A mesma perspectiva foi enfatizada em uma declaração de Socialist Campaign Group of Labour Councilors [Grupo de Conselhos Trabalhistas da Campanha Socialista], que citou Tony Benn sobre a questão dos ataques contra os marxistas no Partido Trabalhista:

“Se o Partido Trabalhista pudesse ser intimidado ou persuadido a denunciar seus marxistas, a mídia – tendo provado sangue – exigiria em seguida que fossem expulsos todos os seus socialistas … para formar uma alternativa inofensiva aos conservadores …

“Assim, o capitalismo britânico, argumenta-se, ficará seguro para sempre e o socialismo será expulso da agenda nacional”.

Expurgo

Os temores de um expurgo mais amplo foram reforçados por informes internos da direção do partido, que indicam que a burocracia já tem mais de 3.000 cartas de expulsão prontas para enviar.

Mesmo pelas estimativas mais generosas, isso vai muito além da base de apoiadores dos quatro grupos oficialmente banidos hoje.

Isso mostra as reais intenções da direita: usar essas proscrições como a ponta fina da cunha para expulsar toda a esquerda; como uma ferramenta para eliminar todos os vestígios de socialismo e “corbynismo” do partido.

Membros de esquerda do NEC se opuseram ao movimento de proibir o Socialist Appeal. Antes da reunião de hoje, eles também divulgaram uma declaração condenando os direitistas por “silenciar burocraticamente aqueles com pontos de vista opostos” e por reprimir o “direito fundamental de se organizar politicamente” dentro do partido.

No entanto, com Starmer e seus apoiadores em maioria, a moção de proscrição foi aprovada, juntamente com propostas para estabelecer um novo painel do NEC para atuar como juiz, júri e carrasco em futuros casos semelhantes – mais uma vez, preparando o terreno para novas ondas de expulsões.

Protesto

Enquanto os membros do NEC debatiam online, centenas de membros de base e ativistas se reuniram fora da sede do Partido Trabalhista em Southside para denunciar este último episódio do #LabourPurge.

Os oradores dos grupos recém-proscritos e do movimento trabalhista falaram para a multidão reunida, destacando as motivações políticas por trás deste ataque.

O parlamentar trabalhista de esquerda John McDonnell enviou uma mensagem de apoio, que foi lida na plataforma:

“Oponho-me totalmente ao uso de proibições e proscrições para expulsar os socialistas do Partido Trabalhista.

“O Partido Trabalhista foi fundado como um partido socialista democrático composto por indivíduos e grupos de socialistas provenientes de uma ampla gama de crenças e análises políticas.

“Dos fabianos aos cooperadores e aos marxistas, o partido de Bevan, Attlee, Laski e Benn abraçou todas essas tradições e se tornou mais forte por isso.

“Os membros do partido que apoiam as ideias defendidas pelo Socialist Appeal têm trabalhado com lealdade e voluntariamente para que os candidatos trabalhistas sejam eleitos e estão na vanguarda de muitas campanhas e lutas sindicais.

“Banir ou proscrever membros associados às ideias do Socialist Appeal vai contra o que o Partido Trabalhista sempre representou.

“Se algum membro do partido violou as regras do partido, já existem procedimentos para lidar com isso.

“Não há necessidade deste recurso para proibições e proscrições.

“A questão que certamente deve vir à mente é se aqueles que estão associados às políticas e ideias do Socialist Appeal, agora visados, são os próximos na lista de proscrição”.

O cineasta de esquerda Ken Loach também ofereceu uma mensagem de solidariedade ao protesto:

“A destruição da democracia no Partido Trabalhista é vergonhosa.

“Os ramos locais do partido são fechados, os seus dirigentes substituídos ou suspensos, as reuniões canceladas, tudo com pouca consideração ao livro de regras.

“Pessoas boas estão sendo forçadas a sair, algumas ficam doentes com a pressão. Os ativistas com mais princípios estão saindo às dezenas de milhares.

“E tudo isso sem uma palavra dos meios de comunicação. Por quê? Porque Starmer é o homem deles. Sabem que com ele pouco ou nada mudará. Ele só debate coisas pequenas, mas sobre os grandes princípios – acabar com a privatização, garantir os direitos trabalhistas, proteger o meio ambiente, proporcionar uma política externa baseada nos direitos humanos e no direito internacional – aqui, ele se cala.

“Ele quer um partido menor, sem ativistas problemáticos. Este ataque à democracia partidária é impulsionado pela determinação de apaziguar o poder do establishment.

“É um retorno ao oportunismo e ao apoio ao poder corporativo dos anos de Blair.

“Mas Starmer, fraco e inexpressivo, não é Blair.

“O Partido Trabalhista é uma área de luta, ao lado de campanhas populares e dos sindicatos. A direita opera nas sombras. Continuem falando a verdade sobre o que está acontecendo, é nossa arma mais forte!”

Hipocrisia

Adam Booth, editor de socialist.net, também falou no protesto, discutindo as reais razões por trás da proscrição do Socialist Appeal.

“O único ‘crime’ de que somos considerados culpados é o de ser socialistas”, observou Adam.

Adam continuou destacando a repugnante hipocrisia da direita trabalhista, que acusa os marxistas no partido de não compartilharem os “objetivos e valores” do Partido Trabalhista.

“Isso é extremamente rico vindo da direita: dos blairistas e burocratas que sabotaram as eleições gerais de 2017; das pessoas que minaram implacavelmente o líder duas vezes democraticamente eleito por cinco anos; das mesmas pessoas que descartaram a cláusula IV socialista do partido, substituindo-a por elogios a uma ‘economia de mercado dinâmica’”.

“A direita nos acusa de ser ‘organizados’; de ser ‘entristas’; de ser um ‘partido dentro de um partido”, continuou Adam.

“Mas facções como Progress e Labour First também não estão organizadas? E eles não são bem financiados por interesses externos das grandes empresas?

“Eles não são entristas, em nome do establishment? Eles não são um ‘partido dentro de um partido’ – um grupo de Conservadores infiltrados dentro do nosso partido?”

Marxismo

“O objetivo de Starmer e da ala direita é claro”, afirmou Adam. “Eles querem expurgar toda a esquerda do Partido Trabalhista; expurgar o socialismo de nosso partido; fazer do Partido Trabalhista um par de mãos seguras para o capitalismo”.

“É por isso que é vital que a esquerda tome uma posição agora – que nos unamos e lutemos contra esses ataques”.

“No entanto, não seremos intimidados por sua agressão e repressão”, concluiu Adam. “Esses ataques apenas nos tornam mais determinados”.

“Eles podem tentar banir e bloquear quantos de nós quiserem. Mas, como disse o grande escritor francês Victor Hugo: nenhuma força na terra pode impedir uma ideia cujo tempo chegou. E são as ideias do marxismo e do socialismo que representam o futuro”.

Esta é a perspectiva para a qual devemos retornar. Como o filósofo Spinoza observou: “Nossa tarefa não é chorar ou rir, mas compreender”.

O capitalismo está em sua crise mais profunda. Ao contrário da era Blair, não são as reformas, mas sim os ataques e a austeridade que estão na ordem do dia. Starmer e a ala direita não têm nada a oferecer a não ser agitar bandeiras e fazer apelos aos grandes negócios.

Lutas de classes agudas estão por chegar, na Grã-Bretanha e internacionalmente. Enormes pressões estão se acumulando na sociedade, especialmente na classe trabalhadora. E, de uma forma ou de outra, estas vão emergir, encontrando um reflexo tanto nas ruas, quanto no Partido Trabalhista e nos sindicatos.

Nesse processo, as organizações de massa da classe trabalhadora serão transformadas e retransformadas. E as ideias do marxismo se tornarão ainda mais relevantes.

É por isso que não estamos desmoralizados ou abatidos pela decisão de hoje do NEC. Em vez disso, estamos ainda mais determinados a assumir a tarefa nas mãos: construir a corrente marxista – Socialist Appeal, a voz marxista do Trabalho e da juventude.

A todos os que foram expulsos ou que deixaram o Partido Trabalhista desgostosos com a liderança de Starmer, pedimos que se juntem a nós nesta tarefa.


Carta de um membro veterano do Partido Trabalhista

Caros camaradas,

Estou escrevendo isso em resposta à proposta de hoje do NEC do partido de “excluir automaticamente” certos membros. A própria frase “autoexclusão” é algo saído do 1984 de Orwell, não das tradições do Partido Trabalhista do qual sou um membro orgulhoso desde que entrei aos 17 anos em 1974.

Em 47 anos de filiação contínua ao partido, NUNCA votei em nenhum outro partido; NUNCA defendi o voto por qualquer outro partido; SEMPRE me opus a acordos com outros partidos cujos objetivos não coincidem com os do Partido Trabalhista – transformar a sociedade em moldes socialistas.

Quando jovem, servi por quatro anos como presidente nacional do Labour Party Young Socialists – uma vibrante organização de campanha com mais de 500 filiais, até que foi efetivamente destruída pelas medidas burocráticas de Tom Watson.

Como muitos, enojado com a guerra do Iraque e com a importação da economia capitalista de livre mercado para o partido, fui menos ativo durante os anos de Blair. Também como muitos, o fogo do socialismo foi reacendido com a eleição de Jeremy Corbyn como líder do partido.

Desde que me mudei para Bristol, colaborei em Bristol West e Kingswood nas eleições gerais de 2019 antes de ir trabalhar com minha parceira Jayne, por quatro semanas, como voluntários não remunerados no assento marginal de Truro e Falmouth.

Durante o primeiro bloqueio da Covid, como coordenador da campanha eleitoral, iniciei e produzi onze edições de um boletim informativo para todos os membros, para manter a comunicação entre os membros nos primeiros e difíceis meses.

Se sou “auto-excluído” pelo crime de apoiar um jornal socialista, Socialist Appeal, jornal que nunca fez campanha contra o Partido Trabalhista, peço aos camaradas de todos os lados do partido que se perguntem: É disso que trata o nosso partido? Unite e outros sindicatos pensam que não.

Vamos chamar as coisas pelos seus devidos nomes: as expulsões por motivos organizacionais espúrios (eu e o Socialist Appeal nunca nos opusemos ou defendemos o apoio a outros partidos contra o trabalhista) são na realidade um expurgo político.

Esse expurgo ocorre porque, após o susto de Jeremy Corbyn de quase vencer as eleições gerais de 2017, a classe dominante e seus acólitos dentro da direção do partido determinaram que o partido deve ser “protegido” para o capitalismo – capaz de servir como um “segundo time” quando os dias deste governo conservador corrupto acabarem.

Mas as medidas organizacionais nunca irão superar as ideias políticas cujo tempo chegou.

Sou orgulhosamente socialista e marxista ao longo da vida. O marxismo sempre foi parte integrante das tradições do partido.

Este ataque ao Socialist Appeal não é porque é uma pequena “seita”. Se fosse, não haveria motivo para um expurgo. Não, é exatamente o oposto; é porque as ideias do marxismo – o reconhecimento de que o capitalismo como um sistema não tem futuro a oferecer aos trabalhadores – estão sendo crescentemente apoiadas em todas as áreas do movimento trabalhista, enquanto o capitalismo cambaleia em escala mundial de crise em crise.

Os indivíduos podem ser “auto-excluídos” – mas as ideias cuja hora chegou nunca serão excluídas do movimento trabalhista.

Kevin Ramage, membro do Partido Trabalhista de 1974 -?

Join Us

Join the International Marxist Tendency and help build a revolutionary organisation to participate in the struggle for socialism worldwide!

In order to join fill in this form and we will get back to you as soon as possible.