site-campaign-small

EUA: Eleições 2010 – O que significa e como podem os trabalhadores responder?

PrintE-mail

Nas recentes eleições dos EUA, os Republicanos garantiram um dramático retorno após sua derrota eleitoral há dois anos. Ganharam várias governadorias, assentos no senado e tomaram o controle total da Câmara de Deputados. Como isto foi possível?

A razão básica para isto foi muito simples: não há empregos. Os americanos estão insatisfeitos com o fato de que Obama e os Democratas não tenham oferecido qualquer solução real para a calamidade econômica que atinge muitos trabalhadores, jovens e a classe média. Dois anos depois da eleição de Obama, o desemprego permanece alto e sem final à vista, a despeito do retorno da lucratividade e dos mega dividendos para Wall Street. Não é de admirar, portanto, que os eleitores não tenham ficado satisfeitos com os responsáveis por isto!

Além disto, milhões de dólares foram gastos por grupos de pressão para influenciar as eleições. É bem conhecido o fato de que o big business investe pesadamente nos dois partidos mais importantes – essa gente não bate prego sem estopa! Em 2008, mais dinheiro fluiu para os Democratas, quando eles compreenderam que, após oito anos de Bush e Cheney, os americanos estavam desesperados por mudança e eles, por seu lado, não queriam perder o caminho da mina. Desta vez, mais dinheiro foi enviado aos Republicanos, como resultado da percepção das corporações americanas com a insatisfação com o status quo. Mais uma vez, a mensagem era a de “afastar o desalento!”. Tudo isto justamente dois anos depois que a mensagem de Obama “change we can believe in” semeou a promessa de uma nova era de prosperidade e esperança.

Desafortunadamente, os líderes do movimento dos trabalhadores não ofereceram qualquer alternativa ao voto nos partidos dos ricos. Em vez disso, eles apelaram aos trabalhadores a votar “contra” os republicanos do grupo Tea Party e a favor dos “amigos dos trabalhadores” ou dos candidatos endossados pelos sindicatos. Estas eram as palavras de código para “votar democrata”. Entendendo como os trabalhadores estão desiludidos com a situação do emprego e com a impotência dos Democratas neste front, eles não poderiam apelar diretamente pelo voto no Partido Democrata. Esta é, no entanto, uma importante mudança de atitude, pois revela como os líderes sindicais temem perder o controle das bases.

Houve um candidato trabalhista independente, Brett Bursey, na Carolina do Sul, que concorreu para a Câmara de Deputados do estado e recebeu 3,1% dos votos. Bursey foi o primeiro candidato a concorrer pelo recentemente relançado Partido Trabalhista da Carolina do Sul. Ele teria quase certamente recebido uma maior votação se o Partido Trabalhista da Carolina do Sul tivesse lançado mais candidatos e tivesse apelado pelo apoio do movimento sindical nacional. Mas parece claro que eles estavam sendo pressionados pelo topo da liderança trabalhista para não realizar uma campanha mais agressiva, uma vez que esta liderança está intimamente ligada aos Democratas em Washington, DC. Esperemos que o Partido Trabalhista da Carolina do Sul funcione, não somente ele como outros, no futuro, e poderemos ver esta eleição como um primeiro passo e como um exemplo para o restante do país.

Adicionalmente, Hugh Giordano, um organizador do setor trabalhista de Filadélfia, que concorreu pela legenda do Partido Verde, perdeu para o candidato Democrata, mas chegou em segundo lugar, à frente do candidato Republicano, com mais de 20% dos votos. Filadélfia tem maior e mais forte movimento trabalhista que a Carolina do Sul, o que em parte explica sua votação total mais elevada.

Como explicamos em artigos anteriores, a maioria dos trabalhadores não votará por um candidato a menos que ele ou ela tenha importantes recursos disponíveis e que tenha pelo menos alguma possibilidade realista de ganhar. Os dois candidatos citados tinham pouco dinheiro e foram particularmente ignorados pela mídia capitalista, que deram pouca cobertura aos pequenos partidos de esquerda. E, como vimos, a liderança trabalhista faz malabarismos para dirigir o voto aos Democratas. No entanto, houve um importante aumento dos votos para vários partidos “de protesto” de esquerda nesta eleição.

Em 2006, na Califórnia, o Partido da Paz e da Liberdade recebeu 3.849 votos e o Partido Verde, 33.545 votos na corrida ao governo do estado. Nesta eleição, o Partido da Paz e da Liberdade recebeu mais de 65 mil votos, enquanto o Partido Verde recebeu 91.029 votos. Em Ohio, em 2006, não houve nenhum candidato independente de esquerda para o senado americano. Nesta eleição, o candidato do Partido Socialista, Dan Labotz, recebeu mais de 25 mil votos. Em Nova Iorque, os partidos que concorreram independentemente e à esquerda dos dois maiores partidos corporativos, receberam aproximadamente 120 mil votos para o governo do estado. Em 2006, esses partidos receberam somente 55 mil votos. São resultados modestos, mas significativos, que demonstram que dezenas de milhares de mais americanos já abandonaram seu apoio ao Partido Democrata e estão na expectativa de uma alternativa eleitoral. Ainda é um resultado muito pequeno, mas que tem grandes implicações para o futuro.

O atual contexto

As eleições são uma fotografia instantânea da sociedade em dado momento, e estas eleições tiveram lugar num contexto muito específico. O sistema capitalista mundial encontra-se em sua pior crise desde o final da Segunda Guerra Mundial. O capitalismo estadunidense, em particular, encontra-se em estado de prolongada decadência. O capitalismo tem a tendência de produzir mais mercadorias do que podem ser vendidas com lucro, devido a sua exploração da classe trabalhadora. Em outras palavras, com os salários que recebem por seu trabalho, os trabalhadores são incapazes de comprar novamente todas as mercadorias que eles produzem, porque uma grande porção da riqueza que eles criaram vai diretamente ou indiretamente para os capitalistas na forma de lucros. Isto significa que o sistema periodicamente fica obstruído porque foram produzidos “demasiados” automóveis, moradias, hospitais etc. Não “demasiados” para atender as necessidades humanas, mas demasiados para a venda com lucro no mercado.

Quando o capitalismo entra em crise, deve destruir o “excesso” de produção e de capacidade produtiva antes que possa retornar à lucratividade. Mas isto somente pode acontecer à custa da classe trabalhadora reduzindo-se os salários e os benefícios, criando-se desemprego em massa e paralisando-se indústrias em perfeito estado. O declínio da economia também significa a redução da arrecadação fiscal do governo, e isto tende a forçar o governo a aumentar as taxas e a dívida pública, além de cortar despesas, a começar com as despesas sociais. Em outras palavras, a classe trabalhadora é que pagará pela crise.

Apesar de que o boom de pós-Segunda Guerra Mundial tenha terminado nos anos 1970, a classe capitalista tentou enfrentar a crise através de uma gigantesca expansão do crédito. Essa é a razão porque nos anos 1990 e 2000 todos tinham múltiplos cartões de crédito e muitas pessoas tinham suas casas em segunda ou terceira hipoteca e linhas de crédito. Contudo, Marx explicou que apesar da extensão do crédito permitir a continuidade da expansão do capitalismo por um tempo, isto eventualmente aumentará a severidade da crise quando a fatura vencer. Nós vimos isto com a queda da economia em 2008.

O mundo capitalista agora está indo através do que os economistas capitalistas chamam de “alavancagem”. Socialist Appeal explicou isto até mesmo antes da eleição de 2008. Explicamos que Obama e os Democratas, que se baseiam na defesa e na continuação do enfermo capitalismo americano, não estariam aptos a resolver a crise econômica e que fariam os trabalhadores pagar por ela.

Muitos trabalhadores e jovens têm sinceras ilusões em Obama. Estas ilusões foram infladas pela mídia, que é propriedade e está sob o controle do big business. Contudo, estas ilusões foram também estimuladas pela liderança do movimento dos trabalhadores. A AFL-CIO e os maiores sindicatos como SEIU e NEA levaram os trabalhadores a acreditar que se os Democratas ganhassem o Congresso e a Casa Branca, a economia se recuperaria num piscar de olhos, haveria empregos para todos, sistema de saúde pública universal e mudanças nas leis trabalhistas em favor dos sindicatos. Confirmando o que Socialist Appeal previu, nenhuma dessas promessas foi cumprida. Devemos falar a verdade: a política dos líderes trabalhistas terminou em completo fracasso.

Nesta eleição de meio de mandato, muitos trabalhadores e jovens já estavam descontentes com os Democratas e, não vendo nenhuma alternativa real, não foram votar. Os Republicanos, sentindo a vitória e conectando-se à indignação pública, foram capazes de conquistar mais apoio. Milhões de americanos estão desesperados por mudança – qualquer mudança. Muitos dos que votaram Democrata em 2008 para protestar contra Bush, agora votaram Republicano para protestar contra o partido no poder. Em um sistema bipartidário, o “outro cara” é o principal beneficiário do eleitor descontente. Mas os trabalhadores perderam de qualquer jeito.

O Tea Party

O chamado movimento “Tea Party” foi organizado para canalizar a raiva e a frustração que certos setores das classes médias têm dada a crise econômica. O objetivo é o de absorver estas camadas vociferantes da sociedade no Partido Republicano, e, ao mesmo tempo, empurrar os Republicanos como um todo ainda mais à direita. Mas, como já explicamos antes, o Tea Party não é um movimento genuíno das pessoas comuns. Ele foi basicamente fundado pelos irmãos Koch, uns dos homens mais ricos do país, e pela Rupert Murdoch’s News Corporation, proprietário da Fox News e de numerosos canais de TV e jornais. Sua liderança também inclui o anterior líder da maioria Republicana Dick Armey, um político conhecido.

A maioria dos ativistas do Tea Party é de idosos, brancos, pessoas das classes médias. Sua mensagem é: “queremos nosso país de volta”. Este slogan significa que eles querem que a América seja como nos anos de boom do pós-guerra. O problema é que o boom do pós-guerra foi uma aberração; ele não foi a norma do capitalismo. O boom do pós-guerra tornou-se possível devido à enorme destruição da Segunda Guerra Mundial, em que cerca de 60 milhões de pessoas foram assassinadas. Em conseqüência da guerra, o big business americano cantou de galo, enquanto seus rivais no cenário mundial tinham sido todos bombardeados para resistir. Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA eram os maiores credores mundiais e também uma superpotência imperialista; agora, são os maiores devedores do mundo e seu poderio global está minguando. A verdade elementar é que o capitalismo americano não pode retornar àquele período e pensar que pode é verdadeiramente utópico.

O programa básico do Tea Party e do Partido Republicano é o corte das despesas governamentais e dos impostos. Mas isto não resolve nada. Isto não levará a criação em massa de empregos que os desempregados esperam e significará um ataque perverso à classe trabalhadora. Para início de conversa, o corte de impostos não estimulará o investimento do setor privado. Com a capacidade de utilização da indústria abaixo de 80%, qualquer ascensão temporária não levará aos capitalistas a construir novas fábricas. Eles apenas vão aumentar a produção em suas fábricas já existentes e espremerão ainda mais os trabalhadores existentes antes de contratar novos.

O que podemos esperar de Obama e dos Republicanos

Corte nas despesas públicas, licenças não pagas, dispensa temporária de trabalhadores e cortes de salário dos empregados do governo, o que conduzirá à queda na demanda e nos gastos dos consumidores. Aumento posterior do desemprego significará ainda mais cortes nos salários dos trabalhadores mais dóceis, visto que os trabalhadores são forçados a competir um contra o outro pelo trabalho escasso. Isto desencadeará um ciclo vicioso descendente. O Congresso Republicano tornar-se-á impopular tão rapidamente quanto o Congresso Democrata antes dele. Mais cedo do que mais tarde, as pessoas se voltarão contra isto também. E em futuro não tão distante, uma massa crítica de trabalhadores começará a se dar conta de que não há nenhuma solução possível através de um ou do outro partido do big business.

Mesmo que os Democratas tivessem ganhado, seu programa seria basicamente o mesmo. Dada a gravidade da situação econômica, eles teriam de fazer também “duras escolhas” e cortar vitais programas e serviços governamentais. No painel do programa bipartidário de Obama de redução do débito, que ele apresentará em 01 de dezembro deste ano o mais tardar, espera-se que insista em cortes da seguridade social, Medicare e Medicaid. Por essa razão, podemos esperar que embora Obama vá lutar com os Republicanos como o fez Bill Clinton, eventualmente eles chegarão a um “compromisso”, e serão os trabalhadores que pagarão e sofrerão.

A diferença entre eles é entre alguém que quer cortar sua perna acima do joelho e alguém que quer cortá-la abaixo do joelho. Socialista Appeal recomenda: “Não cortem a perna de jeito nenhum!”.

Oportunidade perdida e como contra-atacar agora

Nós já explicamos que o movimento dos trabalhadores deveria ter lançado candidatos independentes nesta eleição. Estes candidatos teriam explicado as causas da crise e lutado por soluções socialistas. Isto poderia se conectar com o descontentamento existente e mesmo que esses candidatos não vencessem, poderia ter começado a construir um movimento no futuro. Infelizmente, esta oportunidade foi perdida outra vez no último ciclo eleitoral.

Depois das eleições, o presidente da AFL-CIO, Richard Trumka, corretamente declarou que a “raiva está dirigida a todos em Washington. Nossa avaliação da eleição revela que, francamente, os eleitores não fazem distinção entre Democratas e Republicanos sobre ter um plano para fortalecer a economia”. Ele acrescentou que o resultado “não foi um mandato para políticas mais Republicanas apresentadas na campanha... A eleição não foi o endosso para cortar impostos dos ricos – ou para arruinar a seguridade social ou o salário mínimo”.

De fato, é exatamente o oposto. Uma pesquisa da AFL-CIO conduzida no dia da eleição em 100 distritos constatou que embora os eleitores estejam insatisfeitos com o rumo do país, na maioria dos casos não é porque Obama tenha feito demasiado, até mesmo entre eleitores Republicanos. 77% do total de eleitores e 63% dos Republicanos estão a favor da criação de empregos através da reconstrução da infra-estrutura de estradas, pontes, escolas e sistemas de energia da nação. 65% do total de eleitores e 47% dos eleitores Republicanos estão a favor de que benefícios federais do seguro desemprego sejam estendidos àqueles que perderam seus empregos e que são incapazes de encontrar outros novos. Em outras palavras: os trabalhadores querem empregos. E apenas uma minoria dos pesquisados quer a elevação da idade de jubilação, a privatização da seguridade social ou a eliminação do Departamento de Educação.

Mas as palavras duras e os resultados de pesquisa não são suficientes. A liderança dos trabalhadores necessita organizar uma resistência contra o vindouro programa de austeridade. O movimento do trabalho tem um tremendo poder potencial, mas somente entrará em ação se for mobilizado.

Antes de tudo, os trabalhistas deviam confrontar as mentiras dos dois partidos do big business. Quando eles dizem que temos de elevar a idade de jubilação porque agora o povo vive mais tempo, nós lhes chamaríamos a atenção sobre o fato de que a produtividade do trabalhador americano aumentou 94% de 1973 a 2007 e tem aumentado ainda mais desde então. Isto significa que poderíamos na verdade reduzir a idade de jubilação! Quando eles dizem que não há nenhum dinheiro para empregos, educação, saúde e programas sociais, nós explicaríamos que há mais que suficiente dinheiro. Basta olhar para os orçamentos das agências militares e de espionagem e para o fato de que 400 dos mais ricos americanos ganharam cada um 3,3 bilhões, descontada a inflação, de 1982 a 2008!

Com os colossais recursos disponíveis, os sindicatos poderiam lançar um jornal nacional, rádio e até mesmo estações de televisão, para dar a perspectiva dos trabalhadores sobre os acontecimentos correntes e a economia, e esclarecer aos americanos sobre as mentiras e insultos maliciosos da mídia corporativa.

Depois, a liderança dos trabalhadores necessita mobilizar suas networks de representantes sindicais e ativistas, em alguns casos reconstruindo essas networks, e organizar manifestações, protestos e ações destinadas a impedir regressões contra os trabalhadores tanto no setor privado quanto público. Apesar de seu modesto tamanho, a mobilização por empregos de dois de Outubro, em Washington, foi a primeira de seu tipo desde Reagan. Foi a primeira demonstração de força do potencial dos trabalhadores americanos em décadas. Estes tipos de demonstrações da força dos trabalhadores devem continuar e ser intensificados em níveis nacional, regional e local.

Adicionalmente, os trabalhadores devem trabalhar duramente para se conectarem com aliados e mobilizá-los, como os estudantes, que estão enfrentando aumentos dos custos de instrução e cortes na educação. Devem se associar com os desempregados, que, se não estiverem unidos com os que têm emprego, serão usados para dividir os trabalhadores e aviltar os salários. Tudo isto deveria estar ligado a uma estratégia de organização de novos membros nos sindicatos, como a luta em Jimmy John’s, em Minneapolis, evidenciou.

Finalmente, os líderes dos trabalhadores devem romper inteiramente com os Democratas e Republicanos e construir em escala nacional um partido trabalhista, de forma que os trabalhadores em qualquer lugar possam votar por seus próprios candidatos nas futuras eleições.

O movimento dos trabalhadores tem tremendos recursos a sua disposição para tornar isto uma realidade. Na corrida eleitoral de 2010, a AFL-CIO abasteceu aos Democratas com 200 mil voluntários, distribuiu 19,4 milhões de panfletos, realizou milhões de chamadas telefônicas e bateu à porta de 8,5 milhões de casas. Imaginemos todo este esforço sendo realizado em favor da eleição de candidatos trabalhistas independentes e para construir um partido trabalhista, em vez de se empreender uma desesperada ação de retaguarda para respaldar candidatos que representam os interesses de outra classe!

Os membros e apoiadores da Liga Internacional de Trabalhadores estão lutando por estas políticas em nossos sindicatos, escolas e locais de trabalho. Como parte deste esforço, lançamos a Campanha por um Partido Trabalhista de Massas, e convidamos os que concordam com este objetivo a se juntar à campanha e ajudar-nos a fazer deste partido uma realidade. Esta pode ser uma longa, vigorosa luta, mas a alternativa é não resistir. Uma coisa é segura: se não há resistência, haverá muito mais sofrimento à frente, porque o enfermo sistema capitalista americano exige sofrimento.

As eleições de meio de mandato representam mais um ponto contraditório de virada na transformação da consciência da classe trabalhadora dos EUA. A despeito dos obstáculos, nós podemos olhar confiantemente para o futuro. Antes de tudo, a história está de nosso lado, os números estão de nosso lado e nós podemos estar seguros de que uma vez que os trabalhadores americanos introduzam uma idéia concreta em suas mentes (como, por exemplo, a necessidade de um partido trabalhista), eles moverão montanhas para torná-lo uma realidade. Junte-se a Socialista Appeal e a WIL na luta por um mundo melhor!

Novembro/2010

Translation: Esquerda Marxista (Brazil)

Home » Other languages » Portuguese