EUA: a guerra civil no Partido Republicano

No dia 24 de janeiro, o Senado norte-americano absolveu Donald Trump de incitar a rebelião no Capitólio em 6 de janeiro. Embora sete republicanos tenham se juntado aos democratas para votar “culpado”, isso foi insuficiente para a maioria de dois terços necessária para declarar Trump culpado. Apesar de um discurso furioso atacando o ex-presidente, o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, também votou pela absolvição. Conforme explicado no artigo a seguir (publicado no mês passado por nossos camaradas norte-americanos), o Partido Republicano está dividido de cima a baixo entre os verdadeiros crentes do Make America Grate Again (MAGA), oportunistas que procuram cavalgar nas costas de Trump, e políticos de carreira intimidados por sua base reacionária de eleitores. O futuro de uma das pedras angulares do sistema político burguês está em jogo.


[Source]

A dramática e grave ascensão pessoal de Trump encobriram as profundas rachaduras que vinham se ampliando no Partido Republicano na corrida eleitoral de 2016. No rastro caótico do motim no Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, essas divisões se apresentaram com força total. A cisão estava sendo plenamente exibida desde o momento em que o motim começou. Como que para simbolizar a dinâmica dentro do partido, o desertor senador republicano Mitt Romney falou a um repórter sobre “o que o presidente causou hoje, esta insurreição”. De sua parte, Trump assistiu ao desenrolar dos eventos na televisão, esperando por horas antes de postar um vídeo nas redes sociais, no qual expressou seu carinho pelos desordeiros e disse-lhes com ternura que eles tinham “que voltar para casa agora”.

Posteriormente, foi relatado que Mike Pence – no lugar do Comandante-Chefe – aprovou a ordem de enviar a Guarda Nacional para remover as multidões que ocupavam o Capitólio. Então, depois de retomar o controle do prédio e de se reunir novamente para ratificar a eleição, três senadores republicanos que anteriormente apoiavam os esforços de Trump para derrubar a eleição abandonaram a causa. Do outro lado da ruptura, oito senadores republicanos e 139 representantes votaram para anular os resultados das eleições nos estados doArizona e da Pensilvânia, aparentemente de acordo com as alegações infundadas de Trump de fraude eleitoral em massa.

A senadora Lindsay Graham, votando a favor da certificação da eleição de Biden, expressou a frustração de uma camada de republicanos que havia chegado aos seus limites, declarando: “Hoje, tudo o que posso fazer é me excluir. Já é suficiente. Tentei ser útil.” No dia seguinte, uma onda de demissões de funcionários republicanos na Casa Branca começou. Em 9 de janeiro, foi relatado que Mike Pence e Donald Trump não se falavam desde antes dos eventos no Capitólio.

Pouco depois, a introdução de artigos sobre o impeachment traçou outra linha na areia para os republicanos. Ao contrário do primeiro processo de impeachment de Trump em 2019, quando nem um só representante republicano votou contra ele, dessa vez 10 republicanos na Câmara dos Representantes votaram pelo impeachment. Isso incluía Liz Cheney, de Wyoming, a terceira representante do Partido Republicano em posição mais alta, e filha do ex-vice-presidente. Em uma demonstração mais sutil, mas ainda significativa, de desaprovação pela imprudência do ex-presidente, quatro representantes republicanos adicionais se abstiveram. Além disso, ao contrário de 2019, os líderes republicanos da Câmara optaram por não pressionar formalmente os membros para que votem contra o impeachment desta vez.

Por sua vez, o ex-líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, indicou que está aberto a votar a favor do impeachment quando o assunto chegar a esse órgão e agora responsabilizou explicitamente Trump por incitar o motim – uma mudança radical de seu tom nos últimos quatro anos. Enquanto isso, 80% dos eleitores republicanos dizem não responsabilizar Trump pelo tumulto, e 37% dos eleitores acreditam que houve fraude eleitoral generalizada em novembro. Este dificilmente é o Partido Republicano unificado de décadas passadas – é mais o retrato de um pilar fundamental do domínio capitalista em crise, experimentando as expressões mais claras de divergências que há muito vêm ocorrendo.

Divisões que se formam há anos

Já em 2016, Trump começou a semear dúvidas sobre a integridade das eleições. Tendo perdido no voto popular em 2016, ele mesmo assim declarou que teria vencido ali também, não fossem os milhões de votos fraudados. À medida que as eleições de 2020 se aproximavam, ele insistia que, se não vencesse, isso só poderia ser devido à fraude eleitoral. Consistente com sua mensagem anterior, ele persistiu em suas acusações de fraude eleitoral colossal e buscou todas as vias legais e extralegais possíveis para derrubar a eleição, incluindo pedir ao Secretário de Estado da Geórgia para “encontrar” votos suficientes para derrubar o resultado.

Depois que isso também falhou, Trump passou a brincar com fogo, organizando um comício fora do Capitólio e alimentando a fúria que levou ao agora infame motim. Com esta ação, Trump cruzou a linha. A grande maioria da classe dominante não tem nenhum interesse em romper com a democracia burguesa – pelo menos por enquanto – então, a aventura de Trump foi universalmente condenada.

Pelas razões exemplificadas nos eventos de 6 de janeiro, Trump nunca foi o candidato escolhido pela classe dominante ou por seus servos leais no establishment do Partido Republicano. Imprudente, imprevisível e movido apenas pelo interesse próprio e pelo ego, ele não era um timoneiro confiável para garantir a estabilidade geral do capitalismo dos Estados Unidos. A qualquer momento, um telefonema ou tweet pode fazer os mercados despencarem ou dispararem. Esse tipo de instabilidade é ruim para os negócios.

A base de apoio de Trump inclui reacionários marginais, raivosos proprietários de pequenos negócios e pequenos setores da classe dominante. Mas ele também foi capaz de explorar cinicamente a raiva legítima de milhões de trabalhadores que enfrentam o aumento da desigualdade e a queda dos padrões de vida, que caracterizam o declínio contínuo do capitalismo dos EUA. Com a ajuda do Colégio Eleitoral antidemocrático e com a cumplicidade dos líderes trabalhistas colaboracionistas – que apoiaram a escolha do establishment com Hillary Clinton, em vez de lançar uma alternativa independente de classe – Trump venceu a eleição de 2016 e começou a remodelar o Partido Republicano.

Com suas promessas demagógicas de restaurar a prosperidade da América do pós-guerra, apontando o dedo acusador para as “elites” e com seu racismo não muito velado, Trump é sem dúvida o político mais popular entre os eleitores republicanos e os funcionários de escalão inferior, e as consequências do motim não mudaram esse fato. Com base em sua primeira corrida presidencial, ele ampliou com sucesso a base do Partido Republicano, que o establishment a contragosto aceitou e tentou acomodar. Surgiu uma dinâmica tensa em que o político, que é de longe o mais odiado nos círculos superiores do partido, é, apesar disso, o claro favorito entre as “bases” do partido – e ele ocupou o cargo mais alto na nação capitalista mais poderosa do planeta.

Por quatro anos, os líderes do Partido Republicano tentaram se retrair durante a presidência de Trump, mantendo um olhar atento sobre seu comportamento errático e buscando toda e qualquer oportunidade para reafirmar o controle sobre o partido. Mas, faltando apenas algumas semanas para o fim de seu mandato, Trump foi longe demais ao atiçar as chamas da revolta, forçando republicanos proeminentes a considerar uma ruptura aberta – apesar das consequências arriscadas no curto prazo para a elegibilidade do partido.

A gota d’água que fez transbordar o copo de McConnell

É instrutivo examinar o tom de Mitch McConnell ao longo da presidência de Trump. Como líder da maioria no Senado, ele enfrentou a difícil tarefa de manter a aparência de unidade partidária em uma instituição repleta de tensões. Como figura importante dentro do Partido Republicano, ele procurou permanecer nas boas graças da base de apoio de Trump, enquanto afirmava os interesses do establishment em todas as questões importantes.

Durante o primeiro processo de impeachment de Trump em 2019, e novamente nas semanas após a eleição de 2021, McConnell deu apoio retórico e cobertura a Trump. Além de um desacordo anterior com Trump sobre a questão do adiamento da eleição de 2020, McConnell defendeu o presidente mais ou menos fielmente por todo o seu mandato.

Mas depois que os tribunais – fortemente influenciados por juízes nomeados por Trump – rejeitaram por unanimidade os esforços de Trump para contestar a eleição, McConnell rompeu com o presidente. Político burguês de longa data, com uma consciência aguçada de seu papel na sociedade, quando o empurrão chegou, ele votou nos interesses de sua classe. Em 14 de dezembro, ele aceitou a certificação do Colégio Eleitoral e instruiu sua bancada a não se opor aos resultados. Então, em 6 de janeiro, chamando-a de a votação mais importante de que já havia participado, ele votou para certificar a eleição de Biden, alertando que anular os resultados “prejudicaria nossa república para sempre”.

Dias depois, logo que os Democratas da Câmara introduziram os artigos sobre o impeachment, McConnell declarou em particular que estava satisfeito com seus esforços, e mais tarde indicou que estava aberto a votar para condenar Trump quando o assunto chegasse ao Senado.

Mais recentemente, em 19 de janeiro, McConnell – sem dúvida tendo passado as duas semanas anteriores calculando e recalculando sua resposta a esses eventos – deu um passo significativo ao culpar abertamente Trump pelo motim, declarando que “A turba foi alimentada com mentiras. Foi provocada pelo presidente e outras pessoas poderosas. E tentaram usar o medo e a violência para impedir um processo específico do principal poder federal, de que não gostaram”. Trump não perdoará facilmente essa “deslealdade”.

“Recuperando a forma”

A trajetória de McConnell reflete a atitude de uma camada mais ampla de republicanos que veem este momento como uma oportunidade de expurgar o trumpismo do partido. Embora possam ter tolerado isso no passado, a maioria do establishment não consegue tolerar a perspectiva de permitir as palhaçadas de Trump por mais tempo. E com os índices de aprovação de Trump em um recorde de baixa durante sua última semana no cargo, bem como com motivos suficientes para acusar o ex-presidente de sedição, era um momento tão bom quanto qualquer outro para reduzir as perdas e partir para o ataque.

O fenômeno do trumpismo é uma indicação de que a classe capitalista dos EUA perdeu parcialmente o controle de um de seus dois pilares políticos – mas a batalha está longe do fim. O establishment ainda pretende reafirmar o controle sobre o partido. O esforço crescente é liderado por personalidades do establishment, como Mitch McConnell, Liz Cheney, Mitt Romney, o senador Roy Blunt do Missouri e o senador Ben Sasse de Nebraska. Mike Pence, também, mostrou sua sensibilidade pelo establishment, obedientemente recusando-se a ceder à pressão de Trump para derrubar a eleição quando Trump o convocou – sem base na lei burguesa – para dar a vitória ao seu presidente.

Embora uma camada numericamente pequena de republicanos na Câmara tenha votado a favor do impeachment de Trump, é uma mudança significativa em relação ao processo de impeachment de 2019 e indicativa de divisões muito mais amplas nos bastidores. Sem dúvida, há mais republicanos em silencioso acordo com esta ala do partido, e que se alinhará com ela à medida que as coisas se tornarem mais tensas.

A ala anti-Trump do partido também conta com o apoio da própria classe capitalista. Porta-vozes, como os da Câmara de Comércio e da Associação Nacional de Fabricantes, expressaram desaprovação clara da tentativa de derrubar a eleição, com a última até mesmo pedindo a Pence para invocar a 25ª emenda a fim de remover o presidente do cargo após a rebelião no Capitólio. Da mesma forma, dezenas de empresas anunciaram planos de retirar o apoio financeiro de políticos que se opõem à certificação dos resultados eleitorais. Um grupo de doadores chegou a prometer US$ 50 milhões para apoiar os republicanos que se manifestaram a favor do impeachment.

Por que é assim? Como Tim Ryan, C.E.O. da PricewaterhouseCoopers, disse ao New York Times: “Acredito que este é o melhor país do mundo, e não podemos deixar tudo isso ir para o inferno em uma cesta de mão. Precisamos de estabilidade. Precisamos de certeza. Se não pudermos nos unir, se não conseguirmos estabilizar ou se piorar, não seria bom para os negócios.” Também falando ao Times, o C.E.O de JPMorgan Chase, Jaime Dimon, comentou: “Nenhum C.E.O tolera isso de qualquer maneira ou forma. Não deveríamos ter alguém, como se sabe, atacando uma multidão com gás.”

Trumpismo sem Trump?

No contexto de uma crise histórica mundial do capitalismo que está polarizando milhões de pessoas, a trajetória do Partido Republicano não é determinada apenas pelo apoio ou falta de apoio dos capitalistas. Sentindo a onda de descontentamento que Trump montou, há também uma ala dos republicanos que busca cavalgar a onda por trás dele, onda esta caracterizada por seu nacionalismo econômico e pela demagogia contra as “elites” e até mesmo contra a “classe dominante”.

Embora esta ala do partido não tenha o apoio da maioria da classe dominante, tem o apoio da base eleitoral republicana. No nível estadual e local, “MAGA” é o credo do partido dominante. Mesmo que Trump seja destituído e impedido de concorrer a um cargo novamente – uma perspectiva que de forma alguma está garantida, já que a condenação requer o apoio de dois terços do Senado – outra pessoa tentará pegar a tocha e preencher o vácuo político. Os candidatos em potencial já estão se alinhando em nível nacional.

A história mostra que não é tão fácil reproduzir a combinação particular de linguagem, bravata e timing que alguém como Trump trouxe para a mesa. No entanto, sempre haverá aqueles que tentarão. Nesta camada, são notáveis ​​o senador do Missouri Josh Hawley – o primeiro senador a se opor à certificação da eleição de Biden – e o senador do Texas, Ted Cruz, que mudou de rumo em relação à estratégia de 2016 de se opor a Trump e agora pretende cavalgar na garupa de Trump até a presidência na próxima década.

Seguindo o exemplo de Trump, Hawley declarou em novembro que os republicanos “agora são um partido da classe trabalhadora“. Cruz também fez apelos cínicos aos “operários” e salvou “empregos sindicais” para justificar sua defesa da indústria de combustíveis fósseis. Os dois senadores – ambos graduados pela Ivy League [A Ivy League é uma conferência desportiva da NCAA de oito universidades privadas do nordeste dos EUA] – calcularam que vestir o manto de Trump os ajudará politicamente.

Também se opuseram à certificação eleitoral de Biden 139 congressistas republicanos e seis outros senadores. Mas, embora o próprio Trump possa acreditar em suas alegações delirantes de que foi o vencedor por direito, podemos ter quase certeza de que nenhum outro republicano de alto escalão acredita genuinamente que a fraude eleitoral generalizada alterou a balança.

Como disse o senador Ben Sasse em 31 de dezembro em uma carta aberta ao seu eleitorado:

Quando conversamos em particular, não ouvi um único republicano no Congresso alegar que os resultados das eleições foram fraudulentos – nenhum. Em vez disso, eu os ouço falar sobre suas preocupações de como serão “vistos” pelos partidários mais fervorosos do presidente Trump … Vamos deixar claro o que está acontecendo aqui: temos um monte de políticos ambiciosos que pensam que há uma maneira rápida de entrar em contato com a base populista do presidente sem causar nenhum dano real no longo prazo. Mas eles estão errados – e esse problema é maior do que as ambições pessoais de qualquer pessoa. Adultos não apontam uma arma carregada para o coração do autogoverno legítimo.

Essa é a atitude dos representantes sérios do capitalismo. O problema é realmente maior do que as ambições pessoais; é uma questão da necessidade geral de manter a percepção pública quanto à validade da democracia burguesa dos Estados Unidos – e em tempos como este, essa não é uma tarefa simples.

Embora os mais firmes apoiadores de Trump no Congresso formem uma minoria numérica, há muito mais republicanos pró-Trump em todo o país nos governos estaduais e locais. Os eventos recentes demonstram o risco eleitoral considerável de ser percebido como anti-Trump por essa camada e pelos eleitores republicanos de forma mais ampla. Depois de votar pelo impeachment de Trump, a conservadora Liz Cheney foi ferozmente criticada pelo Partido Republicano de Wyoming e pela Associação de Proprietários de Armas de Wyoming. Além disso, depois de declarar que Trump era o responsável pelo motim, o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, foi submetido a duras críticas conservadoras, apesar de ter votado contra o impeachment de Trump e de ter, antes, votado contra a certificação de Biden. Ele rapidamente corrigiu seu “erro”, afirmando que Trump, de fato, não provocou o motim e, ao mesmo tempo, expressando suas “preocupações” com a liderança de Liz Cheney. Por medo de serem flanqueados pela direita por oponentes primários pró-Trump, muitos membros republicanos do Congresso serão empurrados ainda mais para a direita.

A responsabilidade por tudo isso recai diretamente nos ombros dos atuais líderes trabalhistas. Um partido socialista independente de massas da classe trabalhadora eliminaria a confusão política e reestruturaria a polarização em uma base de classe, atraindo o apoio dos trabalhadores que votam em ambos os partidos e dos trabalhadores que atualmente nem vão votar. Visto que o trumpismo é causado pelo descontentamento com o status quo liberal em primeiro lugar, a política socialista independente de classe é a única maneira viável de combatê-lo. Mas, ao se recusarem a romper com os democratas, os líderes trabalhistas são cúmplices ao permitirem que os apelos demagógicos da direita à identidade da classe trabalhadora apodreçam e continuem a semear a confusão e as divisões na classe trabalhadora.

Para onde está indo o Partido Republicano?

Três amplos agrupamentos surgiram dentro do Partido Republicano. Por um lado, está a ala do establishment, que busca recuperar o controle total sobre o partido. Do outro, está a ala firmemente pró-Trump. E, entre eles, há uma camada intermediária vacilante de republicanos que querem continuar explorando a base de Trump, enquanto suavizam as arestas da abordagem real de Trump. Exemplificados por pessoas como Tom Cotton e Marco Rubio, eles se esforçam por um trumpismo “mais delicado e gentil”.

Nas décadas anteriores, simplesmente ser o partido de oposição aos democratas no poder teria sido suficiente para mantê-lo mais ou menos unificado. Mas aquela época de relativa estabilidade capitalista acabou. Manter a unidade entre os agrupamentos emergentes será impossível no longo prazo. É quase certo que uma separação formal ocorrerá em algum ponto. Na verdade, Trump flertou em particular com a ideia de começar um novo partido, a ser potencialmente chamado de Partido Patriota, embora apenas o tempo dirá se ele lançará ou não algo nesse sentido.

É impossível prever os resultados potenciais para um novo partido de direita. Se isso iria deslocar os republicanos ou se eles simplesmente permaneceriam como um agrupamento marginal, depende de muitos fatores e da situação concreta em que surge. No entanto, podemos ter certeza disso: simplesmente remover Trump não resolverá a crise que o Partido Republicano enfrenta e pode, de fato, torná-la ainda pior. Um partido com uma base relativamente grande à direita, como os republicanos, inevitavelmente sugaria uma porcentagem significativa da base eleitoral desse partido. Dada a significativa raiva anti-establishment entre a base de eleitores republicanos, tal partido poderia emergir independentemente de o próprio Trump assumir a liderança. Qualquer que seja o resultado exato, isso certamente alteraria o equilíbrio cuidadosamente calibrado entre os dois principais partidos.

Além disso, a ascensão de tal partido também proporcionaria cobertura conveniente para os democratas se deslocarem cada vez mais para a direita – o chamado “centro” – a fim de cortejar os ex-republicanos e se estabelecer como o partido preeminente da classe capitalista. Essa mudança sísmica no cenário político revelaria a fragilidade do sistema bipartidário – um arranjo que alguns na esquerda viam como uma barreira permanente e insuperável. A recusa dos líderes trabalhistas em lançar um partido de massas da classe trabalhadora à esquerda do atual duopólio permitiu que o Trumpismo se colocasse como o único ponto de referência para a raiva anti-establishment. Mas o surgimento de um novo partido na extrema direita poderia fornecer um poderoso impulso para a criação de um novo veículo político de massas na esquerda.

A história recente do Partido Republicano mostra que Trump é apenas a expressão mais recente de uma crise existencial que confronta os dois principais partidos. Décadas de declínio do capitalismo dos EUA – um fator além do controle de qualquer presidente – corroeram a confiança pública em todo o sistema. Essa é a base do trumpismo e, consequentemente, não há possibilidade de um retorno duradouro ao status quo. Se Trump for removido da esfera política, isso representará apenas uma limpeza das plataformas para que o movimento reacionário atrás dele continue sob outra forma, potencialmente mais virulenta.

Depois de um ano de mudanças dramáticas no cenário político, não devemos ignorar a importância das divisões dentro das fileiras do Partido Republicano. Por bem mais de um século, o “Grande Velho Partido” foi um elemento aparentemente permanente no cenário político americano, um exemplo e modelo brilhante para os capitalistas do mundo. Por décadas, ele desfrutou sem esforço de uma base de apoio de massa. Ele agora está em agonia de morte prolongada, sujeito a convulsões, crises e instabilidade – como o sistema econômico que defende. Seu destino preciso ainda está para ser visto, mas se ele for transformado totalmente em um partido do trumpismo, se se mover como um “trumpismo leve” ou for totalmente deslocado, os dias de glória do Partido Republicano “moderado e respeitável” estão mortos e enterrados.

Join Us

Join the International Marxist Tendency and help build a revolutionary organisation to participate in the struggle for socialism worldwide!

In order to join fill in this form and we will get back to you as soon as possible.